27 de abr de 2018

Reino Unido – Conferência do Partido Liberal Democrata Escocês promove políticas pró-aborto



Christian Concern, 27 de abril de 2018. 



Regan King comenta sobre as propostas pró-aborto feitas na Conferência da Primavera do Partido Liberal Democrata e mostra por que elas estão tão erradas. 

A Conferência da Primavera do Partido Liberal Democrata (SLDP) revelou uma série de políticas pró-aborto que exigirá que o governo escocês adote

As discussões da conferência se referiram a decisões recentes da Associação Médica Britânica, do Royal College of Midwives e do Royal College of Obstretricians and Gynecologists para apoiar os apelos do lobby pró-aborto para a total descriminalização do aborto. Também foi dada atenção ao debate em curso na zona de amortecimento que ameaça excluir os conselheiros pró-vida de operarem e orarem do lado de fora das clínicas de aborto


O aborto continua a ser um crime em todo o Reino Unido, exceto em determinadas circunstâncias delineadas na Lei do Aborto (1967), que foram aplicáveis à Inglaterra, Escócia e País de Gales. Com a Lei da Escócia (2016), a lei do aborto foi devolvida ao Parlamento escocês. Isso significa que o Parlamento Escocês pode emendar, adicionar ou tirar da legislação atual sobre o aborto como achar melhor. 

Como resultados das discussões em sua Conferência da Primavera, o Partido Liberal Democrata Escocês produziu uma lista de medidas que eles desejam que o Parlamento Escocês promulgue, medidas que mostram claramente que o SLDP é um partido pró-aborto. 

O partido pede: 

  • Todas as sanções penais para se ter um aborto devem ser removidas. 
  • Todas as sanções criminais para profissionais médicos que fornecem um aborto devem ser removidas. 
  • Todas as clínicas de aborto devem ter zonas de proteção, tornando ilegal o envolvimento de qualquer atividade pró-vida fora das clínicas de aborto. 
  • Todas as clínicas de aborto devem receber financiamento para realizar abortos gratuitos para clientes, independentemente do país de nacionalidade ou residência. 

Por que a Escócia não deveria descriminalizar o aborto? 

A descriminalização do aborto remove qualquer normal moral ou código de ética para a prática da legislação do aborto. As lis de uma nação destinam-se a refletir e manter um padrão moral objetivo. A descriminalização trivializa preocupações morais legítimas, lança estatísticas negativas sobre o aborto e retrata o aborto como mortalmente neutro – algo que não é. 

A descriminalização do aborto remove a possibilidade de justiça para a realização de abortos perigosos de DIY [instalações ilegais] e de discriminação sexual [quando alguém quer somente ter sexo casual e ocorre a gravidez, mas não quer assumir as suas responsabilidades, então força o aborto]

A descriminalização do aborto pode tirar alguns empregos de médicos, enfermeiras e parteiras de risco, caso se recusem a conscientemente realizar abortos, o que seria mais uma injustiça. 

Descriminalizar o aborto promove a irresponsabilidade sexual. O aborto é cada vez mais visto como uma forma mais extrema de contracepção. Cerca de um terço dos abortos na Escócia a cada ano são abortos repetidos. Em 2015, 78% dos abortos no Reino Unido foram feitos por mulheres solteiras, revelando uma ligação clara entre o comportamento promíscuo e o aborto. 

A descriminalização do aborto colocaria em risco as mulheres, levando a um mercado mais aberto para as pílulas abortivas atualmente ilegais. Convenientes e não intrusivas, essas pílulas provavelmente verão um aumento no uso. Embora a descriminalização leve a que certas estatísticas criminais sobre o aborto (incluindo a venda ilegal dessas pílulas) caiam, a realidade da prática como sendo perigosa permanecerá. 

Aborto livre para todos

O Partido Liberal Democrata da Escócia está literalmente propondo aborto livre para todos, para qualquer um em qualquer estágio. Uma criança pode ser abortada no dia anterior à data de nascimento, sem preocupações legais, mas se a mesma criança for morta depois de sair do útero da mãe, ele será classificado como assassinato. Enquanto pede a descriminalização do aborto, o partido está, ao mesmo tempo, propondo que os conselheiros pró-vida procurem oferecer uma escolha diferente às mulheres, além do aborto da criminalização, para que não sejam criminalizados por qualquer atividade [ativismo pró-vida] fora das clínicas de aborto. Essas propostas não são progressivas, são regressivas e refletem uma sociedade que tem sua moral e seus ideais bem e verdadeiramente de cabeça para baixo. 

Artigos recomendados: 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...