2 de set de 2016

Alemanha se prepara para implementar controles mais severos de soldados em meio a temores de jihadistas




The Local De, 31 de agosto de 2016. 



O exército alemão está planejando controles mais rigorosos de seus soldados enquanto as autoridades temem que os jihadistas possam estar usando as forças armadas como uma maneira de treinar e ganhar experiência. 

O gabinete alemão finalizou uma emenda na quarta-feira com a lei militar que terá a agência MAD de inteligência militar em breve fazendo o mais completo exame de cada candidato e de suas conexões com grupos jihadistas ou extremistas. 

“Atualmente há indicações de que círculos islâmicos estão tentando enviar militantes para o Bundeswehr para os chamados ‘treinos de curta duração’ para adquirirem formação”, segundo a explicação da alteração, que entrará em vigor em 01 de julho de 2017. 

A cada ano cerca de 20.000 candidatos militares fazem teste para o Bundeswehr (exército alemão). O MAD terá que criar 90 cargos extras para executar as novas verificações de segurança. 

Atualmente candidatos só são obrigados a apresentar antecedentes criminais de boa conduta e professar o seu compromisso com a Lei Fundamental alemã. 

Desde 2007, 24 soldados ativos foram classificados como islamitas, 19 dos quais foram demitidos. Os cinco restantes já tinham chegado ao fim de suas condições de serviço.

Outros 30 ex-soldados deixaram a Alemanha para ir à Síria e ao Iraque, de acordo com números – alguns dos quais acredita-se ter ligações com o grupo terrorista ISIS, de acordo com relatórios das agências de segurança não confirmados. 

A reforma também visa impedir os extremistas de esquerda e ‘direita’ de se juntar as forças armadas. Segundo relatos, a inteligência militar conta atualmente com 268 casos de suspeita de extremismo de direita entre seus soldados, assim como 64 islamistas suspeitos e seis extremistas de esquerda suspeitos. 

Durante o ano passado, o MAD processou 332 casos suspeitos de extremismo islâmico. 

As novas verificações de segurança vão investigar potenciais recrutas para atividades “anticonstitucionais”. Os soldados têm, até agora, só sido investigados durante o seu serviço e só quando eles estão trabalhando em áreas sensíveis de segurança: soldados que lidam com armas de guerra não têm controles sistemáticos. 

Porta-vozes do partido conservador CDU da chanceler Ângela Merkel e seu partido irmão na Baviera, a CSU, disseram à DPA que as mudanças são “urgentes”. 

“MAD vai ter as ferramentas certas para impedir os extremistas de entrar no Bundeswehr e serem treinados com armas pesadas.”


Leitura recomendada:




Nenhum comentário:

Postar um comentário