26 de mar de 2018

Mortos por serem brancos!



The Australian, 26 de março de 2018. 


Por Paul Toohey.



Os contos de horror dos agricultores sul-africanos são angustiantes e incluem tortura, assassinato e estupro, entre outras coisas. 

Eles foram até Nicci Simpson em sua fazenda a oeste de Joanesburgo às 10 da manhã, enquanto ela se preparava para sair. Foi repentino, feroz e planejado. Eles pegaram as chaves, o botão de pânico e a bolsa, e a chutaram no joelho forçando-a a cair. 

A polícia classificou seu ataque feito por três homens em 10 de março do ano passado como um “roubo de casa”, apesar de seus dois pés terem sido perfurados com uma ferramenta elétrica na pequena propriedade onde ela cultiva forragem de gado. Simpson, que passou dois meses presa à cadeira de rodas com pinos de aço nos joelhos, não quis dizer sua idade – não por causa da vaidade, mas porque ela diz que os idosos são os alvos preferidos. 


Eu estou com o rosto vermelho por ser forçada a dizer o que eles disseram”, diz ela. “Eu continuava sendo referida como uma ‘cadela branca’". 

Quando conseguiram acesso à casa, arrastaram-me para um portão de aço que leva ao andar de cima. E eles disseram: 'Queremos o cofre lá em cima. A minha própria arma de fogo estava sendo apontada para mim. O homem de faca estava me cortando. Comecei a ficar tonta por ter sido chutada”. Eles sabiam onde estava tudo em sua casa, levando-a a acreditar que um ex-funcionário lhes deu as informações de que precisavam. Ela estava amarrada a uma cadeira. 

Um disse: ‘Se você não nos der a chave do cofre, vamos cortar as suas pernas’. Não havia dinheiro no cofre, mas havia um moedor muito grande. Eu sabia que se eles abrissem o cofre e vissem o moedor, eu já estaria acabada”. 

Durante esse tempo, eles “começaram a tirar pedaços de pele do meu braço e a ponta da lâmina estava sendo empurrada na minha cabeça”. 



Eles invadiram um depósito e levaram ferramentas elétricas e pés-de-cabra. “Isso durou seis horas e eles estavam ficando mais ousados e bárbaros.”. 

O homem de faca estava andando para lá e para cá. Ele de repente se inclinou sobre o meu ombro direito e começou a perfurar os meus pés sem avisar." O que você fez? “Eu não gritei e não chorei. Foi doloroso, foi... Depois, um policial me disse que por eu não ter gritado nem implorado… que isso me salvou. “. 

Conforme ela sufocava com um saco plástico em sua cabeça, o motorista que estava de prontidão para a fuga ficava ansioso e buziando. Até então, o cofre estava fora da parede e eles viram que não tinha dinheiro. Eles saíram sem matá-la. Um homem roubou o seu carro, mas o mecanismo anti-roubo entrou em ação e ele foi abandonado a 300 metros da estrada. 


É muito difícil dizer o que sinto”, diz ela. "Mas com esse discurso de ódio em andamento (Julius Malema, do Partido Economic Freedom Fighters, em que estão pedindo a tomada de terras de propriedade branca), isso está agitando as massas que não têm nada e que esperam receber as coisas que estão sendo prometidas e que não são cumpridas. É como: vá e pegue o que quiser”. 

O pensamento de ir embora passou pela minha cabeça, mas para onde devemos ir? O assassinato de brancos está em toda parte – você não está mais seguro em nenhum lugar”. 

Na sexta-feira, uma fazendeira branca do Cabo Oriental foi estuprada na frente de seus três filhos. Na quarta-feira, no norte da província de Limpopo, três brancos trabalhando em uma fazenda foram baleados, o capataz, fatalmente no peito. O seu parceiro sobreviveu ao ser baleado duas vezes no braço e o filho do dono da fazenda sobreviveu a um tiro na virilha. 

Os agressores não foram encontrados e provavelmente nunca serão. Nem os três homens que torturaram Simpson foram identificados. Pode não ser possível entender a crueldade, mas a fonte dos ataques está à vista. 


Atravessar a agitada cidade negra de Mamelodi, nos arredores rurais de Pretória, revela algumas surpresas: tem tribunais, um hospital, uma agência da universidade, um conselho, delegacias de polícia e algumas casas decentes. Mas ir mais profundamente nos assentamentos de milhões de pessoas fica evidente que esses segmentos de uma sociedade funcional não estão conseguindo manter em ordem essa bagunça. 

Nos rincões, as pessoas moram em barracos feitos de tambores de 44 galões achatados ou reciclados. Eles são em sua maioria imigrantes ilegais de lugares como Zimbábue, Malawi e Nigéria, que se apegaram à promessa da Nação Arco-Íris de Nelson Mandela em meados da década de 1990 e, em vez disso, se viram em um novo inferno. 

São nesses distritos que grande parte do crime da África do Sul é realizado: o constante roubo de carros; as pedras jogadas sob os para-brisas dos viadutos, logo em seguida as hordas saqueando veículos atingidos; os assaltos diários no trânsito e diurnos, onde os criminosos batem em vans blindadas com rifles automáticos e bombas. Mas tais empreendimentos são arriscados. 

Eddie Mnguni, presidente do fórum de policiamento comunitário de Mamelodi East, diz que os criminosos locais veem as fazendas próximas como loais livres de problemas. 

Nos subúrbios, você não pode roubar facilmente com toda a segurança”, diz Mnguni. “Mas nas fazendas é fácil para os criminosos. Então veio a EFF e a mensagem que eles estão apresentando está causando um impacto negativo". 


Quando as pessoas dizem: ‘Vá e ocupe a terra forçosamente’, isso é carnificina”. 

A polícia ainda não forneceu respostas para a família de Kyle Stols, de 21 anos, que foi morto a tiros na cabeça e no coração em uma fazenda fora de Bloemfontein em 22 de outubro do ano passado. 
Leia o restante acessando o site. O acesso ao site é limitado podendo ser feito somente uma vez, pois é pago depois disso. 

Artigos recomendados: 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...