14 de mar de 2017

“Os navios chineses podem inspecionar o território filipino”, diz Duterte

A China e as Filipinas tiveram uma longa disputa sobre reivindicações concorrentes no Mar da China Meridional.




Yahoo! News, 13 de março de 2017. 



O presidente das Filipinas, Rodrigo Duterte, disse na segunda-feira que concordou em permitir os navios de vigilância chineses nas águas filipinas, contradizendo o seu ministro da Defesa, que descreveu sua presença como sendo “muito preocupante”. 

Duterte também disse aos jornalistas que não queria uma “briga” com a China em relação a Benham Rise – águas reconhecidas pelas Nações Unidas como sendo de território exclusivamente filipino – em parte porque ele queria ajuda econômica chinesa. 

Eles não têm nenhuma incursão porque temos um acordo”, disse Duterte aos repórteres quando perguntado sobre a presença relatada de navios de vigilância chineses em Benham Rise. 

Algumas pessoas estão apenas furiosas, nós já concordamos, será apenas um navio de pesquisa, e fomos avisados de que percurso vão seguir”. 

Os comentários de Duterte vieram depois que seu secretário de Defesa, Delfin Lorenzana, que disse na semana passada que os navios de vigilância chineses haviam sido vistos em Benham Rise, e que acredita-se estarem em cima de lucrativos depósitos de petróleo e gás. 

A coisa muito preocupante é que eles têm vários navios de serviço que operam nesta área, ficando em uma área às vezes por um mês, como quem não quer nada. Mas acreditamos que eles estão realmente investigando o fundo do mar”, disse Lorenzana. 

Eu ordenei à Marinha que se virem este navio de serviço este ano, que comecem a abordá-los e a expulsá-los”. 

Lorenzana disse que a China pode estar “procurando um lugar para colocar submarinos”. 

Duterte enfatizou segunda-feira que as Filipinas devem ser ajustadas para apreciar bilhões de dólares em investimentos e concessões chinesas, seguindo sua decisão de não discutir com a China sobre outra disputa territorial no Mar da China Meridional. 

Não vamos lutar por propriedade ou soberania neste momento, porque as coisas estão indo muito bem para o meu país”, disse Duterte em referência à China. [Bem ao bolso]

Benham Rise é uma massa terrestre subaquática a 250 quilômetros da costa leste da ilha principal de Luzon. 

Em 2012, a Comissão das Nações Unidas sobre os Limites da Plataforma Continental aprovou a indiscutível reivindicação territorial das Filipinas a Benham Rise. 

O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Geng Shuang, disse na semana  passada que, embora a ONU tenha governado a favor das Filipinas, isso não significava que Benham Rise fazia parte de seu território. 

A China e as Filipinas tiveram uma longa disputa sobre as reivindicações concorrentes no Mar da China Meridional. Partes daquela via navegável estrategicamente vital também são reivindicadas por Brunei, Malásia, Taiwan e Vietnã. 

O antecessor de Duterte, Benigno Aquino, desafiou com força a China nos círculos diplomáticos e jurídicos sobre a disputa do Mar do Sul da China, levando a uma forte deterioração nas relações bilaterais. 

Duterte, que tomou posse no ano passado, reverteu essa política, preferindo, em vez disso, aplacar a China em troca de esperados bilhões de dólares em investimentos e doações. 



Wang Yi

O ministro das Relações Exteriores da China, Wang Yi, participou de uma coletiva de imprensa na sessão anual do Congresso Nacional do Povo (NPC), em Beijing, China, em 08 de março de 2017. REUTERS/Tyrone Siu. 

Um primeiro rascunho de um código de conduta para o comportamento no disputado Mar da China Meridional foi concluído, disse o ministro das Relações Exteriores da China, Wang Yi na quarta-feira, acrescentando que a tensão na via navegável havia diminuído consideravelmente. 

Desde 2010, a China e os 10 membros da Associação das Nações do Sudeste Asiático (ASEAN) têm discutido um conjunto de regras destinadas a evitar conflitos entre demandantes rivais no agitado Mar da China Meridional. 

Falando em uma conferência de imprensa anula à margem da sessão parlamentar da China, Wang disse que as conversas no mês passado tinham feito “progressos claros” e tinha formulado um primeiro rascunho de uma estrutura para o código. 

A China e os países da ASEAN se sentem satisfeitos com isso”, disse ele. 

Wang disse que as tensões no Mar da China Meridional  não só “caíram um pouco, mas haviam caído nitidamente” no ano passado. 

Mas, em um sinal aos Estados Unidos e sua liberdade regular de patrulhas navais e navegação em geral na região, Wang disse que aqueles que ainda querem "criar problemas" serão condenados pelos países da região.

Definitivamente não vamos permitir que esta situação estável, e que tem sido difícil de conseguir, se danifique ou tenha interferência”, disse ele. 

Os Estados Unidos criticaram a construção, pela China, de ilhas artificiais e sua construção de instalações militares no mar, e expressaram preocupação de que  poderiam ser usadas para restringir a livre circulação. 

A China pediu há muito tempo o que ela chama de “países fora da região” - geralmente uma referência aos Estados Unidos – para ficar fora da disputa, dizendo que a China e o Sudeste Asiático  estão determinados a resolver as coisas pacificamente. 

A China reivindica todo o Mar do Sul d China rico em recursos, através do qual cerca de US $ 5 trilhões no valor de comércio passa a cada ano. 

Brunei, Malásia, Filipinas, Taiwan e Vietnã também reivindicam partes das águas que têm pesqueiros ricos, juntamente com depósitos de petróleo e gás. 

As tensões atingiram um ponto crítico depois que as Filipinas arquivaram um processo de arbitragem contra a China em Haia e à medida em que a China começou a militarizar as ilhas artificiais que construiu em recifes no Mar da China Meridional. 

O tribunal julgou em favor de Manila, mas a eleição do presidente das Filipinas, Rodrigo Duterte, viu uma reviravolta dramática na abordagem de seu país. 

Duterte disse repetidamente que quer evitar o confronto com a China e não viu necessidade de pressioná-lo para cumprir a decisão. 

O secretário das Relações Exteriores das Filipinas, Perfecto Yasay, disse que espera que o código de conduta seja concluído até meados deste ano e que ajude a diminuir as tenções. 
(Reportagem de Ben Blanchard, escrito por Philip Wen, edição de Robert Birsel). 
Artigos recomendados: 


Nenhum comentário:

Postar um comentário