27 de abr de 2017

Dois candidatos permanecem na eleição presidencial francesa, e ambos apoiam as leis de aborto

Emmanuel Macron



LifeSiteNews, 26 de abril de 2017



Por Jeanne Smits



Paris, França, 26 de abril de 2017 (LifeSiteNews) – A primeira volta das eleições presidenciais francesas passou, deixando o país num dilema. 

Dos 11 candidatos, nenhum candidato recebeu a maioria dos votos, deixando os finalistas para uma corrida em 07 de maio com o indefinível Emmanuel Macron (24,01%) dos votos, e a nacionalista Marine Le Pen com (21,3%). 

François Fillon (20,01 %) e o comunista Jean-Luc Mélenchon (19,58%) ficaram aquém. 


A votação foi incrivelmente estreita, com uma grande proporção de eleitores permanecendo indecisos praticamente até o último dia. O que torna a situação difícil é que Le Pen, que representa um “mal menor”, do ponto de vista pró-vida, e que também defende a proteção das fronteiras e da identidade da França, terá dificuldades em obter uma maioria contra Macron. Ele já conta com o apoio de Fillon e pode contar com votos da esquerda e do centro político – mesmo que muitos eleitores de Fillon provavelmente preferirão Marine a Macron. 

Macron estava de fato certo de chegar ao palácio do Elysée – a residência oficial do presidente francês, em Paris – depois da primeira rodada de votação em que fez seu discurso na noite de eleição foi, para todos os efeitos, um discurso de vitória. É de fato o cenário mais provável, mas coisas estranhas aconteceram. 

O que é certo é que a eleição de Macron deixaria a França firmemente nos mesmos trilhos estabelecidos pelo presidente cessante, o socialista François Hollande, sob cujo reinado o “casamento” de mesmo sexo foi legalizado, os “direitos” de aborto foram reforçados e a eutanásia tornou-se um direito para todos na forma de sedação terminal. 

Longe de ser um estranho que se levanta para a renovação, como a grande mídia o apresentou, Macron é completamente uma figura do Establisment. Hollande deu a Macron, ex-ministro da Economia no governo Hollande, seu discreto apoio durante a campanha, enquanto o candidato oficial do Partido Socialista,  Benoît Hamon, foi abandonado por muitos de seus colegas a favor de Macron. Hamon terminou com míseros 6,36% na noite de domingo passado. 

O próprio Macron seguiu a tão desgastada estrada do poder na França, estudando na Escola de Ciência Política e – como Hollande – obtendo seu diploma da “Ecole Nationale D'Administration”, que prepara estudantes brilhantes para os mais altos cargos do governo. Ele também trabalhou por vários anos como um banqueiro de investimentos bem pagos para Rothschild [banco] antes de se juntar ao círculo íntimo de Hollande em 2002. No ano passado, Macron formou o seu próprio partido que combina políticas de esquerda e de direita. 

Macron sempre esteve perto de Jacques Attali, um economista de esquerda que aconselhou vários presidentes franceses ou futuros presidentes desde 1973, incluindo o socialista François Mitterrand, o liberal Nicolas Sarkozy e Hollande. Macron convidou Attali para um jantar privado com os seus colaboradores próximos no domingo passado, após sua vitória na primeira rodada. 

Attali é um defensor da “humanidade unissex”, chamando a legalização do “casamento” de mesmo sexo de uma “anedota sem importância” e anunciando que a humanidade está avançando em direção a um estado onde “homens e mulheres serão iguais em todos os aspectos, incluindo a de procriação que não será mais o privilégio ou a carga da mulher”. E os bebês, diz ele, “serão feitos sozinhos ou com outros, sem relações físicas, sem que ninguém os carregue”. Em 1981 escreveu: "a eutanásia será um instrumento fundamental de nossas sociedades futuras.”. 

