25 de jan de 2017

Mulheres suecas “aterrorizadas com ataques sexuais” conforme imigrantes transformam centros comerciais em zonas de exclusão




Express UK, 24-25 de janeiro de 2017. 






As mulheres que trabalham no maior centro comercial da Suécia vivem em constante medo de agressões verbais e sexuais, já que gangues de jovens migrantes transformaram a área em uma “zona proibida”. 

No início deste mês a polícia de Gotemburgo admitiu que o centro comercial Nordstan foi mergulhado no caos sem lei conforme jovens imigrantes intimidam a polícia e molestam as meninas e usam drogas abertamente. 

Como o centro comercial tornou-se um polo centra para jovens se encontrarem, as autoridades foram forçadas a implementar medidas extraordinárias para lidar com o aumento do número de incidentes. 


No entanto, as trabalhadoras do Nordestan têm vindo dizer que elas estão vivendo sob constante medo por causa das gangues de jovens imigrantes que aparecem rotineiramente após as lojas fecharem às 20:00. 

Emma é uma das empregadas que foi exposta aos bandidos, e aos 24 anos de idade, disse que é frequentemente abusada verbalmente enquanto está trabalhando. 

Descrevendo como as gangues de jovens que descem nas lojas durante as noites são difíceis de lidar, Emma disse ao Expressen: “É assédio sexual. Disseram-me que gostariam de fazer isso e aquilo comigo. Dizem que sou atraente e me perguntam quando vou sair do trabalho.”. 

Apesar de dizer que é uma ocorrência regular, a jovem disse que não informou à polícia porque isso não mudaria nada. 

Ela disse que está considerando pagar para poder escapar dos jovens abusivos. “Adoro o meu trabalho e as pessoas com quem trabalho, mas ninguém deveria sentir-se inseguro no trabalho”, disse ela. 

Linnea Lorentsson, também empregada no Nordstan, partilha da opinião de Emma, de que o centro comercial, que é o maior da Suécia em termos de vendas e número de visitantes, não é mais seguro. 

Falando sobre como as mulheres são regulamente seguidas e atacadas pelas gangues de imigrantes, ela disse: “É assustador. Eu nunca iria para Nordestan em meu tempo livre. Por que você iria para um lugar em que você não se sente seguro? As meninas têm que suportar muito mais aqui, as pessoas gritam atrás de você, você é visado... E às vezes seguem você”. 

A porta-voz da polícia Ulla Brehm disse que as mulheres que trabalham nas lojas em Nordstan foram expostas particularmente ao comportamento cruel porque não conseguem escapar de situações aterrorizantes. 

As mulheres que estão trabalhando nas lojas estão especialmente expostas porque não podem optar por sair”, disse a porta-voz. 

Elas têm que ficar lá e ouvir, ao mesmo tempo, há muitas mulheres que ficam expostas quando saem do trabalho em Nordstan ou no bonde”. 

Brehm acrescentou: “Sei que é um grande problema para as mulheres que estão cercadas por esses meninos ou homens em Nordstan, é terrível e é um ato criminoso”. 

Outros incidentes no centro comercial, que está localizado no sudeste da Suécia, incluem um adolescente que foi assaltado enquanto uma garrafa de vidro quebrada era apontada para a sua garganta, um lojista sendo ameaçado depois que ele tentou parar bandidos de roubar, e uma adolescente supostamente sendo esfaqueada no pescoço

Rikard Sorensen, um dos chefes da equipe da polícia da cidade, condenou a situação quando ele fez uma investigação clara da política de imigração do país liberal, já que muitos dos jovens estrangeiros causando problemas não tinham identificação.  

Eu tive pessoas na minha frente que parecem ter 35 anos, mas que dizem ter 15 anos. Não posso provar que estão mentindo, então temos que liberá-las”, disse Sorensen. 

A admissão de que Nordstan tornou-se um ponto de acesso sem lei surge conforme a polícia sueca no ano passado emitiu um relatório onde estes incidentes são detalhados em mais de 55 áreas que são marcadas como “zonas proibidas”. 

Artigos recomendados: 



Nenhum comentário:

Postar um comentário