18 de jan de 2017

Moldávia passa da União Europeia para a Rússia

Igor Dodon e Vladimir Putin


Eurobserver, 17-18 de janeiro de 2017. 






O presidente da Moldávia disse que gostaria de abandonar o tratado de paz de seu país e confirmou que começou a fazer preparativos para se unir a um bloco liderado pela Rússia. 

Igor Dodon, que chegou ao poder em dezembro passado, fez o anúncio em uma conferência de imprensa com o líder russo Vladimir Putin nessa terça-feira (17 de janeiro). 

Acredito que a Moldávia não tenha feito um bom acordo”, disse Dodon, referindo-se a um tratado de livre comércio e associação política concluída em 2014. 

Perdemos o mercado russo e, estranhamente, nossas exportações para a União Europeia caíram, ou seja, não recebemos nada da assinatura do acordo”. 

Ele disse que se o seu Partido Socialista ganhasse as eleições parlamentares em 2018, então: “Eu não espero que tenhamos uma maioria parlamentar e que o acordo seja revogado”. 

Dodon também afirmou ter posto em marcha um memorando de cooperação com a União Econômica Euro-asiática (EAEU), um bloco liderado pela Rússia e seis dos antigos estados soviéticos. 

Ele acrescentou que pediu a Putin que dê o status de observador da Moldávia à Comissão Econômica da EAEU. 

Ele pediu uma nova “parceria estratégica com a Rússia” e disse que sua eleição, em um bilhete pró-russo, significava que os moldávios estavam interessados em “preservar os tradicionais valores cristãos ortodoxos”. 

Dodon tem sido controverso sobre o pacto da União Europeia nos últimos meses. 

Ele disse na terça-feira que visitará Bruxelas no início de fevereiro para “conversar sobre isso com os nossos parceiros da União Europeia”. 

Se a Moldávia derrubasse o tratado da União Europeia, isso significaria outra inversão da política da União Europeia de se alinhar com os países da ex-União Soviética. 

O líder ucraniano, Viktor Yanukovich, rejeitou um tratado da União Europeia em 2013, o que provocou uma revolta popular e a subsequente invasão da Rússia. 

O líder armênio, Serzh Sargsyan, em 2013, também optou por aderir à EAEU em vez de assinar um pacto da União Europeia. Diplomatas da União Europeia acusaram a Rússia de pressionar Sargsyan no acordo. 

A afirmação de Dodon consiste em dizer que a Moldávia “não recebeu nada” pelos seus laços com a União Europeia e que isso não foi confirmado pelos números da União Europeia. 

Diz que a União Europeia tem gastando mais de 335 milhões de euros em ajuda à Moldávia entre 2014 e 2017. 

Os cidadãos da Moldávia se beneficiaram de um acesso sem vistos à União Europeia há três anos. 

As promessas de Putin. 

Putin na terça-feira também afirmou que “as estatísticas mostram que o comércio da Moldávia com os países da União Europeia diminuiu”. 

Ele já havia imposto sanções às exportações moldavas e ameaçou expulsar até 500 mil imigrantes moldavos que trabalhavam na Rússia. 

Ele disse na terça-feira que as sanções poderiam ser levantadas se a Moldávia estivesse disposta a questionar as ações da União Europeia. 

Muito dependerá de como a Moldávia vai construir as suas relações com a União Europeia, ou seja, o acordo de associação entre a Moldávia e a União Europeia foi assinado e entrou em vigor”, disse Putin. 

Ele propôs que a Rússia deveria ter uma palavra a dizer sobre as futuras relações União Europeia-Moldávia em novas negociações "trilaterais”.

Ele prometeu facilitar as regras de viagem para os trabalhadores migrantes moldavos. 

Ele também reavivou uma velha ideia para resolver o conflito congelado entre a Moldávia e a Transniestria, um território separatista que é protegido por tropas russas. 

Putin redigiu o Memorando Kozak, um plano para a reunificação, em 2003, mas a União Europeia persuadiu a Moldávia a rejeita-lo com o argumento de que iria enriquecer a influência russa no país. 

Espero muito que voltemos a esta questão não só em palavras, mas em feitos”, disse Putin nessa terça-feira, acrescentando que lamentava a “abrupta” mudança de opinião da Moldávia sobre o memorando de 2003. 

Sanções da Rússia. 

Putin acrescentou que esperava normalizar as relações com os Estados Unidos e a União Europeia, culpando a administração já de saída de Obama por estragar os laços da Rússia com a União Europeia. 

Referindo-se ao presidente norte-americano, Donald Trump, ele disse: “Tenho certeza de que, eventualmente, poderemos retornar às relações normais de estado a estado, tanto no interesse dos povos da Europa como dos povos da Rússia e dos Estados Unidos”. 

A União Europeia e os Estados Unidos impuseram sanções econômicas e diplomáticas à Rússia devido à sua invasão da Ucrânia. 

Alguns países da União Europeia pediram agora uma reaproximação com a Rússia. 

Angelino Alfano, ministro das Relações Exteriores italiano, afirmou nessa terça-feira que “precisamos avaliar as condições para retornar ao formato G8”, referindo-se ao retorno da Rússia ao G8 dos principais países. 

Mas Samantha Power, a embaixadora dos Estados Unidos na ONU, disse na terça-feira que pensa “o contrário” no que se refere a aliviar as sanções a Rússia pela sua agressão na Ucrânia. 

Aliviar medidas punitivas sobre o governo russo, quando não mudaram o seu comportamento, só fortalecerá a Rússia”, disse ela. 

Ameaça russa. 

Falando no Conselho Atlântico, um think Tank em Washington, ela disse que a Rússia representa uma “ameaça... à ordem internacional baseada em regras”. 

Ela disse que Putin estava tentando “travar uma cunha entre os Estados Unidos e os nossos aliados mais próximos”, por exemplo, financiando partidos de extrema-direita como a Frente Nacional [FN] nas eleições francesas. 

Ela alertou que os hackers russos, e os trolls da Internet e a propaganda tentariam influenciar as eleições alemãs [supostamente] da mesma forma que a Rússia “se meteu” na vitória de Trump nos Estados Unidos. 

Temos de combater a desinformação com informações. Ficção com fatos. Mas documentar e divulgar fatos – assim como fabricar notícias falsas – leva recursos”, disse ela. 

Referindo-se ao orçamento de propaganda de 1 bilhão de dólares por ano de Putin, ela disse: “Precisamos gastar pelo menos o mesmo tanto – e sem dúvida muito mais – para treinar e equipar jornalistas independentes, proteger os jornalistas que estão sob ataque e encontrar maneiras de contornar os censores e firewalls que os governos repressivos usam para impedir que os seus cidadãos tenham acesso as vozes críticas”.  

Artigos recomendados: 


Nenhum comentário:

Postar um comentário