13 de set de 2018

Coca-Cola, IBM entre outras corporações estão exigindo que a Irlanda do Norte permita o “casamento” entre pessoas do mesmo sexo




LifeSiteNews, 12 de setembro de 2018 






Irlanda do Norte, 12 de setembro de 2018 (LifeSiteNews) – quase 30 empresas de dentro e fora da Irlanda do Norte assinaram uma carta pedindo à província que reconheça “casamentos” entre pessoas do  meso sexo dentro de suas fronteiras. 

Organizada pela Anistia Internacional, de esquerda, a carta argumenta que a redefinição do casamento é uma necessidade econômica. 


Uma sociedade diversificada, voltada para o exterior e inclusiva é essencial para criar uma economia vibrante e competitiva e um futuro próspero para a Irlanda do Norte”, afirma. “A igualdade para um ambiente de criatividade e excelência, onde nossa equipe LGBT se sente capaz de levar o seu ser ao trabalho e onde seus relacionamentos serão respeitados”. 

Os signatários incluem a Allstate, Axiom, o Bank of Ireland, a Citi, a Coca-Cola, a IMB, a Liberty Mutual Insurance, a PricewaterhouseCoopers, a sodexo e muito mais. 

Sem o reconhecimento legal completo dos casamentos entre pessoas do mesmo sexo, manter e atrair talentos pode ser difícil”, afirmou o diretor do Rainbow Project, John O’Doherty. “A fuga de cérebros da Irlanda do Norte é um fato reconhecido e é importante refletirmos sobre todas as suas causas, não apenas o fato de que a Irlanda do Norte continua sendo a única parte dessas ilhas a não reconhecer o casamento igualitário”. 

A “fuga de cérebros” é um ponto de discussão comum entre os ativistas pró-LGBT. A província não tem leis que impeçam os empregados de oferecer os seus próprios incentivos aos empregadores homossexuais, e defensores pró-família argumentam que quaisquer benefícios econômicos discutíveis são mais do que compensados pelo dano cultural causado pela redefinição da família e pela diluição do elo do casamento com a criança, a criação. 

Tanto o Reino Unido quanto a República da Irlanda reconhecem o “casamento” entre pessoas do mesmo sexo, com a Irlanda do Norte sendo o único defensor (a província também é uma defensora do aborto). A alta corte de Belfast decidiu no ano passado que a Irlanda do Norte não tinha nenhuma obrigação internacional de “direitos humanos” para redefinir o casamento. 

Resta saber quanto tempo isso continuará sendo o caso; A Sky News descobriu em abril  por meio de uma consulta [1], que 76% dos entrevistados respondem que “deveria ser legal”, enquanto apenas 18% responderam que não deveria. [Ênfase minha 1].

Artigos recomendados: 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...