23 de dez de 2016

Pediatras condenam a National Geographic por expor uma criança “trans” de 9 anos na capa de janeiro





LifeSiteNews, 23 de dezembro de 2016. 



Por Sadé Patterson



23 de dezembro de 2016 (LifeSiteNews) – Uma associação de pediatras condenou a National Geographic por sua decisão de colocar uma criança de 9 anos de idade que se identifica como transgênero na capa de sua edição de janeiro. 

A National Geographic vai destacar a “revolução de gênero” na sua edição de janeiro de 2017, com Avery Jackson, uma criança de 9 anos, a primeira aparição de uma pessoa trans na capa da publicação. 

Avery é citado na capa como dizendo: “A melhor coisa sobre ser uma menina é que agora eu não tenho que fingir ser um menino.”

Michele Cretella, MD, presidente do Colégio Americano de Pediatras, disse à LifeSiteNews que a National Geographic está “promovendo uma agenda política [esquerdista] sobre a ciência e o bem-estar das crianças inocentes” apresentando uma jovem transgênero. 

Apoiar as chamadas crianças transgêneras significa esteriliza-las tão jovem quanto 11 anos de idade”, disse a doutora Cretella. “Bloqueadores de puberdade mais hormonas sexuais causam esterilidade permanente. E as meninas biológicas que 'transitam' para o sexo masculino por tomar testosterona podem ter uma mastectómica dupla aos 16 anos. O uso do tempo de vida de hormônios sexuais também coloca essas crianças em risco de acidente vascular cerebral, doenças cardíacas, diabetes, cânceres e muito mais." 

Desde que a criança começou a se identificar como uma menina na idade de três anos, os pais de Avery permaneceram apoiadores ávidos. A mãe de Avery, Debbie Jackson, descreve os sentimentos de confusão e dúvida de seu pai e do pai de Avery no início do processo em uma declaração de vídeo: “Até esse ponto, ela era apenas um pequeno garotinho áspero com um colar de dente de tubarão. Mas quando tinha três anos, perguntou ao seu pai e eu, se podíamos comprar um vestido de princesa.” 

Jackson explica porque a princípio não compraram um vestido para Avery, primeiro porque pensaram que era apenas uma fase, mas quando descobriram que o seu filho estava vestindo o seu vestido favorito na creche eles rapidamente compraram-lhe um vestido de princesa. De acordo com Jackson, Avery usava esse vestido a todo instante enquanto estava em casa e, eventualmente, pediu mais: vestidos, camisolas, faixas e sapatos brilhantes, mas abdicou da linha de roupas intimas de menina. 

Cretella acredita que é ao mesmo tempo antiético e prejudicial para os pais tomar tais decisões sobre o gênero de seus filhos, porque eles provavelmente vão crescer fora de sua disforia de gênero. “Quando uma criança com menos de 12 anos pensa que é do sexo oposto e está naturalmente passando pela puberdade, 75% a 95% do tempo a criança vai aceitar o seu sexo biológico até os últimos anos da adolescência." 

Depois de se encontrar com um psicólogo e endocrinologista, e ser descartando quaisquer problemas médicos ocultos, Avery foi autorizado a ir para a escola vestido de menina. Jackson e sua família perderam amigos e familiares e ficaram “escondidos” por um ano, enquanto Avery “deixava crescer o seu cabelo para se parecer com a garota que ela é”, explica Jackson. Quando a família reapareceu, “foi com uma filha muito feliz e confiante”. 

Embora a National Geographic já tivesse coberto a questão transgênero antes, este é, de longe, o mais polêmico caso até hoje. 

Cretella argumenta que o apoio público ao “transgenderismo” em crianças equivale a “abuso infantil”. “Quando instituições acadêmicas, médicas e outras instituições públicas propagam o uso durante toda a vida de hormônios tóxicos e a remoção cirúrgica de partes saudáveis do corpo como se fossem cuidados de saúde para crianças, o abuso infantil é então institucionalizado”, disse ela.  

Artigos recomendados: 



Nenhum comentário:

Postar um comentário