28 de abr de 2017

A perda da liberdade de expressão nas universidades dos EUA

As doutrinas marxistas ensinadas nas escolas dos Estados Unidos estão agora chegando às ruas e o vandalismo político está se tornando uma parte da vida no país.



Epochtimes, 28 de abril de 2017. 







Alguns discursos são entendidos como violência, o que justificaria a violência em retorno

As doutrinas marxistas ensinadas nas escolas dos Estados Unidos estão agora chegando às ruas e o vandalismo político está se tornando uma parte da vida no país.

Em 15 de abril, no Parque do Centro Cívico Martin Luther King Jr. em Berkeley, uma manifestação de livre discurso por apoiadores do presidente Trump rapidamente degenerou num tumulto, quando forças pró e anti-Trump começaram a brigar entre si.


A briga não foi uma surpresa. Vários apoiadores de Trump apareceram no evento carregando escudos caseiros, usando diversos tipos de capacetes e carregando bastões.

Dispostos contra eles estavam os membros do grupo Antifa, que é uma abreviação para “antifascista”. Vestidos de preto e frequentemente usando máscaras de esqui ou bandanas pretas sobre seus rostos, os antifas têm usado o que é chamado de táticas black bloc em eventos em todo o país para tolher a liberdade de expressão.

Os antifas atacaram anteriormente uma “Marcha por Trump” em Berkeley, o que explicaria os preparativos que os apoiadores de Trump fizeram para o evento de 15 de abril.

No evento “Marcha por Trump”, a polícia confiscou da multidão coisas como canos de metal, tijolos, bastões de beisebol e tábuas de madeira, de acordo com o Washington Post.

Seria de se esperar que a briga em Berkeley estivesse muito longe dos campi serenos de Wellesley, Middlebury e Claremont, escolas particulares caras onde os pais pagam um bom dinheiro para que seus filhos recebam uma educação de qualidade Ivy League.

Mas nessas escolas, alguns admitem teorias que justificam a limitação da liberdade de expressão e abrem as portas para a ação violenta.



Protegendo o oprimido

Recentemente, o jornal Wellesley College publicou um editorial defendendo a faculdade contra a opinião de que está se tornando “um ambiente onde a liberdade de expressão não é permitida ou é um direito violado”.

O editorial estabelece os princípios corretos para a compreensão da liberdade de expressão: “Wellesley certamente não é um lugar para o racismo, sexismo, homofobia, islamofobia, transfobia ou qualquer outro tipo de discurso discriminatório. Proibir a retórica que mina a existência ou os direitos dos outros não é uma violação da liberdade de expressão. … O espírito da liberdade de expressão é proteger o oprimido e não para proteger um espírito de vele tudo em que qualquer coisa é aceitável, não importa o quão odioso ou prejudicial.”

O editorial vira de ponta-cabeça a compreensão tradicional da liberdade de expressão. O juiz da Suprema Corte Louis Brandeis, numa decisão de 1927, escreveu que, em situações que não envolvem perigo iminente, “o remédio a ser aplicado é mais discurso, e não silêncio forçado”. O corretivo para o mau discurso é um bom discurso.

O editorial do Wellesley, porém, sente que o perigo das más opiniões é tão grande que aqueles que as expressam devem sofrer as consequências: “Se for dado às pessoas os recursos para aprenderem e elas continuarem seu discurso de ódio ou se recusarem a adaptar suas opiniões, então a hostilidade pode ser permitida.”

O que exatamente significa ou está envolvido nesta “hostilidade”, o editorial não diz.

O mito da verdade

Um exemplo recente de hostilidade nos campi universitários foi a tentativa bem-sucedida de uma turba no Colégio Pomona da Universidade Claremont de prevenir que Heather Mac Donald, uma especialista em policiamento e uma crítica do grupo Black Lives Matter, pudesse discursar em 6 de abril.

No dia seguinte, o presidente da universidade publicou uma carta explicando que impedir um orador convidado de se relacionar com outros não era aceitável.

Um grupo de 20 estudantes respondeu com uma carta aberta reveladora, que diz: “Historicamente, a supremacia branca venerou a ideia de objetividade e exerceu a dicotomia de ‘subjetividade versus objetividade’ como um meio de silenciar os povos oprimidos.”

