22 de jun de 2017

Revisão do livro de Ibn Warraq: O Islamismo no Terrorismo Islâmico





Gates of Vienna, 21 de junho de 2017 



Por Fjordman (graças a Baron Bodissey). 




O mundo está testemunhando uma enorme onda de ataques terroristas islâmicos. Não se passa uma única semana sem um ataque terrorista em algum lugar do mundo. Às vezes, muçulmanos militantes realizam várias atrocidades mortais em um único dia. 

A Europa e o mundo ocidental também estão sendo alvos cada vez mais de tal terror tão mortal. Os políticos e os meios de comunicação são rápidos em afirmar que os ataques assassinos perpetrados por militantes muçulmanos não têm nada a ver com o Islã. O estimado autor Ibn Warraq refuta essa afirmação falsa em seu novo livro O Islã no Terrorismo Islâmico: A importância das Crenças, Ideias e Ideologia. 

O livro está repleto de exemplos que mostram a continuidade do pensamento e das práticas islâmicas há mais de mil anos. Isso inclui citações reveladoras dos Kharijites, Ahmad Ibn Hanbal, Al-Ghazali, Ibn Taymiyya, Ibn Abd Al-Wahhab, Syed Abul A'la Maududi, o Grand palestino pró-nazista Haj Amin Al-Husaini, Hassan Al-Banna, Sayyid Qutb e outros da Irmandade Muçulmana, Muhammad abd-al-Salam Faraj, Abdullah Azzam, Ayman al-Zawahiri e o aiatolá Ruhollah Khomeini. 

Muitas figuras importantes dos movimentos jihadistas internacionais foram membros da Irmandade Muçulmana. Eles variam de Sayyid Qutb e Abdullah Azzam para Ayman al-Zawahiri, líder da rede terrorista Al-Qaeda após a morte de Osama bin Laden e Abu Bakr al-Baghdadi, o autoproclamado califa do Estado Islâmico (ISIS). 

Como afirma o autor: 

Para entender o comportamento dos terroristas islâmicos, para entender os seus motivos, devemos levar as suas crenças a sério. Os atos do Estado Islâmico ou do Talibã ou de qualquer outro grupo jihadista não são atos de violência aleatórios por uma multidão de psicopatas, sexualmente frustrados e empobrecidos, mas com operações cuidadosamente planejadas e estratégias que fazem parte de uma longa campanha de muçulmanos educados e afluentes que desejam pôr em prática o estabelecimento de um estado islâmico [teocrático] baseado na Sharia,  a Sagrada Lei Islâmica, derivada do Alcorão, essa é a própria palavra de Alá, e da Suna do profeta e das Tradições (Ahadith, pl, De hadith), que são os ditos e feitos de Maomé e seus companheiros. O terrorismo islâmico também não surgiu, ex nihilo, nos últimos 40 anos ou mais. Desde a sua fundação no século VII, surgiram movimentos violentos que buscam reviver o verdadeiro Islã, que seus membros sentiram que haviam negligenciado nas sociedades muçulmanas, que não estavam vivendo os ideais dos primeiros muçulmanos [1]. 

Ibn Warraq lembra-nos de que “o Islã, no entanto, é muito mais abrangente e mais totalitário do que o Marxismo ou o Cristianismo. Tanto a fé religiosa quanto a ideologia politica, o Islã supervisiona todos os aspectos da vida de um muçulmano – em bem menos detalhes que um não-muçulmano pode considerar (como usar um palito de dente), como em questões maiores como a oração, a peregrinação e o casamento. O Islã também proporciona um poderoso sentimento de identidade pessoal e de grupo.” [2]. 

De acordo com a maioria dos estudiosos, os muçulmanos têm o direito de comandar Corretamente e proibir as coisas erradas. Por “corretamente” para eles significa tudo o que Alá e o seu profeta têm comandado, e por “errado” tudo o que eles proibiram: 

A premissa de proibição de coisas erradas é uma prática islâmica que diz às pessoas no que acreditar e isso nos lembra a profunda diferença entre o Islã e o Liberalismo ocidental. Como escrevi sob o Islã, a vida é um livro fechado. Tudo foi decidido para os seres humanos: os ditames da Sharia e os caprichos de Alá estabeleceram limites rígidos sobre a possível agenda de nossas vidas. No Ocidente, somos livres como indivíduos para escolher nossos objetivos e determinar o nosso caminho, e para decidir o que significa dar às nossas vidas significado. Como Roger Scruton observou, “a glória do Ocidente é que a vida é um livro aberto”. [3]. 

