22 de fev de 2017

Um bombista suicida britânico no Iraque ganhou uma compensação pela sua estadia em Guantánamo

A foto mostra o terrorista Britani sorridente dentro dum carro com fios


Reuters, 22 de fevereiro de 2017. 







Um bombista suicida do Estado Islâmico da Grã-Bretanha que se explodiu em um ataque às forças iraquianas, recebeu nesta semana uma indenização por sua detenção na prisão militar de Guantánamo, disseram as fontes de segurança ocidentais nesta quarta-feira. 

Os militares islâmicos [do Iraque] disseram que Abu-Zakariya al-Britani, um cidadão britânico que originalmente foi conhecido como Ronald Fiddler e depois mudou seu nome para Jamal Udeen al-Harith, detonou um carro-bomba em uma base do exército iraquiano no sudoeste de Mosul. 

Os militares também publicaram uma fotografia do bombista sorridente cercado por fios no assento do que parecia ser um carro em que ele se explodiu. 


As declarações do Estado Islâmico não puderam ser verificadas independentemente pela Reuters, mas três fontes de segurança ocidentais disseram que era altamente provável que Britani fosse o bombista que agora está morto. 

Originalmente da cidade inglesa do norte de Manchester, converteu-se ao Islã em seus 20 anos. Ele foi detido no Afeganistão pelas forças especiais dos Estados Unidos e levado para Guantánamo em 2002. 

Britani foi libertado em 2004 depois que o governo do então primeiro-ministro Tony Blair fez lobby pela sua libertação, e depois que viajou para a Síria para lutar junto com o Estado Islâmico. 

Um porta-voz da primeira-ministra Theresa May disse nesta quarta-feira que o governo não conseguiu verificar a identidade. “Não há nenhuma confirmação independente da identidade desse homem que se acredita estar morto em Mosul”, disse ele aos repórteres. 

Perguntado se ele acreditava que Britani se mudou da Síria, ele disse: “Eu não vou comentar sobre assuntos de inteligência”. Ele também disse que o conflito na Síria significava que era impossível verificar os eventos ali. 

A Grã-Bretanha chegou a um acordo civil de danos por prisioneiros britânicos da Bahia de Guantánamo em 2010, o então secretário da Justiça Kenneth Clarke disse ao parlamento na época, mas ele não divulgou o tamanho dos pagamentos, citando acordos de confidencialidade. 

O Daily Mail informou que Britani havia recebido US $ 1,25 milhões pelo governo britânico depois de alegar que os agentes britânicos sabiam ou eram cúmplices em seu suposto mau-trato. O porta-voz de May se recusou a comentar os detalhes de quaisquer pagamentos ou se o governo estava monitorando Britani. 

A família de Britani, em um comunicado à BBC, disse que o seu filho não recebeu um milhão de libras em compensação e que eles acreditavam que o acordo era sobre um grupo, o que incluía os custos de outros presos também. 

Em uma declaração postada por seu escritório no Twitter, Blair disse que o jornal D-Mail liderou uma campanha pressionando pela libertação de prisioneiros de Guantánamo, e que foi apoiado por legisladores dos conservadores de May

O fato é que, esta, sempre foi uma situação difícil onde qualquer governo teria que equilibrar a preocupação adequada com as liberdades civis com o desejo de proteger a nossa segurança, e é provável que sejamos atacados por qualquer curso que tomamos”, disse ele. 

Artigos recomendados: 



Nenhum comentário:

Postar um comentário