14 de mar de 2017

Procurando ter um papel mais profundo na Líbia a Rússia implanta forças no Egito

O general Khalifa Haftar, comandante do Exército Nacional da Líbia (LNA), sai depois de uma reunião com o chanceler russo, Sergei Lavrov. Moscou, novembro de 2016.



Euractiv/REUTERS, 14 de março de 2017. 



Moscou parece ter implantado forças especiais para uma base aérea no oeste do Egito perto da fronteira com a Líbia nos últimos dias, disseram as fontes americanas, egípcias e diplomáticas, uma medida que aumentaria as preocupações dos Estados Unidos com o papel de Moscou na Líbia. 

Os Estados Unidos e as autoridades diplomáticas disseram que qualquer implantação russa pode fazer parte de uma tentativa de apoiar o comandante militar líbio Khalifa Haftar, que sofreu um revés com um ataque às Brigadas de Defesa de Benghazi (BDB), em 03 de março, em portos de petróleo controlados por suas forças. 

As autoridades americanas, que falam sob a condição de anonimato, disseram que os Estados Unidos observaram o que parecia ser forças especiais russas e drones em Sidi Barrani, a cerca de 60 milhas (100 km) da fronteira entre o Egito e a Líbia. 


Fontes de segurança egípcias ofereceram mais detalhes, descrevendo uma unidade de comando de 22 membros russos, mas se recusaram a discutir sua missão. Eles acrescentaram que a Rússia também usou outra base egípcia mais a leste em Marsa Matrouh no início de fevereiro. 

As aparentes implantações russas não foram relatadas anteriormente. 

O Ministério da Defesa russo não fez comentários imediatos na segunda-feira (13 de março) e o Egito negou a presença de qualquer contingente russo em seu solo. 

Não há nenhum soldado estrangeiro de qualquer país em solo egípcio. Esta é uma questão de soberania”, disse o porta-voz do Exército egípcio, Tamer al-Rifai. 

Os militares dos Estados Unidos se recusaram a comentar. A inteligência dos Estados Unidos sobre atividades militares russas é muitas vezes complicada por causa do seu uso de empreiteiros ou forças sem uniformes, dizem as autoridades. 

Aeronaves militares russas voaram cerca de seis unidades militares para Marsa Matrouh antes que uma aeronave continuasse para a Líbia cerca de 10 dias depois, disseram fontes egípcias. 

A Reuters não conseguiu verificar de forma independente qualquer presença de forças especiais russas, aviões ou aviões militares no Egito. 

Mohamed Mnafour, comandante da base aérea de Benina perto de Benghazi, negou que o Exército Nacional da Líbia (LNA) do Haftar tenha recebido assistência militar do governo russo, ou de empreiteiros militares russos, e disse que não havia forças ou bases russas no leste da Líbia. 

Vários países ocidentais, incluindo os Estados Unidos, enviaram forças especiais de operações e conselheiros militares para a Líbia nos últimos dois anos. Os militares dos Estados Unidos também realizaram ataques aéreos para apoiar uma campanha líbia bem-sucedida no ano passado para expulsar o Estado Islâmico de seu reduto na cidade de Sirte. 

As dúvidas sobre o papel da Rússia no norte da África coincidem com as crescentes preocupações em Washington sobre as intenções de Moscou na Líbia rica em petróleo, que se tornou uma colcha de retalhos de feudos rivais na sequência de uma revolta apoiada pela OTAN contra o falecido líder Muammar Gaddafi, cliente da antiga União Soviética. 

O governo apoiado pela ONU em Trípoli está em um impasse com Haftar, e autoridades russas se reuniram com ambos os lados nos últimos meses. Moscou parece disposto a dar o seu apoio diplomático público para Haftar, mesmo que os governos ocidentais já estavam irritados com a intervenção da Rússia na Síria para sustentar o presidente Bashar al-Assad. 

Uma força de várias dezenas de empresas privadas de segurança da Rússia operou até fevereiro em uma parte da Líbia que está sob controle de Haftar, o chefe da empresa que contratou os empreiteiros disse à Reuters. 

