19 de mar de 2017

A administração Trump fará grandes vendas de armas novas a Taiwan




Reuters, 17 de março de 2017. 






A administração Trump está elaborando um novo pacote de armas para Taiwan que poderia incluir sistemas avançados de foguetes e mísseis anti-navio para defender-se contra a China, disseram as autoridades norte-americanas. 

O pacote deverá ser significativamente maior do que um que foi arquivado no final do governo Obama, disseram os oficiais à Reuters na véspera de uma visita a Pequim pelo secretário de Estado dos Estados Unidos, Rex Tillerson. 

O desejo político é fazer uma venda substancial”, disse um funcionário do governo, acrescentando que as deliberações intensas começaram em um acordo “que é muito mais forte, muito mais significativo do que aquele que não foi aceito pelo pessoal do Obama”. 


O governo do presidente Donald Trump está ansioso para prosseguir com as vendas, mas espera-se que levem meses e possivelmente no próximo ano para a Casa Branca superar obstáculos, incluindo a preocupação de que as sensibilidades de Pequim sobre Taiwan possam dificultar a cooperação em prioridades como a corrida armamentista da Coreia do Norte, disse o funcionário. 

A conclusão de um pacote também pode der retardada pelo ritmo lento com que o governo Trump está ocupando os postos de segurança nacional, disseram as autoridades, em condição de anonimato, porque o trabalho inicial para novas vendas de armas não foi divulgado. 

As discussões entre Taiwan e a nova administração já começaram, de acordo com uma pessoa em Taipei familiarizada com o assunto. 

A Casa Branca se recusou a comentar. 

Detalhes sobre a abordagem da administração a Taiwan surgiram conforme Tillerson foi visitar a China neste fim de semana, onde ele vai procurar mais apoio chinês sobre a Coreia do Norte firmar uma primeira reunião entre Trump e o presidente chinês Xi Jinping esperado para o próximo mês. 

Em dezembro, o governo do ex-presidente Barack Obama colocou os freios em um acordo com Taiwan em discussão. Esse pacote valeu US $ 1 bilhão, informou o jornal Free Beacon de Washington nesta semana, citando funcionários não identificados, que também foram citados como dizendo que o governo Trump agora estava preparando novas vendas. 

Ned Price, um porta-voz do Conselho de Segurança Nacional sob Obama, disse que o governo anterior propôs um pacote de armas “relativamente modesto” para Taiwan, em parte para deixar a nova administração tomar a decisão. 

A fonte da administração de Trump disse a Reuters que os negócios novos sob a consideração provavelmente estariam sobre a marca de um bilhão de dólares. 

A nova administração planeja focar mais do que a anterior no aprimoramento das capacidades “assimétricas” de Taiwan, possivelmente com sistemas que permitiriam às forças armadas de Taiwan defenderem-se contra uma força chinesa muito maior num eventual ataque, disse a autoridade norte-americana. 

Lockheed Martin Corp (LMT.N) é o principal fabricante dos Estados Unidos de sistemas de foguetes de lançamento múltiplo. Outras empresas estrangeiras envolvidas no setor são a alemã Diehl e a britânica Bae Systems (BAES.L). 

A venda de armas de US $ 1,83 bilhão para Taiwan que Obama anunciou em dezembro de 2015, para consternação da China, inclui duas fragatas da Marinha, além de mísseis anti-tanque e veículos de ataque anfíbio. 

Os Estados Unidos deram o reconhecimento diplomático de Taiwan a China em 1979, reconhecendo Taiwan como parte de “uma única China”. Mas sucessivas administrações continuaram a fornecer bilhões de dólares em armas como parte de uma exigência obrigatória para garantir que a ilha possa se defender. 

Taiwan já foi um importante ponto de disputa entre Trump e a China, que considera a ilha uma província renegada. 

Como presidente eleito, Trump rompeu com o protocolo e aceitou um telefonema congratulatório da presidente taiwanesa, Tsai Ing-wen, em dezembro, irritando a China. Ele então sugeriu que poderia abandonar a política de “uma única China” de Washington, que aceita a ilha autogovernada como parte da China. Uma vez no cargo, Trump reafirmou o compromisso dos Estados Unidos com a política de décadas. 

A Casa Branca está consciente de que as tensões podem aumentar novamente com as vendas de armas novas. Mas alguns assessores de Trump insistem que são necessários para deixar claro que os Estados Unidos, único fornecedor de armas de Taiwan, estão comprometidos em melhorar as defesas da ilha. 

Artigos recomendados: 



Nenhum comentário:

Postar um comentário