28 de mar de 2017

Governo canadense sob fogo cruzado por sua política de financiamento do aborto internacional




The Christian Institute, 28 de março de 2017. 



O governo canadense foi acusado de “imperialismo cultural ocidental”, depois de ter prometido financiar o aborto em países do terceiro mundo. 

O arcebispo católico romano Cardeal Thomas Collins escreveu ao primeiro-ministro Justin Trudeau, expressando sua “profunda preocupação e decepção” pelo Canadá ter prometido US $ 650 milhões para permitir o acesso ao aborto. 

Em sua carta a Trudeau, o Cardeal Collins disse que é “arrogante que as nações ricas e poderosas ditem quais prioridades os países de terceiro mundo devem adotar”. 

'Arrogante'     

O arcebispo Collins foi apoiado por outro clérigo, o bispo Crosby, que disse: 

Essa política é um exemplo reprovável de imperialismo cultural ocidental e uma tentativa de impor valores equivocados, dos chamados canadenses, a outras nações e povos”. 

Estamos negando os esforços louváveis do nosso país para acolher os refugiados e oferecer proteção aos sem-teto do mundo, quando a mais jovem das vidas humanas será exterminada e os mais vulneráveis serão descartados”. 

O dinheiro gasto na promoção do aborto, argumentou o cardeal Collins, poderia ser gasto na vacinação contra a malária e outras doenças, ou na construção de escolas e universidades. 

Política da cidade do México. 

Vários países europeus prometeram dinheiro para o fundo global do aborto depois que o governo americano reintroduziu a Política da Cidade do México. Ele tirou o financiamento de grupos de aborto global, como Planned Parenthood International. 

A política, introduzida pela Ordem Executiva nos primeiros dias da presidência Trump, impede que o dinheiro dos contribuintes norte-americanos seja usado para organizações não-governamentais (ONGs) que promovem ou fornecem abortos como um método de “planejamento familiar”. 

Além de evitar que o dinheiro dos contribuintes financie abortos, a Política da Cidade do México proíbe as ONGs de defender leis pró-aborto em países estrangeiros. 

Ela tem sido amplamente aplaudida por grupos pró-vida,que dizem que vai proteger a “dignidade das mulheres e as crianças no exterior”. 

Artigos recomendados: 


Nenhum comentário:

Postar um comentário