26 de out. de 2016

França – a imigrantes de Calais é dada recepção mista em cidades francesas: o “Não” de alguns franceses ao oportunismo

Prólogo

Idiotisme, la folie et la stupidité: o governo francês está realmente tratando o povo francês como gado. Embora alguns franceses insistam em pôr em prática a doutrina de Sartre, impregnada em seus corações, outros, por outro lado, não o fazem. Alguns moradores demonstram exatamente a preocupação ressoada há muito tempo, de que, em sua maioria os “refugiados” não passam de homens em idade militar. As autoridades francesas de esquerda ressaltam o papel da mídia de “modo negativo”, em trazer notícias que, aliás, são até tendenciosas, pois trazem incidentes dentro dos centros de asilo, os quais associam diretamente aos opositores dessa política lunática – quando na realidade, os meios de comunicação fazem o máximo para desassociar incidentes envolvendo os próprios imigrantes terroristas – então a que “notícias” negativas eles se referem? Pois o fato de trazer incidentes somente nos centros prova que é uma forma de vitimar “refugiados” homens dos quais ninguém sabe absolutamente nada! 


A ministra de habitação francesa diz que “todos devem atender as políticas de acolhimento”; essa ênfase, não é à toa, pois até mesmo foi oferecido pelo governo a casa dos franceses para que os tais pudessem morar. Literalmente, as autoridades francesas estão se lixando para os riscos, e alguns franceses não se importam em se expor, contanto que possam pôr em prática a ideologia que se inflama em seus corações. A França enfrenta protestos de policiais, e a segurança pública está aquém do que já foi um dia. Uma mistura de estupidez de esquerda, em detratar policiais, mais as políticas absurdas praticamente impositivas fazem com que a França esteja indo mais um passo em direção ao fracasso total! Os residentes que calorosamente receberam homens em idade militar, ou que os trouxeram para as suas casas podem mudar de ideia mais tarde; isso se estiverem respirando depois de perceberem, caso não for tarde demais

Segundo o governo francês, estão todos famintos e afim de trabalhar



The Local Fr, 25-26 de outubro de 2016. 

Conforme 6.000 e 8.000 migrantes são reassentados em toda a França, a eles foi dada uma recepção mista pelos moradores.

A “Selva” de Calais está em vias de ser desmontada, com milhares de imigrantes sendo levados para 451 centros de acolhimento em toda a França.

O movimento, que é estimado para durar toda a semana, já provocou feroz oposição em partes da França, com alguns manifestantes tomando as ruas para expressar sua raiva com a perspectiva dos imigrantes serem localizados em suas cidades.
Esta opção continua conforme o reassentamento continua.

Na cidade de Chardonnay, famosa por suas uvas que compartilham do mesmo nome, duas dezenas de jovens requerentes de asilo sudaneses receberam uma recepção bastante morna na segunda-feira à noite.

The Local observou de longe como os homens desciam do ônibus na aldeia, que acabará de hospedar 50 requerentes de asilo em uma população de apenas 200 moradores.

Esta chegada em massa de imigrantes, é inapropriada”, disse o morador irritado Joelle Cheavaux, andando do lado de fora com o seu cachorro.

Residentes em Saint-Brévin-les-Pins, uma cidade costeira no oeste da França, com uma população de 13.000, foram ainda mais claros sobre como eles não estavam felizes por estar recebendo 50 imigrantes.

Cerca de 600 pessoas assinaram uma petição conta os imigrantes vindo, uma petição que foi lançada depois que um assaltante desconhecido abriu fogo contra o centro de imigrantes no início deste mês.

Cinquenta homens solteiros em uma cidade pequena como esta, esta é que é a verdade”, disse um morador ao France Info, na terça-feira.

No entanto, no fim de semana cerca de 400 moradores saíram para uma manifestação de apoio ao acolhimento de imigrantes.

[Ótimo! Ponha-os nas casas deles].

Em outros lugares, um centro imigrante no Loubeyrat no centro da França, Puy-de-Dôme foi incendiada na noite de domingo e outros atos semelhantes de vandalismo foram realizados em centros em áreas do departamento de Gironde, em Forges-les-Bians, não muito longe de Paris.

A ministra da habitação Emmanuelle Cosse denunciou estes “incidentes violentos”.

Esse é um comportamento totalmente inaceitável”, disse ela. “Todos devem apoiar esta política digna de recepção e implementação de asilo.”

Solidarité.

Para cada episódio de violência, no entanto, há histórias de apoio.

A manifestação pró-imigrante em Paris na segunda-feira atraiu 200 pessoas [poxa! Quanta gente], que estavam em frente ao Ministério do Interior cantando “Paris, Calais, e solidariedade!

Houve também protestos pró-imigrantes em Nantes a oeste da França, onde a polícia estimou que cerca de 250 pessoas apareceram para mostrar o seu apoio.

Até 200 pessoas marcharam em Rennes nas proximidades, segurando cartazes com dizeres como: “Nenhum ser humano é ilegal”.


Instituições de caridade e prefeitos locais têm vindo a acolher os seus novos [parasitas] hóspedes que chegam.

Na cidade de Mignaloux-Beauvoir no departamento de Vienne, no centro da França, 16 refugiados sudaneses foram calorosamente recebidos pelo prefeito Gérard Sol quando chegaram na segunda-feira à noite.

Subindo no ônibus, Sol lhes disse: “Estamos felizes em recebe-los, eu e todos os moradores que vieram aqui para nos auxiliar também”.

O prefeito do norte, e leste da França, Sainte-Menehould, Bertand Courot, também se congratulou com os imigrantes na terça-feira.

Estamos entre aqueles que esticam a mão amiga, e nós esperamos que outras cidades possam fazer a mesma coisa”, disse à France 3.

Eles dizem Liberté, Egalité, Fraternité na frente da nossa prefeitura, são estes os valores que defendemos, e é bom dizê-los, mas é ainda melhor fazê-los.”

Rafael Flichman, o porta-voz para a associação La Cimade ajudando migrantes e refugiados, diz que houve uma efusão de apoio para os migrantes em todo o país – embora ele observou que nem sempre faz a grande mídia.

Infelizmente, na maioria das vezes, a mídia francesa parece preferir escrever sobre as manifestações racistas contra imigrantes em vez de iniciativas positivas”, disse ele ao The Local.

Flichman acrescentou que pequenas cidades na França já viram os efeitos positivos conforme os imigrantes recém-chegados se conectam aos moradores locais.

Na realidade, as boas-vindas oferecidas aos novos residentes parece depender de cada cidade onde haverá apoiantes e opositores em todos os lugares.

O presidente François Hollande e seu governo que tomou a iniciativa arriscada de dispersar os imigrantes da Selva em toda a França espera que os franceses farão jus a tão apregoada “fraternité”. 
Artigos recomendados: 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...