Como o editorial do Wellesley, esta carta aberta entende a liberdade de expressão é passível de ser usada como uma ferramenta de opressão.

Os autores da carta prosseguem explicando que a verdade – exceto a verdade compreendida e expressa pelos autores – é um mito. Esta é a opinião comum ensinada nos campi hoje, fruto de mais de um século de filosofia ocidental criticando a ideia de que a verdade é possível.

A carta diz: “A ideia de que existe uma verdade única – ‘A Verdade’ – é uma construção euro-ocidental profundamente enraizada no Iluminismo. … Esta construção é um mito e a supremacia branca, o imperialismo, a colonização, o capitalismo e os Estados Unidos da América são todos de sua progênie.”

Implícito na carta está a visão de que, na ausência de qualquer verdade comum, um indivíduo só pode agir com base na sua vontade, um impulso irracional para algo.

O que é real para os autores da carta, e fornece uma base para a ação, é a dinâmica do opressor e do oprimido. Essa dinâmica é fundamental para o marxismo, mas aqui a opressão é entendida principalmente em termos de identidade – como sexo, raça, gênero e orientação sexual – ao invés de classe social.

Stanley Kurtz, membro-sênior do Centro de Política Pública e Ética, escreveu num artigo para a National Review: “Muitos dos radicais dos anos sessenta rejeitaram as concepções clássico-liberais de liberdade em favor de uma análise neomarxista. Nesta visão, a liberdade de expressão e a democracia constitucional são instrumentos usados ​​pela classe dominante para suprimir a dissidência e proteger uma sociedade opressiva.”

Esses radicais usaram o sistema docente para se tornarem “a pluralidade mais poderosa da universidade como um todo” e são hoje os professores de estudantes que agora são céticos sobre a liberdade de expressão.

Totalitaristas

Mac Donald disse ao Washington Times que a turba que a impediu de falar em 6 de abril foi “outro surto do totalitarismo estudantil”.

“Eles estão firmemente convencidos de que um determinado ponto de vista é uma forma de violência”, disse Mac Donald, “e, portanto, têm o direito de usar a violência para silenciá-lo.”

Charles Murray, autor de “The Bell Curve” e “Coming Apart”, experimentou a violência de uma multidão determinada a impedi-lo de falar no Colégio Middlebury em 2 de março.

Ele escreveu: “As pessoas na plateia que queriam me ouvir falar estavam completamente intimidadas. … Um campus onde a maioria dos estudantes tem medo de falar abertamente porque eles sabem que uma minoria os atacará não é mais um campus intelectualmente livre em qualquer sentido significativo.”

As ideias sobre a liberdade de expressão que ganharam terreno em nossos campi forneceram uma justificativa para, e abriram as portas a, o vandalismo político de um grupo como o Antifas, o grupo que atacou os comícios de Trump em Berkeley.

Nos campi universitários, os antifas parecem operar como um exército de guerrilha, emergindo de grupos de estudantes para atacar e depois se tornando invisíveis quando recuam em meio à multidão que se fecha em torno deles.

Os antifas são formados por anarquistas e comunistas. Se alguém visita seus fóruns online, encontrará mensagens ilustradas com imagens e símbolos comunistas e discussões de quantos antifas são comunistas e quantos são anarquistas.

De qualquer modo, tanto os anarquistas como os comunistas são, em princípio, hostis à nossa ordem constitucional.

A liberdade de expressão e a razão são fundamentais para essa ordem. Logo no início de “The Federalist Papers“, o livro escrito por Alexander Hamilton, John Jay e James Madison para convencer seus concidadãos a ratificarem a Constituição, uma questão é levantada, “se as sociedades dos homens são realmente capazes ou não de estabelecer um bom governo a partir da reflexão e escolha ou se elas estão destinadas eternamente a dependerem do acaso e da força para suas constituições políticas.”

Até agora, o experimento americano parecia resolver essa questão, mas os antifas e as doutrinas que procuram limitar o discurso ameaçam reabri-la. À medida que os eventos se desenrolam, a resposta dependerá se Murray está certo a respeito de a maioria ter sido intimidada ou se a maioria pode encontrar sua voz.

Artigos recomendados: 



Nenhum comentário:

Postar um comentário