12 de mar de 2017

Reino Unido – secularistas querem impedir que as crianças sejam “lesadas pela religião”, ensinando-lhes sobre questões LGBT



Instituto Cristão, 11 de março de 2017. 



Os jovens devem ser forçados a aprender sobre as relações homossexuais na escola sem direito de retirar-se das aulas, disse a Sociedade Secular Nacional (NSS). 

Escrevendo no Huffington Post, Stephen Evans, Diretor de Campanhas do NSS, disse que permitir que os pais religiosos tirem os seus filhos das aulas que minam suas crenças é “inaceitável.”

Ele estava respondendo aos planos do Governo para Relações Estatutárias e Educação nas escolas primárias e Relacionamentos e Educação Sexual (RSE) em escolas secundárias, delineado na semana passada. 


Sem abstenção. 

Teme-se que ambos os temas incluam o ensino sobre as relações homossexuais e bissexuais, bem como a paternidade entre pessoas do mesmo sexo e o casamento entre pessoas do mesmo sexo.

O governo deixou claro que a educação de Relações Primárias não incluirá nenhum direito de abstenção dos pais. O RSE de nível secundário provavelmente defenderá esse direito. 

No entanto, o NSS, cuja meta de campanha é alcançar a “liberdade da religião”, acredita que os pais devem ser impotentes para proteger os seus filhos de lições secundárias também. 

“Lesados pela Religião”. 

Evans escreveu: “As relações do governo do século XXI com a educação sexual não serão dignas desse faturamento se permitir que os direitos dos jovens sejam lesados pela religião.”.  

Ele disse que as escolas são um “lugar ideal” para incentivar uma “geração jovem sexualmente autônoma”, e denunciou a falta de “referência explicita a gays, lésbicas, bissexuais e transgêneros (LGBT) nas propostas”. 

Simon Calvert, Diretor adjunto para Assuntos Públicos do Instituto Cristão, disse: “Não é nenhuma surpresa que a Sociedade Secular Nacional deseje o ensino obrigatório de crenças seculares. Mas os pais, não estranhos na sala de aula, são os mais bem postados para supervisionar a educação de seus filhos. Eles devem ser livres para cumprir o seu papel dado por Deus.

Não pode ser justo pisotear todos os direitos de milhões de famílias cristãs, muçulmanas e judaicas – fazer isso seria deixar de lado a liberdade”. 

Artigos recomendados: 



Nenhum comentário:

Postar um comentário