8 de abr de 2017

Cenário de pesadelo militar no Mar da China Oriental

Cenário de pesadelo militar no Mar da China Oriental



Yahoo News com CNBC de 04 de abril de 2017. 



Enquanto o mundo observa as tensões militares crescentes no Mar da China Meridional, outra, e mais ominosa situação está se formando no Mar da China Oriental, que poderia ser o ponto de ignição para uma grande guerra entre as superpotências. No centro das tensões estão oito ilhas desabitadas controladas pelo Japão que estão perto de importantes vias marítimas, pesqueiros ricos e potenciais reservas de petróleo e gás. A China contesta as alegações do Japão e está escalando sua atividade militar no espaço aéreo japonês. Em resposta, o Japão vem duplicando as suas interceptações de jatos F-15. 

A situação aumenta o risco de um confronto acidental – e poderia atrair outros países, como os Estados Unidos, para um conflito. É uma questão prioritária que o presidente Trump provavelmente apresentará ao presidente chinês, Xi Jinping, em sua propriedade de Mar-a-Lago esta semana



A partir da sala de embarque no Aeroporto Internacional de Naha, na ilha japonesa de Okinawa, os passageiros podem facilmente ver o que está acontecendo. Entre as idas e vindas regulares de aviões comerciais, primeiro um, depois dois e mais dois aviões de combate F-15 seguem para a pista das Forças de Autodefesa do Japão (JASDF) com quem compartilham o tráfego regular de Naha. Subindo rapidamente da pista, o quarteto de aviões de combate dirige-se para o mar para interceptar um avião militar chinês – e geralmente outros jatos de combate, às vezes um avião de bombardeio ou de reconhecimento – que voam para dentro ou para perto do espaço aéreo japonês. 

Essas interceptações aéreas estão em ascensão sobre o Mar da China Oriental, com o Japão calculando em média cerca de duas interceptações de aeronaves chinesas por dia desde abril do ano passado, quase o dobro registradas nos 12 meses anteriores. Em resposta ao aumento da atividade militar chinesa no espaço aéreo, o Japão considera isso sua responsabilidade, e a JASDF dobrou o número de aviões de caça na Base Aérea de Naha, acrescentando um segundo [número] de F-15Js – a versão japonesa do F-15, jato de combate – em janeiro do ano passado. 

A crescente intrusão do tráfego aéreo militar chinês no espaço aéreo protegido pela JASDF, juntamente com o aumento das interceptações aéreas, acentua o risco de um acidente ou mal-entendido entre as duas forças armadas – situação que poderia aumentar rapidamente, dadas as já acentuadas tensões militares na região. Tal incidente, intencional ou não, poderia causar um espiral e, rapidamente, potencialmente atrair as forças dos Estados Unidos na região para a briga. 

O aumento das tensões 

Eles rotinizaram suas intrusões em nosso espaço marítimo territorial”, diz Eisuke Tanabe, coordenadora chefe de políticas do gabinete do conselho adjunto do Ministério da Defesa japonês, observando que as incursões de navios chineses em águas reivindicadas pelo Japão estão aumentando ao lado das incursões aéreas de caças chineses. “Enviamos os nossos combatentes, e isso torna a situação possivelmente muito perigosa, conforme os nossos homens chegam perto." 

De abril a dezembro do ano passado, jatos japoneses esforçaram-se para interceptar aeronaves chinesas 644 vezes (o ano fiscal do Japão vai de 01 de abril a 31 de março do ano seguinte). Enquanto o Japão ainda não divulgou os números totais para o ano fiscal de 2016, os funcionários do Ministério da Defesa informaram a CNBC sobre o assunto afirmando que o ritmo das interceptações aéreas continua a aumentar, como tem sido em todos os anos desde 2008. 

As forças da JASDF nunca tinha interceptado tantos aviões desde os dias mais trabalhosos da Guerra Fria, quando aeronaves a partir da União Soviética estavam ativas na região. 

Hoje, as tensões na região são agravadas por novos catalisadores, que se sobrepõem principalmente às reivindicações territoriais nos mares do leste e do sul da China, à persistente ameaça de ação militar na Península Coreana, e a uma força militar chinesa cada vez mais capaz de se garantir perante os seus rivais. Uma mistura de poder marítimo e aéreo. Vizinhos e aliados dos Estados Unidos, como a Coreia do Sul, Taiwan e o Japão, são forçados a olhar nervosamente enquanto a China continua a testar e melhorar as suas capacidades no Oceano Pacífico ocidental e nos mares adjacentes à China ao sul e leste. 

Um botão político quente

Em Okinawa – lar de várias grandes instalações militares dos Estados Unidos, bem como de um contingente significativo do Japão das Forças de Autodefesa – um ponto de ruptura particular serve como um lembrete regular para Tóquio de quão tensas as relações militares Japão/China se tornaram: as Ilhas Senkaku.  

