11 de abr de 2017

A nova e espantosa base de espionagem da Rússia está na porta da América



The Blaze, 09 de abril de 2017. 






Um novo relatório publicado hoje pelo Washington Post afirma que o governo russo construiu uma nova base de inteligência na América Central

A suposta base está localizada em Manágua, Nicarágua, uma cidade de cerca de 2,2 milhões de pessoas. O relatório do Washington Post alega que o governo da Nicarágua afirma que a operação é “simplesmente instalação de rastreamento da versão russa de sistema de satélites GPS”, mas as fontes do artigo afirmam que o lugar está sendo usado para mais do que apenas GPS. 

"Funcionários atuais e antigos dos Estados Unidos suspeitam que as novas instalações russas possam ter a capacidade de 'dupla utilização', particularmente para espionagem eletrônica... mostrando que a Rússia também pode se pavonear no quinta dos Estados Unidos”, escreveu Joshua Partlow para o Post. 


Em junho de 2016, o Washington Free Beacon informou que fontes dentro do Departamento de Defesa dos Estados Unidos afirmaram que Moscou fechou um acordo com o governo da Nicarágua que permitiria aos russos construir uma base de espionagem em Manágua em troca de 50 tanques russos T-72. De acordo com o Free Beacon, o custo estimado dos tanques foi de US $ 80 milhões, o que a publicação relatou ser US $ 9 milhões a mais do que o orçamento de defesa de 2015 do pequeno país centro-americano. 

Em outubro de 2016, McClatchy informou que a Rússia estava considerando expandir as suas operações para perto dos Estados Unidos, aumentando sua presença em Cuba

As negociações estão em andamento”, disse o ministro da Defesa da Rússia, Sergei Shoigu, sobre a responsabilidade de um acordo com Cuba. 

Em novembro de 2016, a NPR informou que a Rússia estava construindo uma nova embaixada, um centro de treinamento antidrogas e a própria estação de satélites que o Washington Post havia relatado, provavelmente é uma base de espionagem. 

Em dezembro de 2016, o presidente Barack Obama enviou dezenas de funcionários russos para fora do país e fechou duas instalações em Maryland, que acredita-se serem bases de espionagem, de acordo com um relatório do Baltimore Sun. A Casa Branca disse na época que estava reprimindo os russos por sua suposta interferência nas eleições presidenciais de 2016. 

Em fevereiro e março, houve vários relatos de um navio de espionagem russo fora da costa atlântica dos Estados Unidos. Um porta-voz do Pentágono disse à Fox News, que embora haja preocupação com o navio, “suas operações são legais, semelhantes às operações que fazemos em todo o mundo”. 

Apesar destes movimentos agressivos feitos pela liderança russa, Partlow relatou no artigo do Washington Post que funcionários dos Estados Unidos estão “alarmados com a crescente presença russa.”. 

Artigos recomendados: 



Nenhum comentário:

Postar um comentário