20 de mar de 2017

Cidadãos sírios dizem que a Rússia vai construir base em Afrin

A Turquia considera o GPJ como uma extensão do Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK), que Ancara considera um grupo "terrorista"



Aljazeera, 20 e março de 2017. 



De acordo com os curdos, a Rússia está preparando uma base militar para operar em Afrin e treinar combatentes terroristas da YPG em combate 'antiterror.'

A Rússia está montando uma base militar no noroeste da Síria, em acordo com o grupo armado sírio-curdo YPG que controla a área e vai treinar combatentes, disse um porta-voz da YPG nessa segunda-feira. 

O acordo com a Rússia foi concluído no domingo e as tropas russas já chegaram à aldeia de Kafr Jina, na região noroeste de Afrin, com comboios de tropas e veículos blindados, disse o porta-voz da YPG, Redur Xelil, à agência de notícias Reuters. 

A presença russa... só foi possível graças a um acordo entre [a YPG] e as forças russas que operam na Síria no âmbito de cooperação contra o terrorismo e para ajudar a treinar as nossas forças na guerra moderna assim como para construir um ponto de contato direto com as forças russas”, Xelil disse em um comunicado. 


É o primeiro [acordo] de sua espécie”, acrescentou. 

No entanto, em uma declaração divulgada pouco depois da notícia do suposto acordo, o Ministério da Defesa russo afirmou que não havia “planos” de criar bases militares adicionais no território sírio, mas acrescentou que haverá uma seção de seu “centro de reconciliação” na província de Aleppo perto de Afrin para a prevenção de violações do cessar-fogo. 

O anúncio da YPG irritou a vizinha Turquia. Ancara considera a YPG como uma extensão do Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK), que está promovendo uma insurgência dentro da Turquia visando ganhar maior autonomia. 

O vice-primeiro-ministro turco, Numan Kurtulmus, disse que não aceitaria uma “região de terror”, no norte da Síria e que a estrutura étnica da região deveria ser mantida intacta. 

A Turquia lançou uma ofensiva transfronteiriça ao longo de uma seção da fronteira turco-síria para evitar maiores ganhos pela YPG, que controla as faixas do nordeste da Síria e do bolsão de Afrin, no noroeste da Síria. 

As tropas da Turquia entraram na Síria em agosto do ano passado em esforços para empurrar o Estado Islâmico do Iraque (ISIL) para longe de sua fronteira e para impedir os esforços curdos de conectar seus dois bolsões de controle no norte da Síria. 

A YPG – ou Unidade de Proteção Popular – também está aliado aos Estados Unidos na luta contra o ISIL e está desempenhando um papel importante na ofensiva apoiada pelos Estados Unidos contra a fortaleza urbana do ISIL mais a leste de Raqqa. 

O cordo entrou em vigor hoje”, disse Xelil, recusando-se a dizer quantas tropas russas chegaram a Kafr Jina, o local onde a base está sendo estabelecida. 

Kafr Jina foi previamente bombardeada por forças turcas de toda a fronteira próxima acrescentou Xelil. 

O porta-voz também disse que a YPG pretende expandir sua força de combate em quase dois terços para mais de 100.000 combatentes. 

O grupo tinha cerca de 60 mil combatentes no final de 2016, disse ele, e já formou 10 novos batalhões – cada um composto por 300 combatentes – desde o início deste ano. 

As 10 novas unidades e outros novos batalhões que serão formados este ano serão treinados em todas as formas de combate, armamento e tática, com o objetivo de transformar a YPG em uma força mais organizada que se assemelhe a um exército tradicional, disse Xelil. 

Uma força militar disciplinada e coesa, bem treinada em diferentes táticas de guerra... é a verdadeira garantia para nos defender e afirmar a nossa presença como uma grande nação que merece dignidade”, dizia um folheto da YPG que procura recrutas para os novos batalhões que tem circulado nas regiões predominantemente curdas da Síria, que abriga cerca de dois milhões de curdos. 

Cada combatente receberá um salário mensal de US $ 200, que é de US $ 20 acima do salário máximo atualmente pago aos combatentes da YPG. 

Aaron Stein, membro sênior do Conselho Atlântico, com sede nos Estados Unidos, disse à agência de notícias AFP que a Rússia agora está se associando com os curdos conforme eles se tornam importantes jogadores na Síria. 

Os curdos são agora o ator não-estatal mais consequente na Síria, ao lado da Al-Qaeda... Eles terão muito a dizer sobre o futuro da Síria”, disse Stein. 

“Nenhum problema com o regime”. 

Grupos curdos sírios estabeleceram três administrações autônomas em áreas do norte da Síria dominadas pelo Curdistão, quando o controle do Estado sírio caiu em grande parte do país, criando suas próprias burocracias, além das forças de segurança. 

Funcionários dizem que seus fluxos de receita incluem impostos sobre produtos agrícolas e renda gerada pela venda de petróleo de campos no nordeste da Síria, embora eles dizem que apenas o suficiente é vendido para atender às necessidades locais. 

O comandante da YPG, Sipan Hemo, disse à Reuters na semana passada que a operação para a tempestade Raqqa deve começar no início de abril, e que a YPG vai representar um quarto da força que levará a cidade ao lado de combatentes árabes aliados. O Pentágono disse que nenhuma decisão foi tomada ainda. 

Xelil disse que os novos batalhões não estavam participando da operação para cercar Raqqa. Ele recusou a dizer se o novo programa de treinamento era apoiado por qualquer militar estrangeiro. 

O GPJ e sua afiliada política, o PYD, junto com outros grupos curdos sírios, visam aprofundar sua autonomia através do estabelecimento de um novo sistema de governo federal no norte. Os curdos, sistematicamente perseguidos há anos pelo Estado sírio, dizem que seu objetivo não é a independência. 

Hemo disse que YPG tinha como objetivo “lutar contra o terrorismo” em toda a Síria, enquanto sua prioridade política era “garantir os direitos do povo curdo na Síria legalmente, constitucionalmente”. 

Ele também sinalizou uma prontidão por parte da YPG para chegar a um acordo e longo prazo com o governo sírio, dizendo que “não haverá nenhum problema com o regime” uma vez que os direitos curdos sejam garantidos. 

O presidente sírio, Bashar al-Assad, afirmou sua posição favorável ao modelo federal regional, que os grupos sírios curdos dominantes dizem ser a solução para a guerra síria. Assad prometeu retomar toda a Síria. 

Artigos recomendados: 



Nenhum comentário:

Postar um comentário