24 de jan de 2017

A China diz que protegerá a soberania do Mar do Sul da China




Reuters UK, 24 de janeiro de 2017. 






A China disse nessa terça-feira ter soberania “inalienável” sobre as ilhas disputadas no Mar da China Meridional depois que a Casa Branca prometeu defender “territórios internacionais” na hidrovia estratégica. 

O porta-voz da Casa Branca, Sean Spicer, em seus comentários na segunda-feira, sinalizou uma forte mudança em relação aos anos de movimentos cautelosos norte-americanos na busca assertiva da China por reivindicações territoriais na Ásia. 

"Os EUA vão se certificar de que protegemos nossos interesses lá", disse Spicer quando perguntado se Trump concordava com comentários de seu secretário de Estado, Rex Tillerson. Em 11 de janeiro, Tillerson disse que a China não deveria ter acesso às ilhas que construiu no disputado Mar da China Meridional. 

“É uma questão de que essas ilhas estão de fato em águas internacionais e não fazem parte da China propriamente dita, então sim, vamos nos certificar de que defendemos os territórios internacionais de serem tomados por um país”, disse Spicer. 

A porta-voz do Ministério das Relações Exteriores chinês, Hua Chunying, disse em uma entrevista coletiva nessa terça-feira que “os Estados Unidos não são parte da disputa do Mar do Sul da China”. 

A China reivindica a maior parte do Mar da China Meridional, enquanto Taiwan, Malásia, Vietnã, Filipinas e Brunei reivindicam partes do mar que comandam sealanes estratégicos e tem pesqueiros ricos junto com depósitos de petróleo e gás. 

A soberania da China sobre as ilhas Spratly no Mar da China Meridional é “inalienável”, disse Hua. Mas a China também se dedicou a proteger a liberdade de navegação e quer conversações com as nações diretamente envolvidas para encontrar uma solução pacífica. 

Nós instamos os Estados Unidos a respeitar os fatos, a falar e agir com cautela para evitar prejudicar a paz e a estabilidade do Mar da China Meridional”, disse Hua. 

Nossas ações no Mar da China Meridional são razoáveis e justas. Não importa as mudanças que acontecem em outros países, o que eles dizem ou o que eles querem fazer, a determinação da China para proteger a sua soberania e direitos marítimos no Mar da China Meridional não vai mudar”, ela acrescentou. 

Acesso barrado às ilhas. 

As declarações de Tillerson na audiência de confirmação do Senado levaram os meios estatais chineses a dizer na época que os Estados Unidos precisariam “travar uma guerra” para barrar o acesso da China às ilhas, onde construíram tiras aéreas de uso militar e instalaram sistemas de armas. 

Tillerson foi perguntado na audiência se ele apoiava uma postura mais agressiva em relação à China e disse: “Vamos ter que enviar à China um sinal claro de que, primeiro, a construção de ilhas deve parar e, segundo, seu acesso a essas ilhas também. Não vai mais ser permitido”. 

O ex-presidente e executivo-chefe da Exxon Mobil Corp não explicou o que poderia ser feito para negar o acesso da China às ilhas. 

Mas analistas disseram que os seus comentários, como os de Spicer, sugerem a possibilidade de uma ação militar dos Estados Unidos, ou mesmo um bloqueio naval. Tal ação arriscaria um confronto armado com a China, uma potência militar cada vez mais formidável com armas nucleares. E também a segunda maior economia do mundo e o alvo das acusações de Trump de que rouba empregos americanos. 

Spicer se recusou a falar quando perguntado como os Estados Unidos deveriam fazer cumprir tal medida contra a China, exceto para dizer: “Acho que, à medida que nos desenvolvemos, teremos mais informações sobre isso”. 

Tillerson estreitamente ganhou a aprovação de um comitê do Senado na segunda-feira e espera-se que ganhe a confirmação no Senado cheio. 

Risco de escala de conflitos.

Especialistas militares disseram que, embora a Marinha dos Estados Unidos possua amplas capacidades na Ásia para realizar operações de bloqueio como de navios, submarinos e aviões, qualquer iniciativa contra as frotas navais chinesas corria o risco de uma escalada perigosa. 

Os assessores disseram que Trump planeja um grande acúmulo naval no Leste Asiático para contrariar a ascensão da China. 

O Ministério das Relações Exteriores da China disse no início deste mês que não poderia adivinhar o que Tillerson queria dizer com as suas declarações, que foram feitas depois que Trump questionou a política de “uma única China” de longa data e altamente sensível de Washington sobre Taiwan. 

Mira Rep-Hooper, especialista em Mar do Sul da China, no Centro para uma Nova Segurança Americana, chamou as ameaças de barrar o acesso da China ao Mar da China Meridional de “incrível” e disse que não tinha base no direito internacional. 

Um bloqueio – o que seria necessário para impedir o acesso – é um ato de guerra”, acrescentou. 

A administração Trump começou a traçar linhas vermelhas na Ásia, que quase certamente não serão capazes de se sustentar, mas podem, no entanto, ser muito desestabilizadoras para o relacionamento com a China, convidar crises e convencer o resto do mundo de que os Estados Unidos é um parceiro pouco confiável”. 

Bonnie Glaser, do Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais, chamou a atenção de Spicer de “preocupante” e disse que o novo governo estava “enviando mensagens confusas e conflitantes”. 

Dean Cheng, especialista da China na conservadora Heritage Foundation, disse que as observações de Spicer mostraram que o Mar da China era uma questão importante para o governo Trump. 

Ele disse que era significativo que nem Spicer nem Tillerson tivessem sido específicos sobre quais ações seriam tomadas e isso deixou em aberto a possiblidade de que as medidas econômicas – em vez de ações militares – poderiam ser usadas contra a China e empresas que realizam a construção das ilhas. 

Artigos recomendados: 


Nenhum comentário:

Postar um comentário