8 de ago de 2018

Uma fome comunista e racista cresce na África do Sul




Frontpage, 08 de agosto de 2018 






A política ditatorial está em ascensão”, alertou Barack Obama na África do Sul. Ele falou apaixonadamente sobre “as políticas do medo e do ressentimento” na Palestra de Mandela. Ele temia que estivéssemos entrando em um mundo, “onde o poder faz justiça e a política é uma competição hostil entre tribos, raças e religiões”. 

Enquanto a mídia usava essas observações para atacar o encontro de Trump com Putin, Obama havia compartilhado um palco com o presidente sul-africano, Cyril Ramaphosa, que chegou ao poder prometendo usurpar as terras de fazendeiros brancos. Ramaphosa foi o mais recente de uma série de homens influentes do ANC, incluindo seu antecessor, um suposto estuprador, que começou [tais práticas] com o terrorista comunista cujo legado Obama estava comemorando. 


O presidente Ramaphosa havia prometido desde o início se aproveitar das terras dos fazendeiros brancos sem compensação. “A expropriação de terra sem compensação é considerada uma das medidas que usaremos para acelerar a redistribuição de terras para negros sul-africanos”, declarou ele. E negou que tais táticas racistas dos comunistas fossem inconstitucionais. Agora ele está planejando modificar a constituição da África do Sul. 

Inicialmente, o ANC, que é parceiro do Partido Comunista Sul-Africano, afirmou que a apreensão de terras não violaria a lei. Agora, isso vai mudar com a nova constituição sul-africana. 

Tornou-se pertinentemente claro que nosso povo quer que a constituição seja mais explícita sobre a expropriação de terras sem compensação”, anunciou o presidente Ramaphosa. 

Quando sua única regra é a regra de mafiosos e bandidos do ANC, não importa o que realmente um pedaço de papel diz. 

Aceleramos nosso programa de redistribuição de terras não apenas para corrigir uma injustiça histórica grave, mas também para trazer mais produtores para o setor agrícola e disponibilizar mais terras para o cultivo”, afirmou Ramaphosa em seu discurso sobre o Estado da Nação. 

O Zimbábue já havia feito grandes progressos na melhoria da agricultura por meio de apreensões de terras. 

A terra foi roubada dos agricultores que sabiam como trabalhar e entregues a bandidos politicamente conectados. Logo a antiga “cesta de pães” da África do Sul estava morrendo de fome. Grupos negros imploraram aos fazendeiros brancos que permanecessem. A Zimbábue rural morreu. A hiperinflação tornou a moeda inútil. Um trilhão de dólares pode não ser o suficiente para comprar um ovo. Um ex-exportador de alimentos foi forçado a contar com a ajuda alimentar.

Se os colonos brancos simplesmente tiram as terras de nós sem pagar por ela”, Mugabe havia declarado, “nós podemos, de maneira igual, apenas tirar as terras deles sem pagar por elas”. 

A retórica de Ramaphosa é um eco de um dos piores ditadores racistas da África. As apreensões de terras não levarão a terra sul-africana ao “pleno uso”, como ele afirma. Isso significará que a terra produtiva cairá nas mãos dos bandidos do ANC, que serão corruptos, incompetentes e gananciosos demais para fazer o trabalho árduo de trabalhar a terra. 

O setor agrícola da África do Sul seguirá o caminho do Zimbábue. 

Cyril Ramaphosa é um dos homens mais ricos da África do Sul e tem um patrimônio estimado em US $ 550 milhões. Como um estudante ativista socialista fábrica uma hortelã? A resposta é inevitável, uma vez que não é surpreendente. 

O setor agrícola da África do Sul está em constante declínio. Fazendas usadas para fornecer milhões de empregos. Agora elas oferecem menos de um milhão. O plantio de trigo caiu para um terço. Algodão até um décimo. Um país que antes exportava trigo agora está importando milhões de toneladas, enquanto o setor agrícola fracassa. 

O declínio da agricultura da África do Sul tem andado de mãos dadas com o que eufemisticamente chamam de suas reformas agrárias. Os fazendeiros brancos foram assassinados ou expulsos de suas terras. Mas as apreensões de terra, legais e ilegais, com compensação ou pela machadinha, não tornaram a agricultura sul-africana mais produtiva. 