As reivindicações de que o termo “Jihad” significa principalmente uma luta pacífica e interna contra si mesmo, não são credíveis. Existem centenas de fontes para a Jihad militante nas principais coleções de hadith's – comentários sobre o Alcorão, os livros das leis de todas as escolas da lei da Sharia – e assim por diante. Não parecem ter sido obras dedicadas exclusivamente à Jihad espiritual. Esta é claramente uma forma derivada, uma vez que não é mencionada em nenhuma das coleções canônicas de hadith's: 

Enquanto a raiz da Jihad significa “esforçar-se ou empenhar-se”, em seu sentido primário, significou “guerra no sentido espiritual”, isto é, luta em um sentido militar, ou combate armado, por causa de Alá (fi sabil Alá). O objetivo da Jihad é a expansão do Islã, e é um dever religioso incumbente de todos os homens muçulmanos aptos. O objetivo é submeter o mundo ao Islamismo e espalhar o "evangelho" do monoteísmo absoluto e intransigente enunciado no Alcorão. Por sua natureza, a Jihad é um estado permanente e só pode se findar quando toda a humanidade se submeter ao Islã – quando o último Dar al-Harb, um país que ainda não foi subjugado pelo Islã, se tornar Dar al-Islam, um território onde os editos do Islã são plenamente promulgados – onde a Sharia reina de forma suprema. [4]. 

Ibn Warraq prova que houve uma forte continuidade do pensamento islâmico sobre o uso da violência da Jihad há mais de mil anos, voltando para as fontes primárias, o Alcorão, a literatura hadith (os ditos e os atos de Maomé e seus companheiros) e o exemplo pessoal de Maomé (Suna). 

A Jihad é muitas vezes vista como o sexto pilar do Islã. De acordo com o Alcorão, os muçulmanos sozinhos possuem a verdade absoluta e constituem a melhor de todas as nações. Eles devem governar todos os outros povos porque são superiores. O propósito final da Jihad é conquistar e dominar os não-muçulmanos. Nunca foi apenas uma doutrina defensiva. Desde o século VII, a Jihad agressiva e violenta foi travada para estender as fronteiras do Islã. 

Os muçulmanos não podem aceitar outra religião ou constituição. Um muçulmano tem o direito, e de fato o dever de lutar contra qualquer um que o impeça de espalhar o Islã e o domínio islâmico. Isso é definido como uma medida defensiva. É um dever para todos os muçulmanos espalhar a mensagem do Islã, e qualquer pessoa que estiver no caminho deve ser combatida no sentido militar, se as palavras não forem suficientes: 

Como afirma a Lei, não há queixas específicas, não é algo que nós, no Ocidente, fizemos, é simplesmente o fato de que nós não aceitamos o Alcorão como um modelo para uma sociedade modelo. Nossa simples existência é bastante provocativa. O dever dos terroristas islâmicos de promover uma sociedade governada pela lei de Alá foi promulgada no Alcorão. Os terroristas islâmicos ao longo da história islâmica são galvanizados pelas mesmas preocupações: um desejo do retorno à pureza de seus antepassados (salaf), uma rejeição das inovações (bida'), uma adesão rigorosa ao conceito de Tawhid (Unicidade de deus), o dever de seguir o princípio de Comandar corretamente e Proibir o Errado e a necessidade de realizar, pela causa de Alá, a Jihad, no seu sentido militar. Todos eles recorrem às mesmas fontes, acima de tudo, ao Alcorão; todos citam os mesmos versos das mesmas suras, página após página. [5]. 

Ibn Abd Al-Wahhab, fundador do xahhabismo ou salafismo do século XVIII, não foi motivado por ideais anti-coloniais. Ele nem estava ciente de alguma presença europeia no mundo islâmico. Ele estava principalmente preocupado com a purificação do Islamismo de suas imprecisões impiedosas. 

Um tipico muçulmano vem da classe média e tem pelo menos educação média. O terrorismo islâmico não é causado pela pobreza, a falta de educação, o conflito árabe-israelense, a política externa dos Estados Unidos, o antigo imperialismo europeu ou as Cruzadas. O terrorismo islâmico é causado pelos textos islâmicos e os ensinamentos do Alcorão, que os jihadistas citam extensivamente. 

Muitos liberais ocidentais parecem acreditar que os ataques terroristas islâmicos no mundo ocidental são causados por algo que nós “fizemos” com “eles”, como alguma forma de agressão que deve ser vingada. Eles não entendem que sua própria existência é ofensiva para os muçulmanos. A mera existência em qualquer lugar da Terra de tais comunidades não muçulmanas que se governam de acordo com as leis seculares é um insulto e uma forma de agressão contra a supremacia dada pelo deus do Islã. 

