1 de nov. de 2018

Bill Gates empurra o controle populacional sobre a África em vez de ajudar com água limpa ou educação





Lifenews, 31 de outubro de 2018 



Por Micaiah Bilger 



Líderes africanos dizem que as famílias empobrecidas em seus países querem, água limpa, comida, educação e cuidados básicos de saúde. Mas alguns dos bilionários mais ricos do mundo estão usando seu dinheiro para promover contraceptivos e abortos. 

Em recente entrevista ao The Star no Quênia, o bilionário americano Bill Gates disse que sua fundação não está envolvida com abortos (embora a evidência sugira o contrário), mas se concentra em fornecer anticoncepcionais para mulheres e meninas na África. 

Ele não se esquivou de dizer que o controle populacional é o seu objetivo. A Fundação  Bill & Melinda Gates há muito tempo tem impulsionado o controle populacional sobre a África. Recentemente, foi divulgado um novo relatório sobre o seu trabalho para “acabar com a pobreza e combater a desigualdade”. 


De acordo com a agência de notícias, o relatório sugere medidas para mudar a vida os africanos para “nascimentos desejados ou menos nascimentos prematuros como meio de reduzir o crescimento populacional na África”. 

Gates disse que eles não estão trabalhando para atingir esse objetivo aumentando o acesso à contracepção. 

O mais importante são as modernas ferramentas de contracepção”, disse ele. “Existem implantes, injeções, DIU.E, obviamente, se você tiver essas coisas disponíveis, as pessoas terão mais controle de poder abrir espaço para os seus filhos”. 

Ele observou como os Estados Unidos fornecem mais fundos para contracepção do que em qualquer outro lugar no mundo. 

O financiamento global dos Estados Unidos em saúde reprodutiva permaneceu alto”, disse Gates. “Na verdade, é o maior financiador, embora os programas tenham tido controvérsias e muita discussão. Então, você já viu como são esses suprimentos contraceptivos que saem na África? Os Estados Unidos, junto com os doadores europeus, são de onde vêm a maioria desses recursos”. 

Gates e sua esposa têm sido fortes críticos da política do presidente Donald Trump da Cidade do México, que proíbe a arrecadação de impostos de grupos que fornecem ou promovem abortos no exterior. O pedido garante que a ajuda externa dos Estados Unidos continuará a apoiar a assistência médica legítima em ajuda humanitária. Apenas não subsidiará abortos em países estrangeiros. 

Em uma entrevista recente, Gates admitiu que a política pró-vida realmente não prejudicou os esforços legítimos de assistência médica na África. Ativistas do aborto têm reivindicado o contrário

Gates disse ao The Star: “Você sabe, na verdade não é tão visível mais difícil ou que tipo de impacto teve. Você sabe, nós certamente dissemos que achamos que essa nova regra não faz sentido, mas está bem no lugar, e as pessoas se ajustaram para tentar minimizar o impacto negativo disso”. 

Ele disse que o foco de sua fundação foi fornecer “novas ferramentas de contracepção e divulgar a mensagem”. 

Uma mulher que é menos capaz de ter seu tamanho de família desejado, que tanto no nível local quanto no geral, nós achamos que é muito, mas muito mais infeliz”, disse Gates. 

Mas a líder africana pró-vida Obianuju Ekeocha criticou esses programas de controle populacional como uma forma de “colonialismo” na África. 

Como sociedade, amamos e concebemos os bebês”, disse Ekeocha durante uma recente palestra na Universidade de Georgetown. “Em meio a nossas diferentes dificuldades e aflições… nossos bebês são sempre um sinal firme de esperança”. 

Seu importante trabalho ajudou a expor como o mundo ocidental empurra o aborto sobre os africanos. Ela disse que os africanos pobres querem água limpa, comida, abrigo e cuidados básicos de saúde e educação, mas alguns programas promovem o controle da natalidade e o aborto. 

É mais fácil e barato comprar uma bolsa de preservativos do que comprar uma garrafa de água”, disse Ekeocha. 

Artigos recomendados: 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...