28 de dez de 2016

Kissinger aconselhou Trump a aceitar a Crimeia como sendo da Rússia – segundo a Bild

Henry Kissinger e Vladimir Putin



UT, 27-28 de dezembro de 2016




O presidente eleito dos Estados Unidos está procurando a abolição das sanções anti-russas sobre a “recomendação de Henry Kissinger”. 

O presidente eleito dos Estados Unidos Trump traz um peso pesado político ao seu lado. O lendário ex-secretário de Estado americano Henry Kissinger que está se posicionando como um intermediário em potencial, já que Trump sinaliza que ele quer um relacionamento mais cooperativo com Moscou, informa o jornal alemão Bild

Kissinger é também o único a elaborar um plano mestre para a Ucrânia, de acordo com informações da Bild

O político de 93 anos de idade manteve relações calorosas com Vladimir Putin, mesmo com aumento das tensões entre os Estados Unidos e a Rússia. 

Kissinger é um dos poucos americanos que se reuniram com Putin regularmente, ao lado do chefe da Exxon e candidato de Trump para o Departamento de Estado dos Estados Unidos, Rex Tillerson, e do ator de Hollywood Steven Seagal

Kissinger é claro sobre as futuras relações entre as duas superpotências nucleares. 

Ele acredita que a aproximação com a Rússia é o movimento certo e também o posicionamento contra a crescente militarização da China. Um equilíbrio entre a América e a Rússia reforçaria a estabilidade global. 

De acordo com a análise dos serviços de inteligência da Europa Ocidental, que se refere às informações da equipe Trump, o futuro presidente dos Estados Unidos está buscando a abolição das sanções russas sobre a “recomendação de Kissinger”. 

Kissinger também recomenda reconhecer o domínio da Rússia nas ex-repúblicas soviéticas da Bielorrúsia, Ucrânia, Geórgia e Cazaquistão. Isto significa que: Os Estados Unidos politicamente abrem espaço para a Rússia entre a Polônia/ os países bálticos e o Irã, o Afeganistão e a China como uma esfera de influência. 

O confidente de longa data de Putin também tem o seu plano para o desenvolvimento político e econômico da Ucrânia. O núcleo da ideia é que a Rússia garanta a segurança do leste da Ucrânia, retirando-se gradualmente de lá. O Ocidente em troca, não interfere com a questão da Criméia. 

A ocupação da península ucraniana não é reconhecida oficialmente –, mas não deve ser um problema entre Moscou e Washington, recomenda Kissinger. 

Artigos recomendados: 


Nenhum comentário:

Postar um comentário