21 de jun de 2017

Mulher que foi estuprada por três requerentes de asilo na Alemanha fala diante do tribunal





Daily Mail, 20 de junho de 2017 






Uma mulher arrasada e em lágrimas falou diante do Tribunal na Alemanha, alegando que três homens requerentes de asilo a estupraram pelo menos umas nove vezes quando ela foi emboscada em um mercado da cidade. 

O suposto ataque ocorreu em agosto de 2016 e deixou a vítima húngara de 28 anos “arrasada”, disse ela a um tribunal em Muhlhausen. 

Seu telefone celular foi roubado e os homens o usaram para filmar seu abuso sexual brutal que inclui ações como chutá-la e golpeá-la além de arrastá-la pelos cabelos, ela afirma. 


A mulher disse que foi forçada a ter relações sexuais imundas, vaginais e anais desprotegidas com três homens etíopes que identificou no tribunal, reportou o The Local edição alemã. [Ênfase minha]

Ela afirmou que os homens se revezaram para estuprá-la, às vezes agindo como um grupo e às vezes individualmente. 

O tribunal estadual de Muhlhausen ouviu dela sobre como um dos três homens acusados, Isaak N., de 23 anos, se aproximou da vítima Laura G., quando ela voltava do mercado para casa. 

Ela disse ao tribunal que ele a agarrou pelo braço e disse: “Vamos fazer sexo agora”. 

Quando ela tentou correr, ele a agarrou, e atirou-a no chão e começou a puxar as suas calças para baixo. 

Ela conseguiu se levantar e correr – apenas para parar nos braços de dóis dos seus cúmplices Medhanie A., de 29 anos e David T., de 22. 

A vítima foi então arrastada sob um viaduto, e a sua boca foi fechada a força para silenciar os seus gritos”, disse a acusação. 

Os homens foram presos no dia seguinte. O DNA de dois deles coincidiu com o DNA coletado pela polícia. 

Cada um deles me estuprou três vezes”, ela soluçou no tribunal dizendo na segunda-feira. 

Seu testemunho foi encerrado devido ao seu estado emocional e continuará em outro dia. 

Mais cedo no julgamento Isaak N., admitiu ter relações sexuais com a mulher, mas disse que o ato tinha sido consensual. 

Eu estava muito bêbado no carnaval e eu dormi com ela uma vez”, disse ele. Os dois outros homens estavam lá na época, mas não Medhanie A., e David T., ele afirmou. 

Medhanie A., e David T., negam qualquer envolvimento no crime, dizendo que eles estavam em casa na época, tendo ido dormir cedo. 

E o caso continua. 

Artigos recomendados: 



Nenhum comentário:

Postar um comentário