6 de mai de 2017

Austrália – Cristãos sitiados: inquérito sobre a liberdade religiosa




The Australian, 05 de maio de 2017.



Por Rebecca Urban



Um especialista em TI de Melbourne contratado para trabalhar no programa de Escolas Seguras foi demitido depois de expressar as suas preocupações sobre a iniciativa contenciosa durante uma reunião de pessoal, com o seu empregador mais tarde tendo-o acusado de “criar um ambiente de trabalho inseguro”. 

Lee Jones, um cristão que era o gerente geral de um negócio naquele tempo, tinha dito ao seu chefe que trabalharia no projeto apesar de suas opiniões, mas foi demitido de qualquer maneira, de acordo com uma apresentação de inquérito federal no status de liberdade religiosa. 


Sua situação difícil é apenas um dos vários casos de alegada discriminação por cristãos ou opositores do casamento entre pessoas do mesmo sexo que vieram à luz como parte do inquérito, que, na sequência do fiasco Coopers Brewery, tem aumentado as preocupações sobre a liberdade de expressão e uma crescente intolerância as visões tradicionais. 

Outros casos incluem um funcionário público da Commonwealth radicado em Victoria, que recebeu um aviso por se queixar de ser pressionado a participar de uma marcha do orgulho gay. 

O homem, que também é um cristão, pediu mais tarde que fosse retirado da lista de e-mails da rede LGBTI do departamento, pois achou que os e-mails eram “ofensivos por causa de sua origem religiosa”. 

De acordo com a representação da Fundação Wilberforce, que é uma coalizão de advogados comprometidos com os valores, direitos e liberdades do direito comum, ao servidor público foi emitido um aviso para mostrar a causa do por que ele não deve ser disciplinado. 

Isso foi posteriormente contestado e houve uma constatação de que não havia tido violação do Código de Conduta da APS. 

A fundação também cita Alice Springs e o professor Ian Shepherd, que foi ameaçado com ação disciplinar no ano passado por expressar sua oposição aocasamento entre pessoas do mesmo sexo em um fórum no Facebook. 

Apesar dos comentários feitos fora do horário escolar, a ele foi emitido um aviso para mostrar o motivo. Desde então, o Departamento de Educação do Território do Norte abandonou a ação. 

Enquanto isso, uma estudante universitária de Adelaide foi suspensa no ano passado depois de oferecer-se para orar por uma estudante que estava estressada por causa de sua carga de trabalho e depois de expressar sua opinião sobre a homossexualidade. 

A aluna tinha dito que trataria uma pessoa homossexual gentilmente “mas que não concorda com sua escolha”. 

Ela foi condenada a “reeducação”, mas procurou aconselhamento jurídico e a universidade retirou as alegações. 

O diretor-geral da Aliança de Direitos Humanos, Martyn lles, que estava envolvido com alguns casos, disse que eles eram evidências da “purgação de certas ideias no discurso público”. 

O senhor lles disse que as pessoas com pontos de vistas tradicionais do matrimônio homossexual fazendo parte do programa das escolas seguras não estavam sendo permitidas expressá-los publicamente. 

No caso do senhor Jones, ele estava em uma reunião de pessoal quando perguntaram sua opinião sobre as Escolas Seguras, que estava gerando repercussão significativa na mídia devido à sua promoção de ideias que contestam a  chamada “fluidez de gênero e sexualidade”. 

Sua resposta foi que ele não gostaria que os seus próprios filhos fossem ensinados sobre alguns dos elementos controversos do programa. Nenhum representante de Escolas Seguras estava na reunião. 

O senhor Jones não quis discutir detalhes de sua situação. 

No entanto, ele disse que a sua colocação – “mostra uma reação brutal” –  e abriu-lhe os olhos para as tentativas de censura àqueles que se opõem a “reescrever a lei e a moralidade”. 

Artigos recomendados: 



Nenhum comentário:

Postar um comentário