21 de abr de 2017

Casal muçulmano preso em Michigan na primeira ação penal de FGM nos Estados Unidos

Fakhruddin Attar 


BBC, 21 de abril de 2017. 



Um médico de Michigan e sua esposa foram presos em conexão com a primeira acusação de mutilação genital feminina (FGM) nos Estados Unidos. 

O doutor Fakhruddin Attar, de 53 anos, e sua esposa Farida Attar, de 50, são acusados de realizar cirurgia proibida em sua clínica médica em um subúrbio em Detroit. 

Eles alegadamente planejaram com a médica da sala de emergência, Jumana Nagarwala, que foi presa na semana passada

Duas meninas que foram submetidas ao procedimento identificaram Attar e Nagarwala. 


O casal foi preso nessa manhã de sexta-feira e espera-se que compareçam perante o tribunal hoje, sob acusações de conspirar para cometer mutilação genital feminina e ajudar a promover a mutilação genital feminina. 

Uma garota de sete anos do estado vizinho de Minnesota disse a uma entrevistadora forense que ela tinha sido trazida para a clínica médica do casal Burnhani em Livonia para uma “viagem especial para meninas”. 

A menina, que foi removida de casa pelos serviços de proteção à criança, disse que ela e outra garota foram informadas por suas mães que tinham que ir ao médico para “remover alguns germes”. 

Em 11 de abril, um médico examinador em Minnesota inspecionou as duas meninas e confirmou que tinham sido submetidas a cirurgia genital, o que lhes causou muita dor. 


O casal alegadamente  permitiu a senhorita Nagarwala acesso à clínica, onde trabalhou com a senhora Attar para realizar a operação em meninas entre seis e oito anos de idade. 

A mídia local identificou os três presos como membros de uma pequena seita do Islã xiita que tem sido associada ao primeiro caso de FGM na Austrália

O FBI e o Departamento de Segurança Interna e os funcionários suspeitam que pode haver mais vítimas de FGM na área de Detroit. 

O advogado da doutora Nargarwala, que foi presa em 12 de abril, afirmou que o procedimento não era a FGM, mas sim uma cerimônia religiosa para limpar uma pequena quantidade de membrana mucosa, que foi dada à família em uma gaze para o enterro. [???

Isso faz parte da cultura”, disse a advogada de defesa Shannon Thompson a um juiz na segunda-feira em uma audiência obrigatória para a senhora Nagarwala. 

No entanto, a juíza Mona Majzoub decidiu prendê-la em prisão preventivamente devido à “evidência clara e convincente de que ela representa um perigo para a comunidade”. 

Desde que foi acusada, a doutora Nagarwala foi colocada em licença de sua sala de emergência em um hospital local. 

Artigos recomendados: 



Nenhum comentário:

Postar um comentário