18 de ago de 2016

Canadá – ordens judiciais para que escola privada permita que haja oração muçulmana – eles fariam o mesmo pelos cristãos?





LifeSiteNews, 17 de agosto de 2016. 






Calgary, Alberta, 17 de agosto de 2016 (LifeSiteNews) – Um juiz de Alberta confirmou uma decisão de “direitos humanos” em uma escola particular por supostamente ter discriminado dois estudantes muçulmanos, não lhes permitindo um lugar para orar. 

A história levanta uma questão óbvia: será que um tribunal de direitos humanos forçaria escolas privadas não cristãs a permitir que os cristãos tenham um espaço para oração? 

Um juiz da suprema corte de Alberta, Glen Poelman foi favorável a uma decisão de 2015 pela Comissão de Direitos Humanos de Alberta em que supostamente Webber Academy de Calgary havia discriminado dois estudantes do 9 e do 10 grau, recusando-se a permitir-lhes um espaço para realizar orações muçulmanas. Ele multou a escola em $ 26.000. 

Webber Academy argumentou que disse aos pais dos meninos que a decisão da escola não foi denominacional, e que não tinham espaço designado para rezarem. 



Mas o juiz escreveu que a AHRC estava certa ao descobrir que “por muitos anos, as escolas públicas e privadas foram obrigadas a aderir a legislação de direitos humanos na oferta dos serviços educacionais para o público”. 

Ele acrescentou: “A discriminação é permitida somente quando é razoável e justificável [ou seja, quando for o Cristianismo somente], conforme determinado por princípios bem estabelecidos.”.

De acordo com um relatório da Canadian Press, “aos alunos, Sarmad Amir e Naman Siddiqui, foi dito em 2011 que a sua oração – que exige curvar-se e ajoelhar-se – era demasiado óbvia em uma escola não confessional. E eles continuaram a realizar suas orações em segredo na escola, ou mesmo fora dela.”. [Nas imediações]. 

Neil Webber, presidente e fundador da Academia, disse que a queixa de direitos humanos foi precisamente o que a escola esperava evitar ao adotar uma política “não confessional”. 

“Queríamos ter certeza de que os alunos da nossa escola fossem capazes de prosseguir os estudos sem a distração das atividades religiosas sendo realizadas por membros de qualquer grupo religioso no campus”, disse ele. 

Webber disse que não tinha certeza se a escola iria apelar a decisão. [Covarde!]. 


Nenhum comentário:

Postar um comentário