1 de set de 2016

A Suécia poderá trazer de volta o serviço militar obrigatório em 2019

soldados suecos durante um exercício.


The Local SC, 31 de agosto de 2016. 



A Suécia pode ver um retorno ao serviço militar obrigatório, desta vez para homens e mulheres, menos de uma década após a política ser desfeita, diz o relatório sueco de mídia. 

O ministro da defesa sueco, Peter Hulqvist já tinha dito que o governo estava considerando reintroduzir o serviço militar obrigatório para bater o número de poucos funcionários militares. 

Na quarta-feira (Svenska Dagbladet SvD) um jornal informou que o inquérito lançado pelo governo social-democrata-verde logo iria ser definido para propor um retorno do projeto, tanto para homens quanto mulheres em 2019. 

O relatório final é esperado para sugerir que todos os de 17 anos de idade na Suécia devem no próximo ano preencher um questionário para o futuro recrutamento nas Forças Armadas. No ano seguinte, os adolescentes que forem selecionados serão instruídos a se inscrever. 

O novo modelo será uma versão mais leve do que o antigo sistema de recrutamento da Suécia. Desta vez, apenas alguns milhares de pessoas ainda vão poder, conforme o sistema atual, ser capaz de se oferecer para o serviço militar. 

A Ex-membro do comitê de defesa no Parlamento da Suécia, Annika Nordgren Christensen, que está conduzindo o inquérito, se recusou a comentar sobre as propostas antes de serem apresentadas em setembro, mas disse que a ela ainda tinha sido dadas as diretivas “específicas”. 

“A tarefa é descobrir como podemos criar um sistema que continua a ser baseado na livre escolha e como combinar com o dever do serviço, como eles fazem na Noruega e na Dinamarca”, disse SvD. 

O serviço militar obrigatório para todos os homens foi introduzido na Suécia em 1901, mas, na prática, tinha sido rejeitado por anos antes de ter sido formalmente abolido pelo governo de centro-direita em 2010. 

Durante o auge da Guerra Fria, quase 85% dos homens suecos prestaram o serviço militar, com cerca de 50.000 selecionados a partir de uma faixa etária contando com 60.000 homens. 

Uma pesquisa realizada no início deste ano por grandes pesquisadores Ipsos em nome do jornal Dagens Nyheter sugeriu que 72% dos suecos iriam dar o seu apoio ao alistamento. E apenas 16% dos entrevistados disseram que acreditavam ser uma má ideia. 


Leitura recomendada:



Nenhum comentário:

Postar um comentário