2 de abr de 2017

Polícia chechena deteve mais de 100 homens por serem homossexuais

Vladimir Putin e Kadyrov líder da Chechênia


DN, 02 de abril de 2017. 



Porta-voz do presidente desmente detenções, alegando que não existem homossexuais na região

A polícia chechena deteve mais de cem homens, alegadamente por serem homossexuais, e pelo menos três terão morrido, revelou o jornal russo Novaya Gazeta.

O jornal, que só divulgou a reportagem no sábado, admitiu ter encoberto informações da operação policial, depois de as ter confirmado com fontes oficiais na polícia e no governo daquele território.

Um porta-voz oficial do presidente daquela república russa do Cáucaso, Ramzan Kadyrov, já rejeitou a veracidade da reportagem, afirmando que não existem homossexuais na região, maioritariamente muçulmana.

O porta-voz, Ali Karimov, afirmou, citado pela agência RIA Novosti: "É impossível perseguir aqueles que não existem na república".

O regime de Kadyrov é acusado de graves violações dos direitos humanos e de ter introduzido o islamismo no quotidiano dos chechenos.

Artigos recomendados: 


Nenhum comentário:

Postar um comentário