O principal comandante militar norte-americano que supervisiona as tropas na África, o general da marinha Thomas Waldhauser, disse ao Senado dos Estados Unidos na semana passada que a Rússia estava tentando exercer influência na Líbia para fortalecer sua influência sobre quem detém o poder. 

Eles estão trabalhando para influenciar nisso”, disse Waldhauser ao Comitê das Forças Armadas do Senado na quinta-feira (09 de março). 

Perguntado se era interesse dos Estados Unidos deixar isso acontecer, Waldhauser disse: “Não é”. 

Recuperando o dedo do pé. 

Uma autoridade de inteligência dos Estados Unidos disse que o objetivo da Rússia na Líbia pareceu ser um esforço para “recuperar um dedo do pé em que a União Soviética teve uma vez como um aliado na pessoa de Gaddafi”. 

Ao mesmo tempo, como na Síria, eles parecem estar tentando limitar seu envolvimento militar, porém aplicar o suficiente para para forçar alguma resolução, mas não o suficiente para deixá-los possuir o problema”, acrescentou o funcionário, falando sob a condição de anonimato. 

O cortejo russo a Haftar, tende a classificar os seus rivais armados como extremistas islâmicos a quem alguns líbios veem como o homem forte que seu país necessita depois de anos de instabilidade, o que levou outros a estabelecerem  paralelos coma Síria, outro antigo cliente soviético. 

Perguntado pelo senador republicano Lindsey Graham se a Rússia estava tentando fazer na Líbia o que fez na Síria, Waldhauser disse: “Sim, essa é uma boa maneira de caracterizá-lo”. 

Um diplomata ocidental, falando sob condição de anonimato, disse que a Rússia estava de olho em Haftar, embora seu foco inicial fosse provavelmente na Líbia e no seu “crescimento da produção de petróleo”. 

É bastante claro  que os egípcios estão facilitando o engajamento russo na Líbia, permitindo-lhes usar essas bases. Há supostamente exércitos em treinamentos que ocorrem lá atualmente”, disse o diplomata. 

O Egito tem tentado persuadir os russos a retornarem voos para o Egito, que foram suspensos desde que um avião russo transportando 224 pessoas do resort do Mar Vermelho de Sharm al-Sheikh para São Petersburgo foi derrubado por uma bomba em outubro de 2015. O ataque foi reivindicado por um ramo do Estado Islâmico que opera fora do norte do Sinai. 

A Rússia diz que seu principal objetivo no Oriente Médio é conter a propagação de grupos islâmicos violentos. 

O ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, prometeu este mês ajudar a unificar a Líbia e promover o diálogo quando se encontrou com o líder do governo apoiado pela ONU, Fayez Seraj. 

A Rússia, por sua vez, também aprofunda suas relações com o Egito, que tinha vínculos com a União Soviética de 1956 a 1972. 

Os dois países realizaram exercícios militares conjuntos – algo que os Estados Unisos fizeram regularmente até 2011 – pela primeira vez em outubro. 

O jornal russo Izvestia disse em outubro que Moscou estava em negociações para abrir ou arrendar uma base aérea no Egito. O jornal estatal egípcio Al-Ahram, no entanto, citou o porta-voz presidencial dizendo que o Egito não permitiria bases estrangeiras. 

As fontes egípcias disseram que não houve acordo oficial sobre o uso russo das bases egípcias. Houve, no entanto, intensas consultas sobre a situação na Líbia. 

O Egito está preocupado com o caos que se espalha de seu vizinho ocidental e abriu uma aglomeração de reuniões diplomáticas entre líderes mundiais nos últimos meses. 

O embaixador russo na UE, Vladimir  Chizhov, disse à EURACTIV que as chamadas forças especiais russas que chegam a Benghazi eram de fato especialistas civis contratados por uma empresa privada de segurança russa, que tinha um contrato com um empresário local para desminar uma fábrica local.

"Certamente não é uma unidade de combate. Eles estão envolvidos na remoção de minas de uma instalação industrial, e é isso ", disse ele.

Artigos recomendados: 



Nenhum comentário:

Postar um comentário