30 de jun de 2017

"Os postos avançados de Pequim no Mar da China Meridional estão praticamente prontos para a implantação de mísseis" – diz relatório





GMA NEWS, 30 de junho de 2017 



Washington – Três dos postos avançados de Pequim sobre os recifes do Mar do Sul da China estão quase prontos para a implantação de recursos militares, incluindo lançadores de mísseis móveis, informou quinta-feira um Think Tank dos Estados Unidos. 

Analisando fotografias de satélite, a Iniciativa de Transparência Marítima da Ásia disse que a base do Fiery Cross Reef de Pequim nas ilhas Spratly tem 12 abrigos, quatro mais do que foram vistos em fevereiro, com telhados retratáveis que podem abrigar lançadores de mísseis. 

Nas bases de Fiery Cross, Subi e Mischief Reef, a China expandiu as suas redes de comunicação e radar com várias torres de radar em cada uma. 


E há uma nova construção de "estruturas subterrâneas muito grandes," sendo feita em quatro recifes cada, que está em andamento, os quais o AMTI disse serem provavelmente projetados para abrigar munições e outros bens essenciais. 

A construção principal da infraestrutura militar e de dupla utilização no 'Big 3' … está terminando, com instalações navais, aéreas, radares e instalações de defesa que a AMTI rastreou em grande parte há quase dois anos”, disse o grupo. 

Pequim agora pode implantar recursos militares, incluindo aeronaves de combate e mísseis móveis para as Ilhas Spratly, a qualquer momento”. 

A AMTI, que é parte do Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais em Washington, disse que as bases aéreas nas três ilhas e uma quarta na ilha Woody nas ilhas Paracel, permitem que as aeronaves militares chinesas operem quase que na totalidade do Mar do Sul da China. 

Em dezembro, a AMTI informou que grandes armas antiaéreas e outros sistemas de defesa haviam sido instalados nas ilhas. 

A China reivindica quase todo o Mar da China Meridional, apesar das contra-reivindicações parciais de Tawian, Filipinas, Brunei, Malásia e Vietnã. 

Mas os Estados Unidos os alertaram contra a militarização da região ou ameaças as divisões marítimas internacionais. 

Nós nos opomos à construção de ilhas artificiais da China e sua aparente militarização”, disse o secretário de Estado dos Estados Unidos, Rex Tillerson, em Sydney no início de junho. 

Artigos recomendados: 



Nenhum comentário:

Postar um comentário