20 de fev de 2017

Espanha – mais de 350 imigrantes muçulmanos ilegais conseguem forçar passagem através da fronteira espanhola

Imigrantes muçulmanos celebrando a frouxidão do governo espanhol



The Local Es, 20 de fevereiro de 2017. 



Mais de 350 imigrantes invadiram a fronteira entre o Marrocos e a Espanha em Ceuta na segunda-feira, disseram as autoridades, dias depois de uma das maiores invasões chegar ao longo da fronteira em mais de uma década. 

Os jovens [invasores] imigrantes forçaram o seu caminho através do alto muro da fronteira no território espanhol da África do Norte, em êxtase, por terem finalmente cruzado para um estado [servil] da União Europeia. 

Alguns beijaram o chão e outros gritaram “Thank you lord”, [Obrigado Alá], e “Viva a España”, embora vários tivessem mãos e pés ensanguentados, bem como roupas rasgadas depois de passarem pela cerca. 


Ceuta e Melilla, também um território espanhol no Norte da África, têm as únicas fronteiras terrestres da União Europeia com a África, assim como pontos de entrada para os imigrantes que escalam as cercas da fronteira, e nadam ao longo da costa ou escondem-se nos veículos. 

356 conseguiram entrar de um total de cerca de 700, que tentou entrar”, disse um porta-voz da autoridade local. “Eles entraram depois de quebrar os portões de acesso com tesouras e martelos”. 

A chegada deles ocorreu apenas alguns dias depois que cerca de 500 imigrantes chegaram à fronteira na sexta-feira, uma das maiores entradas desde que a barreira da fronteira foi reforçada em 2005. 

Isto também ocorre em meio a uma disputa entre o Marrocos e a União Europeia sobre a interpretação de um negócio de livre comércio e um acordo de pesca. 

Em uma decisão de 2016, um tribunal da União Europeia disse que o acordo não se aplica ao Saara Ocidental, uma antiga colônia espanhola controlada por Rabat, onde a Frente Polisario está lutando pela independência. 

O tribunal disse que isso ocorreu porque o status do território disputado permaneceu obscuro de acordo com a comunidade internacional. 

O bloco de 28 países não o reconheceu como sendo parte do Marrocos. 

A decisão abriu o caminho para a Frente Polisario e os seus apoiantes para contestar o comércio de produtos do Saara Ocidental, o Marrocos e os 28 Estados da União Europeia. 

A decisão irritou o Marrocos, que em 07 de fevereiro sugeriu que isso poderia levar a “um novo fluxo de imigração” para a Europa que colocaria o continente “em risco”. 

A última dessas tentativas maciças ocorreu no dia de Ano Novo, quando mais de 1.000 imigrantes [ilegais] tentaram saltar uma cerca dupla entre o Marrocos e Ceuta numa violenta investida que viu um oficial perder um olho. 

O enclave foi cercado por uma cerca de fio com oito quilômetros de comprimento. A cerca de seis metros de altura também tem rolos de arame farpado. Os jovens imigrantes [ilegais] subiram sobre a cerca da fronteira alta para passar para o território espanhol norte-africano, em êxtase por finalmente terem cruzado para um estado [subserviente] da União Europeia. 

Artigos recomendados: 



Nenhum comentário:

Postar um comentário