Em vez disso, a África do Sul está cada vez mais dependente das importações agrícolas para alimentar o seu povo. 

Como o Zimbábue, a África do Sul deve rever as mesmas consequências econômicas implacáveis das apreensões de terras que levaram a União Soviética ao caminho da fome e do terror. Perto do fim, a URSS, apesar de possuir territórios que uma vez se encheram de colheitas ricas, endividou-se profundamente para comprar comida dos Estados Unidos. As raízes comunistas do Congresso Nacional Africano [ANC] estão levando a África do Sul pelo mesmo caminho que seus mestres comunistas. E com os mesmos resultados miseráveis.

Graças ao medo de bandidos como Julius Malema e a ganância de seus camaradas do ANC o seu povo será condenado à fome. O ANC está repleto de bandidos que estão esperando impacientemente para saquear o cadáver da África do Sul. E eles se cansaram de fingir que são algo mais do que uma quadrilha marxista de um Estado falido. 

A investida constitucional é uma tentativa desesperada de legitimar a violência em massa racista e a corrupção do ANC. Ela [a ideia] fará com que ataques constantes aos fazendeiros brancos ganhem um tom legítimo sob o disfarce da lei. 

Um fazendeiro branco na África do Sul é assassinado a cada 5 dias. Esta limpeza étnica tem acontecido com a mesma regularidade que os tributos a Nelson Mandela e sua esposa ainda mais assassina. A violência racista, os assassinatos, os estupros e as apreensões de terra, os cânticos de “Atire no bôer” são apoiados por mentiras sobre uma maioria branca [de esquerda] nas sombras que ainda governa a África do Sul mesmo depois de todos os anos de governo do ANC. 

A mídia frequentemente repete as estatísticas mentirosas de notícias que afirmam que os agricultores brancos possuem 70% ou mais das terras agrícolas do país. O número real é menor que um quarto. Algumas das melhores terras da África do Sul já estão em mãos negras. E, assim como no Zimbábue, não resolveu os problemas agrícolas ou sociais. 

O setor agrícola da África do Sul já está em seu leito de morte. Sua economia corrupta é incapaz de competir no cenário mundial. Suas exportações não estão em questão, sua capacidade de alimentar o seu próprio povo está. Ataques agressivos contra proprietários de terras não causarão mais danos à economia da África do Sul, embora isso desencoraje os investidores e afugente agricultores brancos, mas fará com que sua sociedade fique de joelhos. 

Enquanto isso, a situação dos agricultores brancos da África do Sul continua a ser ignorada. O genocídio do ANC vem se desdobrando lentamente por uma geração com a cumplicidade dos mesmos líderes esquerdistas que encobrem os genocídios comunistas na União Soviética, na China comunista e no Camboja. Mas esta última legitimação das apreensões de terras pelo ANC apenas encorajará uma maior manifestação de ataques racistas contra os agricultores brancos. 

O ministro australiano do Interior, Peter Dutton, pediu que os agricultores brancos perseguidos da África do Sul recebam asilo político. Mas, embora todo grupo “perseguido” seja rapidamente encaminhado para asilo, a porta permanece fechada para uma população produtiva que foi alvo de limpeza econômica e étnica. 

Em seu discurso sobre o Estado-Nação, o presidente Ramaphosa declarou: “Estamos construindo um país onde as perspectivas de uma pessoa não são determinadas por sua própria iniciativa e trabalho, e não pela cor da pele, local de nascimento, sexo, idioma ou renda de seus pais”. Se aproveitar da terra das pessoas por causa da sua cor de pele e dar a quem não trabalhou por ela é o oposto dessa visão. 

E, no entanto, é fácil ver por que Obama estava tão à vontade com um político que poderia distorcer a linguagem da igualdade para justificar a política do roubo de identidade e o palavreado da tolerância para justificar a opressão racial. 

A África do Sul, como a União Soviética e a Venezuela, como o Camboja e Cuba, não são apenas atrocidades, são histórias de advertência. A ideologia, mais do que a raça, conecta as vertentes dispersas dos campos de extermínio esquerdistas. Fingir que o que aconteceu lá não pode acontecer aqui seria ignorar as lições da história. 

E uma nova fome vermelha está crescendo onde o sangue vermelho dos fazendeiros brancos flui para a terra agonizante. 

Artigos recomendados: 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...