25 de mar de 2017

Suíça – a Suíça investiga a “espionagem turca”

Milli İstihbarat Teşkilatı , MİT


Swiss Info, 24 de março de 2017. 




O Ministério Público suíço abriu um processo criminal por alegações de espionagem política em torno da comunidade turca na Suíça. A ação ocorre em meio a uma disputa política entre a Suíça e a Turquia antes do referendo constitucional turco. 

Na sexta-feira, o escritório do procurador-geral confirmou relatórios sobre a televisão pública suíça (SRF) dos processos criminais iniciados este mês. Em uma declaração, o Ministério Público disse que havia “evidência concreta” de que a espionagem do serviço secreto político havia ocorrido. 

O procurador-geral alertou o gabinete sobre estas suspeitas e recebeu a autorização para prosseguir pelo Ministério da Justiça, dizia o comunicado. 


O escritório da Procuradoria Geral da República, após a indagação da swissinfo.ch não forneceu detalhes sobre a suspeita de espionagem, como quando ou onde se pensa ter ocorrido, citando as investigações que estão em curso. 

Palestras universitárias. 

Em meados de março, relatos da imprensa suíça revelaram que pessoas de um evento da Universidade de Zurique sobre um jornal turco Cumhuriyet, notaram dois homens usando seus smartphones para tirar fotos dos convidados. O mesmo aconteceu em uma palestra pública sobre o genocídio armênio. 

O reitor da universidade Michael Hangartner divulgou uma declaração dizendo que sua instituição não toleraria tal comportamento e investigaria ainda mais. 

Relações diplomáticas. 

Em 16 de abril, os eleitores turcos decidirão sobre um referendo no qual irão rever a constituição para impulsionar os poderes do presidente Recep Tayyip Erdogan. No início deste mês, o ministro truco dos Negócios Estrangeiros, Mevlut Cavusoglu, tentou reunir apoio entre a diáspora turca na Suíça, mas teve de abandonar o sua pretensão porque não pode encontrar um local. 

Na quinta-feira, durante uma visita de Cavusoglu a Berna, o ministro suíço das Relações Exteriores Didier Burkhalter repreendeu publicamente o seu homólogo turco. Um comunicado de imprensa afirmou que Burkhalter tinha “sublinhado a validade da lei suíça em solo suíço, e pediu à Turquia para cumpri-la, e disse que a Suíça investigará rigorosamente as atividades de inteligência ilegal”. 

A liberdade de expressão é um valor universal reconhecido pela Suíça, que espera que esta liberdade também seja válida para os cidadãos turcos, que votarem na Suíça ou em seu próprio país”, afirmou Burkhalter. 

Os políticos alemães, austríacos e holandeses cancelaram reuniões com políticos turcos nas últimas semanas. 

Ancara acusou os seus aliados europeus de usar “métodos nazistas” ao proibir os ministros turcos de abordar comícios na Europa por questões de segurança. 

De acordo com estatísticas do governo suíço, cerca de 68.000 cidadãos turcos vivem na Suíça, uma nação de 8,3 milhões cuja população é um quarto estrangeiros. O site da embaixada turca refere-se a cerca de 130.000 cidadãos turcos na Suíça. 

Artigos recomendados: 


Nenhum comentário:

Postar um comentário