21 de mar de 2017

Revolução russa de fevereiro: o caminho para uma tragédia de 100 anos

Rebeldes em São Petersburgo atiram na polícia imperial russa nos primeiros dias da Revolução de Fevereiro de 1917


Epoch Times, 21 de março de 2017. 


Por Leo Timm


A ascensão do bloco comunista foi um exercício de subversão, terror e assassinato em massa


Cerca de cem anos atrás, a 1ª Guerra Mundial estava em seus últimos e brutais anos. Milhões de homens morreram num massacre sem precedentes tornado possível pelos últimos avanços na tecnologia moderna.

Para a Rússia imperial, grandes baixas e derrotas humilhantes significavam dificuldades econômicas e desordem social em casa. E em março de 1917, o povo de São Petersburgo, a capital imperial, se levantou em revolta armada.

Após a violência dos dias seguintes matar 1.300 pessoas, o czar Nicolau II abdicou em favor de seu irmão, o Grão-Duque Michael Alexandrovich. Quando o duque não aceitou o trono, os rebeldes estabeleceram o Governo Provisório. Ele veio com a promessa de reformar o governo russo, e um voto popular foi planejado para determinar se a nação deveria permanecer uma monarquia ou se mudaria para o republicanismo.


Conhecida como a Revolução de Fevereiro (conforme o calendário juliano que era usado na Rússia na época), a insurreição não conduziu à democracia, mas foi o primeiro de uma série de eventos que levaram ao estabelecimento da ditadura comunista de partido único de Vladimir Lenin.

Esta era uma nova forma de tirania, que resultou diretamente na morte de mais de 100 milhões de pessoas até os dias atuais. Pelo menos 30 milhões desses mortos eram russos e pessoas de outras nacionalidades sob o domínio soviético.



Da facção radical à “maioria”

Por volta da virada do século XIX, vários matizes do comunismo e do socialismo eram populares no declínio do Império Russo, e os bolcheviques de Lenin eram apenas um grupo dissidente do Partido Operário Socialdemocrata Russo. Os bolcheviques alinhavam-se com alguns elementos anarquistas da teoria marxista a favor de uma elite do Partido que liderasse as massas.

Estas opiniões entraram em conflito com a corrente principal do Partido. Num golpe de propaganda, o grupo de Lenin apoderou-se do termo “bolchevique”, que significa “maioria”, embora fosse a facção menchevique (ou “minoritária”) que melhor representasse a corrente principal do Partido.

Pioneiros das táticas de subversão que seriam usadas em numerosos movimentos comunistas futuros, os bolcheviques suplantaram os socialistas mais urbanos, reduzindo a ideologia marxista à retórica mais crua e nunca hesitando em mudar de direção conforme a situação. Lenin condenou os esquerdistas como “infantis” por sua insistência em seguir rigorosamente os princípios marxistas. Em seu texto “Duas táticas da socialdemocracia na revolução democrática”, Lenin acusou os mencheviques de marchar “lado a lado com a burguesia liberal e monárquica”.

Enquanto o Governo Provisório tentava conciliar os conservadores czaristas com os liberais republicanos e socialistas moderados numa tênue coalizão durante grande parte do ano de 1917, os bolcheviques agiram para minar a autoridade e as políticas do novo governo. Lenin tornou-se famoso por slogans como “Todo o poder para os sovietes” e “Paz, terra e pão”, indo contra as promessas do novo governo de continuar a guerra contra a Alemanha e estabelecer eleições sobre o futuro da Rússia.

Salvaguardando a ditadura

O Governo Provisório era uma mistura disfuncional de antigos nobres imperiais russos, liberais esperançosos e esquerdistas moderados. Nos oito meses que ocuparam o poder entre março e novembro, eles demoraram a realizar as eleições prometidas e lançaram uma ofensiva fracassada que deveria rechaçar os alemães.

Além disso, o núcleo político do Governo Provisório marginalizou as antigas elites imperiais e o estabelecimento militar. O primeiro-ministro Alexander Kerensky, ele mesmo um membro do Partido Socialista Revolucionário, declarou que a democracia não tinha inimigos na esquerda política, um sentimento que beneficiava os bolcheviques.

Embora os bolcheviques tivessem dirigido os conselhos de trabalhadores e soldados de São Petersburgo (“sovietes” em russo) para ajudar a derrubar o czar, eles tinham pouco interesse em cooperar com o Governo Provisório ou apoiar suas eleições. De acordo com a ideologia elitista de Lenin, os bolcheviques preferiram pronunciar-se como a autoridade e os representantes da reivindicada constituição de trabalhadores, camponeses e soldados, apesar de outros partidos políticos de esquerda e direita receberem amplo apoio desses grupos.


Quando um descontente general russo, Lavr Kornilov, marchou suas tropas em São Petersburgo para derrubar os indisciplinados bolcheviques e supostamente fortalecer o Governo Provisório, Lenin e seus homens usaram isso como um pretexto para a mobilização. Embora o primeiro-ministro Kerensky tenha acabado com a tentativa de golpe de Kornilov, os bolcheviques agora estavam armados, e ficaram mais fortes a cada dia que os soldados desertavam da guerra e voltavam para casa.

Em novembro, os bolcheviques lançaram a conhecida Revolução de Outubro. No início de 1918, as eleições para a Assembleia Constituinte foram finalmente realizadas, mas os bolcheviques contestaram o resultado e dissolveram violentamente o corpo democrático. A Guerra Civil Russa estourou logo depois.

Prenúncio do Terror Vermelho

Em julho de 1918, 15 meses depois de abdicar, o czar Nicolau II, juntamente com a imperatriz e seus cinco filhos, estava definhando no exílio siberiano sob o comando das tropas bolcheviques. Uma noite, sob as ordens da liderança, e eles foram fuzilados depois da breve leitura de suas sentenças de morte.



Junto com seu monarca desgraçado, cerca de 10 milhões de pessoas morreram na Guerra Civil Russa que garantiu o lugar de Lenin como primeiro governante comunista do mundo. Milhões das vítimas, além das vítimas dos campos de batalha, eram camponeses que morreram de fome devido às políticas de “comunismo de guerra” do braço direito de Lenin, Leon Trotsky, que impôs a colheita de grãos e outros suprimentos para alimentar os exércitos comunistas. Inúmeros outros foram considerados “inimigos do povo” e presos, torturados e mortos no que foi abertamente chamado de “Terror Vermelho”.

Após a destruição do Governo Provisório, os esquerdistas não bolcheviques também se tornaram vítimas, enquanto Lenin e seu círculo avançavam seus objetivos ditatoriais. Os mencheviques e os socialistas-revolucionários foram afastados pelo que consideravam uma traição aos princípios revolucionários, ou substituição da autonomia dos sovietes por diretrizes impostas de cima para baixo.

À medida que a guerra civil prosseguia, os esquerdistas não leninistas levantaram-se frequentemente em revolta, como no famoso episódio de Kronstadt. Cada vez, os bolcheviques os esmagaram com a mesma crueldade com que destruíram seus inimigos convencionais.

Onde quer que o comunismo tenha se enraizado, seja na China ou em Cuba, o modelo sangrento de Lenin se repetia, quase literalmente. A experiência russa em 1917 marcou o início do movimento comunista mundial, e o resultado foi um século marcado por lutas internas entre facções, assassinato em massa, ilegalidade e brutalidade arbitrária.

Artigos recomendados: 



Nenhum comentário:

Postar um comentário