7 de out de 2016

Putin estuda reabertura de bases militares em Cuba e no Vietnã - e Duma russa aprova base permanente na Síria




DN, 07 de outubro de 2016. 



Cuba e Vietname são antigos aliados comunistas de Moscovo e foram dois pontos quentes da Guerra Fria

A Rússia está a estudar a reabertura de bases militares em Cuba e no Vietname, antigos aliados comunistas de Moscovo, afirmou hoje o vice-ministro da Defesa russo, Nikolai Pankov.

As antigas bases militares soviéticas e russas nestes dois territórios estiveram ativas até ao início da década de 2000.

"Estamos a trabalhar nisso", referiu Nikolai Pankov em declarações aos jornalistas, sem precisar mais detalhes sobre as negociações.
Cuba e Vietname foram dois pontos quentes da Guerra Fria, já que tanto a então União Soviética como os Estados Unidos tinham bases militares nestes dois países estratégicos.

A intenção de recuperar as bases navais russas nestes dois países já tinha sido anunciada pelas autoridades russas há quatro anos, quando Havana e Moscovo voltaram a ativar a cooperação.

Pouco tempo depois de ter chegado ao poder em 2001, o Presidente russo, Vladimir Putin, encerrou a base de espionagem situada em Lourdes, aberta em 1967 e que era o último remanescente da presença em massa soviética em Cuba. Na altura, a decisão do líder russo foi recebida com estranheza pelos círculos militares.

Em dezembro de 2008, uma frota russa liderada pelo contratorpedeiro anti-submarinos Almirante Chabanenko abriu um novo capítulo ao atracar em Havana pela primeira vez desde 1991.

Nos últimos anos, os dois países têm tentado restabelecer a estreita cooperação que Moscovo e o regime de Havana mantiveram durante a época da União Soviética.

O Kremlin (sede da Presidência russa) saudou o restabelecimento das relações diplomáticas entre Cuba e os Estados Unidos, anunciado em julho de 2015, mas insiste no levantamento do embargo financeiro e económico norte-americano a Havana, em vigor desde 1962.

Parlamento russo aprova base aérea permanente na Síria/Euronews.

O Parlamento russo deu “luz verde” à instalação de uma base aérea permanente na Síria.

Com o voto favorável de 446 dos 450 deputados da Duma, foi ratificado esta sexta-feira um acordo com Damasco que prevê a mobilização “por uma duração indeterminada” de forças aéreas russas no aeródromo militar de Hmeimim, no oeste do território sírio.


O presidente do Parlamento russo, Vyacheslav Volodin, afirmou que “a Rússia é um país que ama a Paz e sublinha sempre que está a fazer tudo para apoiá-la. A operação na Síria constitui uma luta contra o terrorismo, contra o mal. E esta questão é importante para os cidadãos russos, bem como para os povos de outros países”.

A Rússia, que conta também com uma base naval em Tartus, no noroeste da Síria, iniciou a intervenção aérea no território a 30 de setembro de 2015, visando o que diz serem “alvos terroristas” em apoio do regime de Bashar al-Assab.

Mas os bombardeamentos russos, em particular em Alepo, atrairam as críticas do Ocidente, que denuncia crimes de guerra em ataques contra civis.

Por Rodrigo Barbosa.

Artigos recomendados: 


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...