1 de jan de 2017

Putin promove o homem forte da Líbia como o seu novo aliado após sua vitória na Síria

Khalifa Haftar no ministério das Relações Exteriores da Rússia.



Bloomberg, 21 de dezembro de 2016. 




Por Henry Meyer, Caroline Alexander e Ghaith Shennib



Vazio com o sucesso no apoio ao seu aliado na Síria, Vladimir Putin tem uma nova ambição: apoiar outro, desta vez na Líbia. O esforço está começando a minar o governo apoiado pela ONU lá. 

O governo do presidente russo Putin está fazendo amizade com um poderoso líder militar líbio, Khalifa Haftar, que agora controla mais territórios do que qualquer outra facção no tumultuado e rico em petróleo estado norte-africano. Em duas visitas a Moscou no último semestre, Haftar encontrou-se com os ministros da Defesa e das Relações Exteriores, além do chefe da segurança nacional, para buscar apoio. Um aliado top, que também fez uma visita semana passada, a quem Rússia está fornecendo fundos e conhecimentos militares para a base de Haftar no leste. 

Quanto mais esperamos, mais provável será que Haftar vença” disse Riccardo Fabiani, analista sênior do Oriente Médio e do Norte da África do Grupo Eurásia em Londres. “Está claro que ele está recebendo apoio militar, financeiro e diplomático”. 

Ao apoiar Haftar em seu impasse com o governo do primeiro-ministro Fayez al-Serraj no oeste, a Rússia poderia reforçar o seu papel na região e obter bilhões de dólares da Líbia em armas e outros contratos. Ao mesmo tempo, ela também corre o risco de inflamar mais conflitos no país dividido, onde as forças leais ao Haftar, bem como grupos armados rivais, são acusados pela ONU de abusos dos direitos humanos, incluindo torturas e execuções extrajudiciais. 

Outros jogadores chave também apoiam Haftar, embora tenha oposição de outras poderosas milícias principalmente na Líbia central e ocidental, onde cerca 70% da população vive. Entre os seus aliados: Emirados Árabes Unidos e Egito, cujo ex-presidente do exército, Abdel-Fattah El-Sisi, tem relações estreitas com o Kremlin. Putin marcou a campanha militar liderada pela OTAN que derrubou o ditador líbio Muammar Kadafi como uma “cruzada”. 



A Rússia perdeu pelo menos US $ 4 bilhões em acordo de armas e bilhões de dólares em contratos de energia e transporte depois que Kadafi foi deposto e morto, de acordo com autoridades do governo e das empresas estatais. 

Os Estados Unidos e a União Europeia apoiam o governo endossado e encabeçado pela ONU na Líbia. O porta-voz do Departamento de Estado, John Kirby, em 29 de novembro pediu a Haftar e as suas forças para se submeterem ao “comando civil” das autoridades de Trípoli. 

A estratégia de Putin poderia pavimentar uma nova parceria com o presidente eleito Donald Trump, caso Moscou e Washington se alinhem em apoiar a autoproclamada luta de Haftar contra grupos islâmicos radicais, de acordo com Mattia Toalda, colega de política do Conselho Europeu de Relações Exteriores. Trump tem estado muito entusiasmado com El-Sisi do Egito e sua proclamada guerra contra o terror. 

Haftar, de 73 anos, um aliado de Kadafi, recebeu treinamento militar na União Soviética na década de 1970. Ele fala bem o russo, de acordo com relatos da mídia em Moscou. Ele também viveu por duas décadas nos Estados Unidos depois da queda do líder líbio, trabalhando com a CIA, e mantendo contato com as forças anti-Kadafi, de acordo com o Canal Al Arabiya, de propriedade da Arábia Saudita. 

Depois de retornar do exílio para lutar com os rebeldes durante a revolução de 2011, Haftar criou sua própria base de poder. Ele anunciou uma campanha para assumir o controle da maior parte da cidade estratégica de Benghazi em 2014, e em setembro deste ano apreendeu a maior parte das instalações de petróleo do leste. 

Você tem que trabalhar com a realidade – a chave aqui é a força militar e o controle do petróleo”, disse Rafael Enikeev, chefe de estudos do Oriente Médio em um grupo consultivo do Kremlin administrado por um ex-general do Serviço de Inteligência Estrangeira. “Em tais condições, Haftar pode ditar os termos para Trípoli.”. 

