18 de jul de 2017

Ditador comunista Maduro critica apelo internacional para suspender convocatória de Constituinte




Euronews, 18 de julho de 2017 



Por Pedro Sacadura 



Em nome da independência e da soberania, Nicolás Maduro assegurou que a convocatória de uma Assembleia Nacional Constituinte é para manter. A partir do Palácio Presidencial, o chefe de Estado da Venezuela reagiu aos apelos de suspensão do processo por parte da União Europeia e disse, a plenos pulmões, que a Venezuela não recebe instruções.

Esta segunda-feira foi Federica Mogherini, a Alta Representante da União Europeia para a Política Externa, a dar ordens ao Governo da Venezuela. Insolente. (…) A Venezuela é um país livre e soberano. Ninguém dará ordens porque na Venezuela são os venezuelanos quem manda. Federica Mogherini equivocaste-te com o país. A Venezuela não é uma colónia da União Europeia”, contra-atacou Maduro.




Depois de conseguir um voto massivo contra as eleições para a Assembleia Constituinte, através de um referendo simbólico realizado este domingo, a oposição venezuelana convocou uma greve para a próxima quinta-feira, para pressionar Maduro a recuar.

Convocamos todo o país a realizar esta quinta-feira, em protesto massivo e sem violência, uma greve cívica nacional ativa de 24 horas como mecanismo de pressão”, apelou Freddy Guevara, vice-presidente do Parlamento.


Guevara anunciou ainda que esta quarta-feira os partidos da coligação opositora Mesa de Unidade Democrática (MUD) assinarão um compromisso para formar um futuro “Governo de unidade nacional.” Se o Governo voltar atrás na convocatória da eleição de 30 de julho estará aberta a via do diálogo.

Artigos recomendados: 

Nenhum comentário:

Postar um comentário