8 de jun. de 2022

Escassez de alimentos pode ser 'tão mortal' quanto pandemia global - diz especialista globalista em saúde

Peter Sands diretor executivo da GFATM




NYP, 08/06/2022 



Por Alex Blair com news.com.au



Uma importante figura de saúde global alertou que a próxima crise mundial de saúde pode vir na forma de escassez de alimentos, já que o preço dos suprimentos básicos dispara até mesmo nas nações mais ricas.

Peter Sands, diretor executivo do Fundo Global de Combate à AIDS, Tuberculose e Malária (GFATM), acredita que a escassez de alimentos pode ser “tão mortal” quanto uma pandemia se as autoridades não se prepararem.

De acordo com Sands, após mais de dois anos de reestruturação completa do mundo com o surgimento de um vírus respiratório, os governos agora precisam se preparar para encarar uma fera ainda mais complicada.

A Austrália já está começando a ver os primeiros sinais de estresse alimentar, pois os preços da alface atingiram incríveis US$ 12 por cabeça em algumas áreas após a estação das cheias. Desastres naturais, juntamente com inflação e complicações no setor de comércio global, podem produzir uma tempestade perfeita quando o globo começar a se equilibrar.

Sands, que trabalha em áreas que já lutam contra a pobreza e a desnutrição, diz que os governos ricos correm o risco de cometer o erro “clássico” de se preocupar apenas com crises que refletem o desastre mais recente que o mundo enfrentou.

Não é tão bem definido quando algum novo patógeno aparecerá (e) com (quantos) novos sintomas distintos. Mas pode ser igualmente mortal”, disse ele, via  Reuters.

Sands disse que os governos precisam fortalecer os sistemas de saúde para se preparar para as repercussões na saúde por causa da escassez de alimentos.

Embora não esteja claro o quão devastadora a escassez acelerada de alimentos pode ser para um país de primeiro mundo como a Austrália, especialistas em saúde pediram aos líderes que permaneçam vigilantes.

O Fundo Global tem como objetivo arrecadar US$ 18 bilhões para impulsionar os sistemas de saúde em todo o mundo e já levantou mais de um terço de sua meta para o período 2024-2026.

O especialista em saúde pública ecológica da Universidade de Canberra, Dr. Ro McFarlane, diz que o  sistema global de produção e fornecimento de alimentos  está se mostrando tão vulnerável quanto chips de silício, roupas, brinquedos e combustíveis.

Estamos falando sobre esses mesmos cenários há 50 anos”, disse o Dr. McFarlane ao  news.com.au  em maio.

Estivemos especulando. Estamos medindo. Temos aplicado nossas mentes para fazer modelos preditivos. Mas, por várias razões, não fomos levados particularmente a sério.”

Nós centralizamos, mercantilizamos e simplificamos todos os alimentos que comemos”, explica ela. “Isso o tornou incrivelmente vulnerável aos extremos climáticos que estão acontecendo no momento no Canadá, nos EUA e na Austrália. A capacidade de absorver um conflito como aquele entre a Rússia e a Ucrânia simplesmente não existe.

Trata-se das incríveis implicações se não acertamos isso. Vai além do conflito e da agitação social. É também uma questão de saúde nacional”, continuou o Dr. McFarlane, destacando as pressões potenciais das mudanças climáticas sobre os suprimentos de alimentos em todo o mundo.

“Em um mundo ideal, se você conseguir colocar na boca de todos o que é atualmente uma quantidade adequada de alimentos produzidos em todo o mundo, estaríamos bem. Mas esse não será o caso sob as mudanças climáticas – a menos que sejamos muito mais inteligentes.” [ênfase minha acrescentada]

Nos EUA, o presidente Biden continuou a alertar sobre a escassez de alimentos devido às “sanções russas”, já que os preços dos alimentos básicos e combustíveis dos supermercados continuam subindo no país de 330 milhões de habitantes.

O gerente geral de pesquisa de alimentos e agronegócios da Austrália e Nova Zelândia, Stefan Vogel, disse que o conflito resultaria em uma enorme escassez de grãos este ano e além.

"No ano passado, a Ucrânia exportou 70 milhões de toneladas de grãos, que é o dobro da quantidade que sai da Austrália... mas este ano será uma fração disso", disse Vogel.

Os volumes serão reduzidos em pelo menos 45% e provavelmente mais.

No mês passado, o secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, alertou para “o espectro de uma escassez global de alimentos nos próximos meses” sem intervenção de líderes internacionais.

De acordo com  dados da ONU, o número de pessoas em situação de insegurança alimentar severa dobrou nos últimos dois anos, de 135 milhões pré-pandemia para 276 milhões hoje.

Artigos recomendados: Alimentos e Combustíveis


Fonte:https://nypost.com/2022/06/08/food-shortages-could-be-just-as-deadly-as-global-pandemic/?utm_source=NYPTwitter&utm_medium=SocialFlow&utm_campaign=SocialFlow

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...