6 de abr de 2017

Ex-oficial chavista: "G2 cubano controla o serviço de inteligência na Venezuela"

O ditador cubano Raúl Castro eo ditador venezuelano Nicolás Maduro em Havana para o aniversário de 90 anos do falecido Fidel Castro.



Martin Notícias, 05 de abril de 2017. 




“Toda essa informação acaba nas mãos dos serviços de inteligência cubanos, o G2”, disse ao jornal ABC na Espanha, Gyoris Guzman, ex-Diretor Geral do Combate ao Crime Organizado e ao Financiamento ao Terrorismo, na Venezuela. 

A situação na Venezuela ainda é orquestrada pelos cubanos, que nos últimos anos têm informações obtidas pelo Centro de Segurança Estratégica e Defesa da Pátria (Cesppa), destacou nesta quarta-feira o jornal espanhol ABC

O Cesppa foi criado por Nicolás Maduro em 2013 para unificar informações confidenciais tratadas separadamente antes pela Direção de Inteligência Militar (DIM), o Serviço de Inteligência Bolivariana (Sebin) e as forças policiais


Toda essa informação termina nas mãos dos serviços de inteligência cubanos, o G2”, disse ao Jornal, Gyoris Guzman, que foi diretor do Escritório Nacional contra o crime organizado e o financiamento ao terrorismo na Venezuela, entre 2013 e 2015. Hoje ele vive como refugiado na Espanha onde pediu asilo político. 

Guzman diz que em uma ocasião, ele foi convidado para uma conferência do Cesppa e ficou surpreso de não ver o seu diretor, Gustavo Gonzalez Lopez, que também é chefe do Sebin, mas um oficial cubano conhecido como Coronel Camilo, que seria o representante do G2 na Venezuela

O ex-funcionário bolivariano disse que os comandantes cubanos estacionados na Venezuela recebem tratamento preferencial, e também os seus superiores, como, por exemplo, o recebimento de um apartamento à beira-mar na cidade de Tucacas, para o uso pessoal do Coronel Camilo, a quem também foi facilitado uma van apreendida. 

De acordo com Guzman, no apartamento foi aplicado uma reforma milionária, embora ainda não tenham resolvido a situação jurídica do seu legítimo proprietário. 

O número de “assessores” cubanos na Venezuela diminuiu devido à crise no país. Quando Madurou chegou ao poder havia um número estimado de 45.000 cubanos, ele disse a ABC. 

E além de nutri-los com dados das agências de inteligência “o Cesppa tinha uma maquinaria própria de espionagem, um grupo de hackers e especialistas em eletrônicos com dispositivos sofisticados destinados a espionagem eletrônica”, disse a ABC, e lembrando-se de que eles mostraram vários relatórios no portal Vertex Notícias. 

Watson, o sistema chavista de espionagem

Em abril de 2016, o jornalista investigativo da Venezuela Casto Ocando, editor-chefe do portal Vertex Notícias, com sede em Miami, publicou uma série de cinco partes sobre o sistema de espionagem do governo Maduro. 

Na segunda parte, de seus relatórios, Ocando disse que um dos sistemas de computador sofisticados utilizados pelo Cesppa para processar milhares de milhões de bytes por segundo é conhecido como Watson, uma plataforma desenvolvida pela IBM em honra ao fundador da empresa, Thomas J. Watson.

O complexo Watson, disse Ocando, é como um cérebro artificial capaz de processar grandes quantidades de dados não estruturados, através de um processo complexo de raciocínio automatizado, que identifica padrões e tendências, construindo relações, e respondendo a perguntas específicas utilizando números baseados a informações contidas nos dados. 

Embora originalmente criado pela IBM não nasceu para ser usado como uma ferramente poderosa para os regimes autoritários como os da Venezuela, o país tem feito uso para fins de inteligência”, disse ele. 

As capacidades de Watson são amplamente explicadas no site oficial da IBM onde você vai confirmar que “hoje Watson está presente em 45 países e 20 indústrias para ajudar os usuários a tomar as melhores decisões para fazer um trabalho melhor”. 

O relatório de Vertex Notícias disse que a tecnologia foi usada em 2002, na Croácia, com a aprovação do governo dos Estados Unidos, para combater o terrorismo e a imigração ilegal, uma prioridade para Washington depois dos ataques terroristas de 11 de Setembro de 2001. 

O sistema foi utilizado para analisar o fluxo massivo de dados de interceptação de possíveis comunicações ligadas aos grupos da Al-Qaeda na região. 

Vertex tentou confirmar se o governo venezuelano tinha adquirido a licença para o uso do sistema Watson diretamente de um meio transnacional tecnológico, mas vários telefonemas e e-mails  enviados para Lia Davis, Diretor de Comunicações do Sistema Watson da IBM, em Washington DC e Nova York, não foram respondidos”, disse Ocando. 

De acordo com uma comunicado da presidência venezuelana, publicado em 14 de julho, no Diário Oficial da República Bolivariana, declarou que "O cidadão Leonardo Alfredo Bello Ortega foi nomeado como Diretor-Geral do Centro de Segurança Estratégica e Defesa da Pátria (CESPPA)." 

Artigos recomendados: 


Nenhum comentário:

Postar um comentário