10 de ago de 2018

Senado da Argentina rejeita legalização do aborto no país, porém, Maurício Macri ainda insiste na necessidade da lei




Gospel Notícias, 09 de agosto de 2018 



Por Cris Beloni 



A população, que tem forte tradição católica e conservadora, se posicionou contra a interrupção da vida

Nesta quinta-feira, após uma sessão de 16 horas de debates, o Senado da Argentina rejeitou o projeto de lei que legalizaria o aborto no país. O resultado foi de 38 votos contra, 31 a favor e 2 abstenções.

O projeto previa que o aborto, até as primeiras 14 semanas de gestação, poderia ser realizado em qualquer hospital ou clínica. O Estado seria obrigado a cobrir todos os custos do procedimento.

A interrupção voluntária da gravidez é crime na Argentina, com pena de até quatro anos de prisão, tanto para a mulher quanto para o médico. A não ser em casos de estupro ou riscos à vida da mãe.

Reação dos argentinos

Do lado de fora do Congresso, milhares de pessoas a favor e contra a lei, se concentraram para acompanhar a votação. Por esse motivo, um forte esquema de segurança foi montado. Mesmo assim após os resultados da sessão, foram registrados incidentes na saída da multidão. Oito pessoas foram presas, segundo o jornal “El Clarín”.

A Argentina tem uma forte tradição católica e conservadora. O que foi observado durante a mobilização popular é que a maioria da sociedade é contra a legalização do aborto.

América Latina

Assim como a Argentina, o Brasil, também está passando por esse momento em que se discute a interrupção da gravidez. Vários países da América Latina se posicionam contra essa prática.

Em todo o mundo, o aborto é legalizado em 63 países e amplamente permitido em outras 13 nações. As informações fazem parte de uma pesquisa realizada pela ONG norte-americana Center for Reproductive Rights, que se posiciona em favor do aborto.

Por outro lado, 124 países proíbem a interrupção da gravidez totalmente ou com poucas exceções. O Brasil está entre o grupo de 66 nações com mais restrições. Com informações G1
Nota: porém, para Maurício Macri que ganhou as eleições com a ajuda dos conservadores, mas os apunhalou pelas costas permitindo o debate do aborto e até dizendo que não vetaria se virasse lei, isso não é o suficiente, e ele ainda vê a necessidade de legalizar a prática. O imundo liberal econômico literalmente virou a casaca. Vejam no vídeo abaixo. 


Artigos recomendados: 

Um comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...