30 de jul de 2016

Juncker, Presidente da Comissão Europeia vê risco no acordo com a Turquia para lidar com os imigrantes - o castelo de areia de Bruxelas

Presidente da Comissão Europeia Jean-Claude Juncker preside a uma reunião do órgão executivo da UE, em Bruxelas, Bélgica, 27 de julho de 2016.


Reuters, 30 de julho de 2016. 




O presidente da Comissão Europeia Jean-Claude Juncker está preocupado com um acordo firmado com a Turquia em março, para lidar com a onda de imigrantes com destino a Europa, e que pode entrar em colapso, disse ele a um jornal austríaco. 

“O risco é grande. O sucesso do acordo até agora é frágil. (Turco) Presidente (Tayyip) Erdogan por várias vezes tem dado a entender que ele quer rescindir o contrato”, disse Juncker a Kurier quando perguntado sobre se o acordo poderia desmoronar. 

Se isso acontecesse, “então você pode esperar que mais uma vez os refugiados estarão em pé às portas da Europa”, acrescentou em uma entrevista publicada no sábado. 


A Turquia tem até agora feito sua parte do acordo com Bruxelas para parar a imigração ilegal para a Europa através de suas costas, em troca de ajuda financeira, e a promessa de isenção de visto para a maior parte do bloco e conversações sobre a adesão acelerada. 

Mas Ancara tem se queixado de que a Europa não está à altura de seu lado do acordo e alarmou os líderes da União Europeia por reprimir opositores de Erdogan, especialmente na sequência de um golpe fracassado em 15-16 de julho. 

Juncker reiterou sua preocupação com a evolução da situação política na Turquia e repetiu que qualquer jogada de Ancara para reintroduzir a pena de morte levaria ao colapso imediato das negociações sobre a adesão à União Europeia. 

Em outros assuntos, Juncker disse que também estava preocupado com a situação dos outros membros da União Europeia. 

“Na Polônia, o Estado de direito está a ser fustigado [está nada!] pela abordagem do governo polaco. Em outros lugares há incidentes que atingem o coração da democracia. Estive a par das preparações para o referendo húngaro sobre os refugiados”, disse ele, referindo-se a uma votação sobre receber ou não imigrantes na Hungria. [Ênfase minha]. 

“Se referendos estão sendo organizados agora sobre cada decisão tomada pelo Conselho de Ministros e pelo Parlamento da União Europeia, então o Estado de Direito está em perigo. A Comissão estaria, na verdade. Não chegamos nesse ponto ainda – de abrir um processo de infração contra a Hungria”. 

Juncker disse que não estava ansioso para a possibilidade de lidar com a política e direitista francesa Marine Le Pen ou o candidato do Partido Republicano Donald Trump como presidentes de seus respectivos países [uma mera possibilidade]. 

“Eu não acharia nada agradável”, disse ele quando questionado sobre como se sentiria se Le Pen ganhasse as eleições presidenciais francesas no próximo ano juntando-se às fileiras de líderes europeus. Ele acrescentou: “Eu confio no senso comum dos franceses.”

E no caso de Trump, cuja campanha tem alimentado preocupações entre os aliados europeus, ele disse: “Eu nunca o conheci, e também não vejo nenhuma importância em conhece-lo permanentemente em janeiro.”. [Quando os resultados saem e o novo presidente é escolhido]. 

Ele chamou a rival democrata e candidata à presidência Hillary Clinton de “uma mulher muito séria e pensativa”.  


Nenhum comentário:

Postar um comentário