18 de jul de 2017

Canadá e Suécia e a sua "Cruzada" equivocada em favor do aborto





National Review, 17 de julho de 2017






Eles pretendem contrariar a política da Cidade do México de Trump e afirmam estarem lutando contra a pobreza no processo. 

Os governos do Canadá e Suécia estão lutando pelo direito de matar os nascituros no mundo em desenvolvimento. O Canadá disponibilizou quase US $ 250 milhões para esta causa, e que é menos da metade do dinheiro do governo Liberal Justin Trudeau prometeu. Da mesma forma, o chefe da Agência de Cooperação para o Desenvolvimento Internacional da Suécia disse que a agência não iria poiar organizações que se recusam a dar conselhos ou a realizar abortos. 


Parece que a reintegração da política da Cidade do México de Trump – que proíbe a ajuda externa a organizações que promovem o aborto – desencadeou uma disputa entre os países que gostariam de ser os salvadores do aborto no mundo todo. O tratamento especial dado aos provedores do aborto internacional veio mesmo à custa do financiamento de programas de alívio a pobreza e a fome. Enquanto Trudeau prometeu US $ 650 milhões para apoiar organizações de promoção do aborto, o seu governo doou menos de US $ 120 milhões para lutar contra a escassez de alimentos no Sul do Sudão, Iêmen, Nigéria e Somália. O presidente da Conferência dos Bispos Católicos do Canadá, o Bispo Douglas Crosby, criticou o governo em uma carta ao Ministério dos Negócios Estrangeiros do Canadá: 

A ONU, por sua vez, já estava chamando a situação nessas regiões [Sul do Sudão, Iêmen, Nigéria e Somália] de a maior crise humanitária desde a Segunda Guerra Mundial, com 20 milhões de pessoas em risco de fome. Será que este desastre em curso não levará o primeiro-ministro a priorizar o alívio e a ajuda ao invés da politicagem à custa do generoso dinheiro dos contribuintes e trabalhadores no Canadá? 

Eu já imagino que a carta do Bispo Crosby cairá em ouvidos mudos porque Trudeau e os seus homólogos suecos não veem nenhum problema nisso. Tal como está fazendo o ministro do Desenvolvimento Internacional do Canadá. 

A construção no raciocínio moral falho por trás dessa crença é uma suposição malthusiana de que a superpopulação é a causa da pobreza e da fome. Teorias de Malthus, no entanto, têm sido desmascaradas mais uma vez.  De fato, o Banco Mundial de Alimentos nem sequer lista a superpopulação como uma das seis principais causas da fome. A outra premissa fundamental é que os não-nascidos – o paradigma final dos fracos e indefesos – não têm o direitos de viver e, portanto, podem ser mortos para reduzir a pobreza dos outros. Este é o epítome de uma ideologia “descartável” que acaba com aqueles considerados inúteis. 

Além de não abordar as causas da pobreza, o aborto só cria um novo problema: promove uma cultura de morte. Em vez de defender a dignidade da vida, especialmente a vida dos mais vulneráveis, o aborto dita que a vida é subordinada a escolha e a vontade dos outros. Promover o aborto, portanto, só iria agravar o problema da pobreza ao não cultivar a visão de que a vida é sagrada. Colocando de forma clara e sem rodeios, eles estão tentando conquistar um tipo de bem social ao encorajar os outros, para serem mais capazes de amplificar o sofrimento, do que corrigi-lo. 

E depois, é claro, há o fedor da ironia neo-colonialista progressista à espreita nas proximidades. A maior parte do dinheiro que o Canadá está prometendo, afinal, é direcionado para a África. Obianuju Ekeocha, presidente da Cultura da Vida da África, observou que as nações tentando impor o aborto na África “não estão nos ouvindo”. De fato, a Pew Research levantou dados a partir de 2013 mostrando que há uma esmagadora maioria opondo-se ao aborto nos países da África subsaariana que consultou.

O Canadá e a Suécia acreditam que é o seu dever progressista civilizar o mundo em desenvolvimento o impregnando com aborto. Eles estão em dívida com a ideologia da “libertação sexual” que coloca a sua agenda de total autonomia contra a vida dos nascituros a cima de tudo, e agora até mesmo acima do alívio eficaz da pobreza. 

Mas eu acho que é  isso o que significa ser civilizado hoje em dia. 

Artigos recomendados: 


Nenhum comentário:

Postar um comentário