As Ilhas Senkaku (conhecidas como as Ilhas Diaoyu pela China), localizadas a cerca de 225 milhas náuticas a oeste da ilha principal de Okinawa e a apenas 90 milhas ao norte da ilha japonesa de Ishigaki, são reivindicadas pelos dois países, criando uma ambígua situação de segurança militar de ambas as nações que tentam administrar as ilhas desabitadas com  massas de terra e águas territoriais circundantes e o seu espaço aéreo. A chave para a disputa são as ricas águas de pesca em torno das Senkakus e os relatórios de potenciais fontes de petróleo e gás no fundo do Mar da China Oriental. A soberania sobre as ilhas tanto para a China como para o Japão (ou Taiwan, que também reivindica as ilhas) iria reforçar quaisquer reivindicações futuras dessas reservas de energia.  

Nos últimos anos, as Senkakus tornaram-se um quente botão político para ambas as nações, agitando o nacionalismo de ambos os lados ao conduzir uma abordagem cautelosa por um governo japonês ansioso para evitar o confronto aberto com a China. Depois de um incidente perto das Senkakus em setembro de 2010, quando um pesqueiro chinês deliberadamente empurrou um navio japonês da Guarda Costeira, o Japão alegou ter tomado uma abordagem suave, exortando os pescadores japoneses a se afastarem das ilhas mesmo quando os navios chineses continuavam nas águas ao redor das Senkakus. 

Flexão de músculo militar

A China afirmou abertamente que pretende garantir o acesso ao Pacífico Ocidental além do que é conhecido como a “primeira cadeia de ilhas” - a cadeia de ilhas que se estende desde o arquipélago japonês a Taiwan até as Filipinas e à margem sul do Mar da China Meridional abrindo caminho para a Península Malaia. Em última análise, a China pretende estender o seu alcance militar do Mar da China Meridional ao Pacífico Ocidental de tal forma que ela possa efetivamente controlar quem pode – e não pode – entrar nessas regiões, dizem os analistas. 

Mas o aumento da atividade militar chinesa no Mar da China Oriental pode ser o subproduto de objetivos mais específicos. 

Nossa observação é que a China está tentando desenvolver as capacidades de seus vários aviões no Oceano Pacífico Ocidental”, disse Yurie Mitsui, vice-diretor do Gabinete de Análises de Inteligência Estratégica do Ministério japonês da Defesa. "Porque o aumento em ambos os navios em torno das Senkakus e as missões aerotransportadas na região exigem o planejamento e a preparação a longo prazo, então os analistas da inteligência não têm nenhuma escolha a não ser ver o aumento das atividades como uma política deliberada.”, diz ela. 

É um adendo preocupante, sugerindo que, embora as disputas territoriais e a atividade militar chinesa no Mar da China Oriental muitas vezes estejam em segundo plano pelos exercícios militares e  a construção de ilhas mais provocantes no Mar da China Meridional, as questões que sustentam as atividades militares chinesas ao longo da costa oriental estão em algum sentido sendo mais voláteis. A China considera Taiwan democrática e uma província separatista e prometeu trazê-la de volta sob o seu governo chinês continental. Fazer isso não é apenas uma questão estratégica geopolítica ou uma necessidade econômica, mas uma questão de orgulho nacionalista para muitos cidadãos chineses e o Partido Comunista reinante. 

A Cartada de Taiwan

Como o governo Trump criou um novo e importante pacote de armas militares para Taiwan para ajudar a ilha a deter um crescente exército chinês, o porta-voz do Ministério da Defesa chinês, Wu Qian, disse em entrevista à imprensa na semana passada que “é inútil usar armas para recusar a unificação, só os estão condenando a não ter saída”. 

O Presidente Trump receberá o presidente chinês Xi Jinping em sua propriedade de Mar-a-Lago de 06 a 07 de abril, e as questões de segurança relativas à Coreia do Norte e o Mar da China Meridional, sem dúvida, ocuparão o topo da agenda. Se Taiwan ou as questões relacionadas com o Mar da China Oriental surgirem serão reveladoras para aqueles que estão no Japão observando atentamente as pistas sobre como o relacionamento do novo governo com a China será descartado. 

Com a administração Trump ainda tentando se firmar dos tremendos dois primeiros meses no cargo, a China poderia pensar em pressionar uma vantagem percebida no Pacífico Ocidental, diz o doutor Ako Takahara, um especialista em política chinesa e professor na escola de pós-graduação de Direito e política na Universidade de Tóquio. 

Os chineses estão sempre olhando para o que os americanos fazem”, diz ele. “Então, quando os americanos não estão indo bem, eles acham que está tudo indo muito bem”. 

- Por Clay Dillwo, especialmente para a CNBC.com 

Artigos recomendados: 



Nenhum comentário:

Postar um comentário