17 de mar de 2017

A Austrália pede um pacto sobre o Mar da China Meridional o mais rápido possível



Philstar, 17 de março de 2017. 






MANILA (Reuters) – A Austrália instou as nações do Sudeste Asiático e a China a concluirem o mais cedo possível um código de conduta juridicamente vinculativo no Mar da China Meridional, expressando preocupações nesta quinta-feira sobre a escala de reivindicações e construções da China no território disputado. 

A ministra australiana das Relações Exteriores, Julie Bishop, falando em Manila, pediu aos 10 membros da Associação das Nações do Sudeste Asiático e a China para irem além das discussões em andamento e elaborarem um quadro de código de conduta e concluir rapidamente um pacto regional de não agressão. 


Acreditamos que a ASEAN deve ser dirigida por um código de conduta exequível”, disse Bishop ao fórum do Instituto de Estudos Estratégicos e Internacionais da ADR. “Eu exortaria a ASEAN sob a liderança das Filipinas a ir mais longe e a concluir um código de conduta o mais rápido possível.”. 

O secretário das Relações Exteriores filipino em exercício, Enrique Manalo, disse em uma conferência de imprensa separada que diplomatas dos estados-membros da ASEAN e da China estavam progredindo nos esforços para elaborar um quadro do código, embora ele se recusasse a fornecer detalhes. 

As negociações para um código de conduta mais forte na região disputada arrastam-se por anos com a China sendo culpada pela obstrução enquanto estava tranquilamente transformando sete recifes disputados em ilhas nos últimos anos, [militarizando-as]

Os críticos das ações assertivas da China dizem que Pequim pode estar dando uma pequena concessão, concordando em completar um quadro do código, porque completou suas atuais obras de construção de ilhas. Os laços com as Filipinas, que outrora congelados com a China, também foram restabelecidos com o presidente Rodrigo Duterte, que buscou investimentos e ajuda dos chineses, ao mesmo tempo em que deixou de lado as disputas territoriais com Pequim. 

Duterte assume a presidência rotativa da ASEAN este ano e vai sediar suas cimeiras anuais e de seus chefes de estado com outros líderes asiáticos e ocidentais. 

Bishop disse que um código de conduta executável poderia ser baseado nas recomendações feitas pelo tribunal de arbitragem de Haia no ano passado, quando se pronunciou sobre um caso apresentado pelas Filipinas contra a China. 

O tribunal invalidou as extensas reivindicações territoriais da China no Mar da China Meridional e determinou que a China violou os direitos dos filipinos de pescar no banco de areia Scarborough, que fica ao largo do noroeste das Filipinas. Pequim havia se apoderado de Scarborough em 2012 depois de um perigoso confronto com os navios filipinos. 

A China, desde então, permitiu que os pescadores filipinos retornassem, mas não reconheceu a decisão do tribunal como válida e insiste que tem reivindicações históricas para quase todo o Mar da China Meridional. 

A Austrália se opõe à escala de retomada e reconstrução que ocorreu e certamente não apoiamos a militarização por qualquer uma das partes, das ilhas e outras características no Mar da China Meridional, porque isso aumentaria as tensões, e levaria a perspectiva de conflito”, disse Bishop, referindo-se a relatos de que a China instalou um sistema de defesa antimísseis em suas ilhas artificiais. 

Uma ordem internacional baseada em regras é fundamental para a prosperidade e estabilidade dos países da região e “todos devemos defender sua preservação e estar preparados para defendê-la, até mesmo lutar por ela, se isso for necessário”, disse Bishop. 

A Austrália apoia a liderança americana para preservar essa ordem regional e salvaguardar a paz internacional, mas também está comprometida com uma força de defesa australiana forte para defender os seus próprios interesses de segurança, disse ela. 

A Austrália gastará US $ 195 bilhões na próxima década para melhorar a sua capacidade militar e de inteligência, disse ela. 

Artigos recomendados: 



Nenhum comentário:

Postar um comentário