Syed Abul A'la Maududi foi um escritor islâmico moderno muito influente, especialmente na península indiana e na Ásia. Como Maududi explica em sua dissertação sobre a Jihad no Islã:

Mas a verdade é que o Islã não é o nome de uma “Religião”, nem mesmo é  o termo “muçulmano” o título de uma “Nação”, na realidade, o Islã é uma ideologia e um programa revolucionário que busca alterar a ordem social do mundo inteiro e reconstruí-lo de acordo com os seus caprichos princípios e ideais. O termo “muçulmano” é o título desse Partido Revolucionário Internacional organizado pelo Islã para levar a cabo o seu programa revolucionário. E 'Jihad' refere-se a essa luta revolucionária e ao maior esforço que o Partido Islâmico traz para atingir esse objetivo. [6].

Maududi desejava substituir as leis feita pelo homem em todos os lugares pelas leis de Alá, a Sharia. A mensagem não poderia ser mais clara: o Islã deve conquistar a Terra. Não apenas partes da Terra, mas ela toda. O propósito da Jihad é totalitário: exige o envolvimento de todos os muçulmanos até que todo o nosso planeta seja governado de acordo com os preceitos do Islã. Todas as outras ideologias, como os sistemas de leis onde as leis são feitas para o homem governar, são inimigas. O Islã deseja destruir todos os estados e governos em qualquer lugar da Terra em que se opõem à ideologia e ao programa do Islã. 

As várias coleções de hadiths dedicam muito espaço à guerra psicológica como um componente importante da Jihad, para espalhar o medo entre os não-muçulmanos. O brigadeiro paquistanês S.K Malik abordou sobre isso em seu trabalho sobre o conceito de guerra do Alcorão. Os muçulmanos devem, idealmente, ganhar a guerra das vontades, mesmo antes da guerra dos músculos começar. O objetivo final dos ataques terroristas é destruir a fé do inimigo, quebrar o seu espírito e assustá-lo e pô-lo em submissão: “O terror atingido no coração dos inimigos não é apenas um meio, e o fim em si”, afirma Malik. “É o ponto em que os meios e o fim se encontram e se mesclam. O terror não é um meio de impor uma decisão ao inimigo; é a decisão que desejamos impor a ele”. [7]. 

Existem diferenças teológicas entre sunitas e xiitas em algumas questões. No entanto, os dois principais ramos do Islã acreditam no uso da Jihad expansionista e violenta para alcançar a supremacia global do Islã, e instituir as leis de Alá. Como Ibn Warraq conclui: 

O Irã é representação do que os fundamentalistas islâmicos desejam, um Estado islâmico e a consequência de alcançá-lo: o Terrorismo de Estado. Em vez de uma utopia, o Irã é um pesadelo totalitário islâmico, um resultado previsível, dado as suas premissas. Não há ambiguidade nessa afirmação. O Aiatolá Khomeini nasceu em uma família afluente e tornou-se um erudito com um profundo conhecimento do Alcorão e da Suna que estudou e ensinou durante toda a sua vida. Assim, podemos eliminar a pobreza e a ignorância do Islã – duas explicações populares para o terrorismo islâmico – como os impulsos motivadores por trás do desejo de Khomeini de um Estado islâmico. Khomeini e os seus clérigos desejavam implementar as leis islâmicas em um Estado islâmico, no qual eles conseguiram instalar. O seguimento do terrorismo de estado seguiu naturalmente as leis islâmicas. Em outras palavras, o Islã é o responsável pelo terrorismo islâmico, precisamente a tese que eu pretendia demonstrar. [8]. 

Eu tenho um ligeiro desacordo com o uso do autor do termo “islamita” algumas vezes. Eu não vi nenhuma explicação convincente para o que separa o islamismo do Islã, então evito esse termo o máximo possível. No entanto, esta é uma falha muito pequena em um texto que aborda um assunto de uma forma tão boa. 

Ibn Warraq demonstra um nível muito alto de conhecimento e bolsa de estudos. Ele fez isso de forma consistente desde a publicação de seu primeiro livro, Why I Am Not A Muslim [Por que Eu Não Sou um Muçulmano], em 1995. Seu sétimo trabalho não é exceção. Sua única falha potencial como autor é que ele às vezes escreve livros longos e complexos que atraem principalmente um público mais acadêmico. 

O Islã no Terrorismo Islâmico  é uma bibliografia de 355 páginas, mais curta do que muitos dos seus livros anteriores. Isso irá atrair um público mais amplo. O livro fornece visões chave importantes sobre a moral dos terroristas islâmicos. É um trabalho importante e oportuno. 

Artigos recomendados: 


Nenhum comentário:

Postar um comentário