5 de jun de 2017

China – funcionários do governo de Henan destroem construção de igreja e detém 40 cristãos




China Aid, 01 de junho de 2017. 



(Shangqiu, Henan 01 de junho de 2017) Membros de uma igreja na província de Henan, na China, exige justiça depois que o edifício da igreja foi destruído e 40 cristãos foram presos pela guarda da polícia, descobriu recentemente China Aid. 

300 policiais locais da cidade e inspetores derrubaram a igreja cristã Shuangmiao – que estava em construção em Shangqiu, Henan – na manhã do dia 05 de maio, prendendo cerca de 40 cristãos e deixando cerca de 100 cristãos sem um lugar de culto. 

Durante a demolição, funcionários derrubaram dezenas de membros da igreja, jogando-os no chão e torcendo os seus braços para traz os imobilizando. A igreja foi completamente destruída, e um membro comparou a cena a invasão japonesa da China durante a Segunda Guerra Mundial. 


Dos 40 cristãos presos, oito ainda estão sob custódia, e os casos do pastor da Igreja Cristã Shuangmiao, Zhang Di, e do vice-diretor da igreja, Lu Yuexia, foram recentemente transferidos para a procuradoria, que decidirá se formaliza ou não suas prisões.  

O Partido Comunista ordenou a demolição da igreja depois de rotulá-la de “estrutura ilegal” e despachou o seu pessoal para confiscar os pertences dos cristãos e trabalhadores da construção civil. Eles confiscaram telefones e outros bens pessoais, danificando armários, esmagando caixas de oferta e roubando laptops, assim como dinheiro e joias. 

Oficialmente, o governo também alega que a demolição foi uma punição por se recusarem a pagar 4.000 yuans (US $ 588) anualmente como parte da taxa de uso de uma rodovia que leva a igreja, imposta por parte de aldeões que invejam o dinheiro arrecadado pela igreja. Antes da demolição, a igreja tentou negociar com os funcionários na tentativa de remediar esse problema. Isso culminou nas autoridades convocando Zhang para interrogatório em 02 de maio e posteriormente o prendendo sob falsas acusações de assalto à delegacia de polícia, limitando a liberdade de outros e atacando um representante da aldeia. 

A igreja solicita que o governo puna adequadamente os líderes daqueles que agiram violentamente contra eles e que libertem os cristãos detidos. 

China Aid expôs os abusos experimentados pelos membros da Igreja Cristã Shuangmiao, por se solidarizarem com os cristãos perseguidos e promover a liberdade religiosa, os direitos humanos e o estado de direito. 

Artigos recomendados: 



Nenhum comentário:

Postar um comentário