23 de dez de 2016

Conspiração terrorista frustrada em Melbourne, Austrália – E os votos de boas festas politicamente correto do governo

 Prólogo. 

Terrorismo na Austrália e a teimosia politicamente correta do governo australiano. 

O governo australiano está se gabando dessa recente operação bem-sucedida da polícia e dos serviços de segurança, no entanto, o próprio governo se contradiz, e o seu porta-voz avisa que o veneno que originou o problema que requereu essa grande operação continuará sendo aplicado na Austrália, ou seja: o governo quer manter o Multiculturalismo como política oficial, e semear a "diversidade". Daniel Andrews segue o padrão dos líderes europeus e ignora e mente sobre a natureza de tais planos terroristas, e da Jihad, inocentando o Islã como sendo a ideologia propulsora por trás do intento dos atentados que buscavam pôr em prática tais muçulmanos. Essa negação pode acabar custando muito caro para os australianos, visto que o seu país também é governado por políticos de "braços abertos" as hordas de refugiados indocumentados. Até mesmo o chefe de polícia Ashton entrou no espírito [de porco] dos premiês australianos, provando que nem na polícia dá para confiar plenamente; apesar do seu bom trabalho nesse caso. Os australianos precisam rejeitar imediatamente os valores impostos sob os quais estão, pois, esses valores, são a forca da esquerda, pela qual os muçulmanos farão bom proveito puxando a corda os vendo morrer de asfixia




MailOnline, 22 de dezembro de 2016.


Por Belinda Grant Geary


A polícia fortemente armada frustrou um plano terrorista inspirado no Estado Islâmico para atacar vários locais no CBD de Melbourne no dia de Natal, após várias operações em toda a cidade.
 A Força-Tarefa Conjunta de Combate ao Terrorismo de Victória prendeu sete pessoas depois de executar cinco operações de busca em casas no norte e oeste de Melbourne, incluindo em Flemington, Meadow Heights, Dallas, Campbellfield e Gladstone Park, na quinta e na sexta-feira.
Quatro australianos, com idade entre 21 e 26 anos, e um homem nascido no Egito ainda estão sob custódia policial e devem ser acusados pelo suposto envolvimento na preparação para cometer um atentado terrorista no dia do Natal.

As cinco pessoas eram conhecidas pela polícia e estavam sob vigilância policial por cerca de duas semanas, com a polícia alegando que pretendiam se dirigir à Federation Square, à estação ferroviária Flinders Street e à Catedral de São Paulo com bombas, facas e armas.


O chefe da polícia, Graham Ashton, disse acreditar que a ameaça terrorista ‘multifacetada’ tenha sido neutralizada após as incursões coordenadas de contraterrorismo.

O ataque tinha o potencial de causar danos significativos à comunidade”, disse ele.

A comunidade deve estar preocupada, mas deve ter certeza de que estamos inteirados sobre esta questão em particular”.
Ele disse que a polícia acreditava que os supostos terroristas planejavam detonar um dispositivo explosivo e atacar pessoas com facas e armas.

"Estes são auto-radicalizados... (mas eles foram) inspirados pela propaganda do ISIS e no ISIS", disse Ashton.

"Se isso não tivesse ficado sob a nosso controle, isso poderia ter sido um ataque significativo". 



 

Ele disse que haverá maior segurança em eventos de férias durante a próxima semana, incluindo o teste do Boxing Day e o concerto de Natal Carols, mas assegurou ao público que não havia nada da Inteligência para sugerir que houvesse outras ameaças planejadas.

O premiê Daniel Andrews disse que condena o [tentativa de] ataque terrorista, mas exortou os vitorianos a não considera-lo um ato de fé”.

O que estava sendo planejado não era um ato baseado na fé, não era um ato de observância religiosa, era, em vez disso, um planejamento de um ato de maldade, um ato criminoso", disse ele.

Todos nós, especialmente nesta época especial do ano, devemos lembrar e compreender que os nossos valores, nosso Multiculturalismo, nossa diversidade, é uma grande força.”.

Talvez a nossa maior força, mesmo quando confrontados com esses tipos de desafios”, acrescentou.

Ele também agradeceu aos 400 oficiais envolvidos nas investidas por sua “vigilância e absoluta determinação”, ao exortar os vitorianos a “fazer os seus negócios normalmente”.

O primeiro-ministro Malcom Turnbull elogiou a equipe de contraterrorismo por frustrar um dos “complôs terroristas mais sérios” que a nação já viu.

Ele disse que 12 conspirações terroristas foram frustradas e 57 pessoas acusadas de delitos de terrorismo desde a escalada do nível de ameaça na Austrália desde setembro de 2014.

Turnbull pediu que os australianos não vivam com medo durante a temporada de festas e que, em vez disso, abracem a “felicidade e a alegria” que os terroristas buscaram interromper. 

“O que esses criminosos procuram fazer é matar, mas eles também procuram assustar-nos, para que nos escondamos e abandonemos o nosso estilo de vida australiano, disse Turnbull.

Eles querem amedrontar e dividir os australianos. Eles querem que nos entreguemos. Não vamos deixá-los ter sucesso”, acrescentou.
 


Os supostos terroristas – um homem de 24 anos de Meadow Heights, um homem de 26 anos de Dallas, um de 22 anos de Campbellfield, um de 21 anos de Flamington e um rapaz de 21 anos, de Gladstone Park – ainda não foram acusados.

Ashton disse que isso ocorrerá quando eles comparecerem na corte na tarde de sexta-feira.

Duas outras pessoas foram presas durante as operações – uma mulher de 20 anos e um homem de 26 anos – ambos foram libertados depois sem acusações.

A Polícia Federal Australiana, a Polícia Vitoriana e a ASIO estiveram envolvidas nas operações que começaram por volta das 20hs na quinta-feira e continuarão até sexta-feira.

Policiais fortemente armados reuniram-se em Broadmeadows na noite de quinta-feira antes de serem implantados nos subúrbios em toda a cidade durante a noite.

Uma investigação forense ainda está em andamento em uma propriedade em Meadow Heights, onde se acredita que a polícia encontrou “os ingredientes de um dispositivo explosivo improvisado”. 
Artigos recomendados: 


Nenhum comentário:

Postar um comentário