4 de jul de 2018

Filipinas – Prefeitos procuram Duterte para falar sobre a inserção de seus nomes na lista negra, a “narco-lista”




ABS, 04 de julho de 2018 



MANILA – Temendo por suas vidas, uma organização de prefeitos na quarta-feira disse que pediu um diálogo com o presidente Rodrigo Duterte sobre o assassinato de vários funcionários locais, incluindo alguns que ele tinha inserido em sua lista de envolvidos com o narcotráfico. 

O prefeito Antonio Halili, que foi nomeado na lista de autoridades de Duterte com supostas ligações com o narcotráfico, foi morto a tiros na segunda-feira durante uma cerimônia na cidade em plena luz do dia. Ele era o quarto prefeito na lista de envolvidos com o narcotráfico do presidente a ser morto a tiros desde 2016. 


A Liga dos Municípios das Filipinas (LMP) enviou na terça-feira a Malacañang um pedido para conversar com Duterte e expor suas preocupações sobre o narcotráfico, disse a presidente da entidade, prefeita Marie Fe Brondial de Socorro, Oriental Mindoro. 

Nossos prefeitos na lista ficaram com mais medo. Eles [os nomes na lista] são lamentáveis”, disse a prefeita, “não estamos envolvidos com o tráfico de drogas, por que fomos incluídos na lista do narcotráfico?”. 

Em um comunicado separado, a Liga das Cidades das Filipinas (LCP) também pediu às autoridades que “revisem e validem corretamente” a alegada lista de envolvidos com narcotráfico. 

Os nomes dessa lista merecem ser ouvidos e dado o devido processo o mais rápido possível”, disse o grupo. 

O LMP,  que conta com 68 municípios entre seus membros, também pedirá a Duterte que devolva a supervisão da polícia a prefeitos acusados de se envolver com drogas disse Brondial. 

Halili estava entre as autoridades locais despojadas do controle policial devido à proliferação de drogas em sua cidade. Ele havia negado qualquer envolvimento no comércio de narcóticos. 

Um dia após o assassinato de Halili, homens armados levaram o prefeito Ferdinand Bote, de Nueva Ecija, quando deixava um escritório do governo. Ele não estava ligado ao tráfico de drogas. 

Além de Halili, prefeitos da “lista do narcotráfico” que foram mortos a tiros incluem Rolando Espinosa, de Albuera, Leyte; Reynaldo “Aldong” Parojinog da cidade de Ozamiz; e Samsudin Dimaukom de Datu Saudi Ampatuan, Maguindanao. 

"Se alguns prefeitos de fato fizeram algo de errado, ainda não é certo matá-los. Temos tribunais, o Ombudsman e o Departamento do Interior e do Governo Local, onde podemos registrar queixas contra prefeitos por erros".

O LCP, em seu comunicado, também alertou sobre os assassinatos de funcionários públicos. “Não é da cultura de nossa nação assassinarmos os nossos líderes. Estamos no devido processo e no respeito ao estado de direito”, afirmou. 

A unidade antidrogas de Duterte já contabilizou cerca de 4.200 pessoas mortas pela polícia desde julho de 2016, com outros 2.500 supostos suspeitos de envolvimento com o tráfico mortos por assassinos desconhecidos no mesmo período. 

Defensores dos direitos humanos disseram que as vítimas foram executadas pela polícia, que negou as acusações, dizendo que a maioria dos assassinatos foram feitos em legítima defesa. Com um relatório da Reuters. 

Artigos recomendados: 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...