Resistência contínua. 

Ainda assim, é improvável que a resistência a Haftar no oeste da Líbia desmorone, aumentando a perspectiva de violência contínua no detentor das maiores reservas de petróleo da África. As forças armadas do Ocidente apoiadas pelos ataques aéreos dos Estados Unidos neste mês derrubaram o Estado Islâmico de sua última fortaleza principal fora da Síria e do Iraque depois de uma batalha de sete meses em que as forças de Haftar não participaram. 

A Rússia tem usado sua intervenção militar na Síria para reforçar o poder do presidente Bashar al-Assad contra os rebeldes apoiados pelos Estados Unidos e seus aliados, e contra grupos terroristas. Este mês, as forças do governo apoiadas pelos russos retomaram o controle completo da cidade de Aleppo, a anteriormente capital comercial, no principal revés militar da oposição na guerra civil de quase seis anos.  

Enquanto as resoluções da ONU permitem que apenas o governo de unidade possa exportar petróleo e receber armas, a Rússia tem laços amistosos com o Egito, que está provavelmente enviando armas para Haftar e seu Exército Nacional da Líbia, de acordo com Oleg Buleav, um especialista do Instituto de Estudos Orientais da Academia Russa de Ciências. El-Sisi pediu em maio para que os militares de Haftar fossem autorizados a importar armas, informou o Egypt Daily News. 

Imprimindo dinheiro. 

Além disso, a Rússia imprimiu 4 bilhões de dinares líbios (US $ 2,8 bilhões) em contrato para o banco central da Líbia – e transferiu para uma cidade do leste que é leal ao chefe militar. O dinheiro está sendo usado em todo o país, exceto em Trípoli e na região ocidental de Misrata, um viveiro de sentimento anti-Haftar.  

De outras maneiras, a Rússia também está ajudando nos esforços de Haftar para ganhar a mão sobre o Governo de Coalizão Nacional, criado em dezembro de 2015, sua influência não se estende muito além da capital. O ministro russo dos Negócios Estrangeiros Sergei Lavrov, em Moscou, disse em 02 de dezembro, e em Roma, depois de ter se encontrado com o seu homólogo italiano, que Haftar “pode e deve fazer parte dos acordos nacionais”. 

Um partidário do Haftar, Ali El-Tekbali, membro do comitê de defesa da assembleia do leste, disse que se o impasse continuar, “o envolvimento da Rússia será inevitável e será em apoio ao legítimo exército líbio que vai restaurar a estabilidade.

Escala de Conflitos. 

Isso não garante que Putin obterá o resultado desejado, de acordo com um relatório deste mês pelo Carnegie Endownment for International Peace. “O apoio da Rússia a Khalifa Haftar em nome da luta contra o terrorismo poderia, em vez disso, aumentar a o conflito da Líbia e minar o processo político patrocinado pela ONU”.  

Até agora, Haftar permitiu que o petróleo flua dos campos e portos, e controla as receitas que vão para o banco central de Trípoli. Quarta-feira, a Líbia reabriu dois dos seus maiores grupos de petróleo no oeste e começou a carregar a sua primeira carga bruta em dois anos a partir desses campos. Mas a economia do país desmoronou em meio ao impasse político continuado. 

Um possível resultado da pressão: o primeiro-ministro líbio poderia aceitar um acordo no qual Haftar reconheceria formalmente o governo de Serraj em troca de obter o comando completo das forças armadas líbias e tornar-se o governante de fato do país, disse Karim Mezran, do Conselho Atlântico do Centro Rafik Hariri para o Oriente Médio. 

Esse tipo de “militarização” não é a solução, disse Ahmed Maiteeq, vice-primeiro-ministro em Trípoli. 

O ponto de vista da Rússia é que as pessoas como Assad e Haftar na Síria são “líderes autoritários de países que não são democratas liberais e [eles] não são susceptíveis de introduzir a democracia em seus países, mas podem trazer ordem e, portanto, deveríamos apoia-los”, disse Andrey Kortunov, do Grupo de Investigação em matéria de política externa criado pelo Kremlin. 

Artigos recomendados: 


Nenhum comentário:

Postar um comentário