O que Attali sussurra no ouvido de Macron é crucial, porque em muitos aspectos Macron parece não ter ideias próprias, ou pelo menos ele não expressou claramente durante a sua campanha presidencial. Sua vacuidade era um ponto de discussão nas mídias sociais e parece ter encontrado eco nas mentes de muitos após anos de doutrinação em escolas controladas pelo Estado e nos principais meios de comunicação. 

Macron claramente defende os “direitos” de aborto, e o “casamento” gay e os direitos LGBT, bem como a procriação artificial para “casais” de lésbicas. Ele é ambíguo sobre a maternidade de aluguel, a qual ele pode proibir na França, mas sem tomar medidas para impedir que os casais de “importar” bebês de países onde é legal. Ele ainda quer ter certeza de que o procedimento não é “mal pago” em vez de promover uma proibição internacional sobre esta forma moderna de escravidão. 

Macron não tem opinião sobre a eutanásia, exceto que é urgente em sua opinião implementar plenamente a presente lei. Quanto aos direitos dos pais e à educação, sua plataforma “participativa” diz pouco. Ele fala apenas das escolas públicas cujo núcleo comum promove valores “verdades”, o aborto e a contracepção, e deixa os alunos do ensino médio sem noção sobre o curso da história e muitas vezes incapazes de ler e escrever corretamente. 

Macron deixou claro, por outro lado, que ele favorece a imigração num momento em que a França, como o resto da União Europeia, está sendo inundada com imigrantes africanos e do Oriente Médio, principalmente islâmicos. Ele também é o candidato mais compatível coma agenda globalista, tendo prometido tornar a implementação do Acordo de Paris COP 21 um pilar da política internacional da França, inclinando-se para os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU e suas demandas de “direitos reprodutivos”. 

Deve-se dizer que dos 11 candidatos, nenhum adotou uma postura pró-família e pró-vida completamente coerente. Le Pen, além de querer proteger a identidade nacional, e as fronteiras e a segurança da França, é a única candidata disposta a abolir o “casamento” entre pessoas do mesmo sexo, embora “melhorando” as uniões civis para “casais” do mesmo sexo. Nas questões de procriação artificial, maternidade de aluguel e eutanásia, ela tem uma das melhores plataformas, mas ela não está disposta a proteger a vida, tendo chamado o aborto de um “direito da mulher” que ela não vai abolir. 

De um ponto de vista pessoal, nenhum candidato está em um casamento regular. Marine Le Pen, duas vezes casada e divorciada, tem um parceiro que é atualmente um vice-presidente da Frente Nacional da qual é figura de proa. Macron, ao frequentar uma escola jesuíta em Amiens, apaixonou-se por uma professora de literatura francesa, Brigitte Trogneux, aos 16 anos. Ela tinha 40 anos, era casada e mãe de três filhos. Macron casou com ela em 2007 aos 30 anos – ela tinha então 54 – depois de ter mantido um relacionamento com ela desde o ensino médio. 

Mas talvez o aspecto mais problemático da personalidade de Macron foi revelado em uma entrevista que ele deu sobre questões ambientais ao World Widlife Fund há alguns meses. Ele se referiu ao “planeta que nos criou” e chamou a política de “uma forma de magia”. 

Eu sempre tomei a dimensão vertical, transcendental, mas ao mesmo tempo ela deve ser ancorada na imanência completa, na materialidade” disse ele. “Eu não acredito na transcendência etérea... Eu não separo Deus do resto. Faço a conexão entre transcendência e imanência”. 

Não é nenhuma maravilha que muitos eleitores não têm nenhuma ideia do que seu programa político contem realmente. Mas se as palavras significam alguma coisa, ele é um ecologista espiritualista que se encaixa perfeitamente com a idolatria moderna da “Mãe Terra”. Talvez seja por isso que este candidato improvável tenha ganho tanto apoio midiático e político, limpando o descontentamento do povo francês com o socialismo e seu desejo de proteger o país do globalismo e da imigração descontrolada, e na esperança de tornar impotente a promessa do Manif Pour Tous de colocar milhões nas ruas contra o “casamento gay”. 

Artigos recomendados: 


Nenhum comentário:

Postar um comentário