11 de abr de 2017

Reino Unido - “Acadêmica” britânica: 'Manter a prostituição ilegal é sexismo!'

A mulher parece uma pata-choca, e quer legalizar isso para outras mulheres que vivem à margem da lei.




The Christian Institute, 11 de abril de 2017. 



Uma universitária de Cambridge tem defendido a prostituição e afirmou que flexibilizar a lei seria bom para a sociedade. 

Victoria Bateman, economista da universidade, argumenta que as restrições atuais são sexistas, já que os homens são capazes de ganhar dinheiro com os seus corpos por serem soldados ou pugilistas. 

No entanto, os países onde a prática foi descriminalizada viram exploração sexual e violência continuadas. 


A lei. 

Em um artigo para o The Times Higher Education Supplement, Bateman descreveu a atitude da Grã-Bretanha em relação à prostituição como uma “norma societária irracional”. 

Ela escreveu: “A justificativa usual é que a venda de sexo é imoral, e torna presas os mais vulneráveis da sociedade... No entanto, há uma inconsistência lógica com a maneira que pensamos sobre a prostituição consensual.. em comparação com o masculino dominando as esferas de soldados e boxe”. 

Bateman queixou-se que é “bom” para as pessoas nascidas com o “alto nível de habilidades e instrução” possam trabalhar em profissões onde elas são úteis, mas é “vergonhoso” para as mulheres que ganham dinheiro com “habilidades” relevantes como a prostituição. 

Ela acrescentou: “Aqueles envolvidos em sexo consensual e que trabalham precisam ser ajudados a beneficiar os mercados que trabalham com eles e não contra eles”. 

Exploração. 

No verão do ano passado, uma porta-voz da Coalizão Contra o Tráfico de Mulheres disse ao programa BBC Radio 4 Today que a descriminalização da prostituição na Nova Zelândia levou a um aumento do tráfico humano. 

A Alemanha também viu um aumento na exploração sexual e violência depois de uma decisão de relaxar a lei por lá. 

Na Inglaterra e no País de Gales, pesquisas mostram que as prostitutas “internas” são principalmente imigrantes, particularmente vulneráveis à exploração. 

'Prejuízo

Quando uma sociedade se afasta disso e transforma o sexo em algo que pode ser comprado e vendido, traz um dano incalculável ao indivíduo e à sociedade em geral”. 

A prostituição, pela sua própria natureza, é nociva e degradante para as mulheres. Está inextricavelmente ligado ao abuso de drogas, à exploração e à violência”. 

Artigos recomendados: 



Nenhum comentário:

Postar um comentário