17 de ago de 2016

Syring sobre as ameaças: ‘O jogo está se intensificando’ - a ameaça constante das tecnologias mísseis dos países antiocidentais

Vice-almirante James Syring



Defense News, 17 de agosto de 2016. 




Por Jean Judson



Huntsville, Alabama – a Coreia do Norte e o Irã estão intensificando o seu progresso em tecnologia de mísseis, disse o diretor da Agência de Defesa de Mísseis vice-almirante James Syring, que define o quadro como uma ameaça de mísseis balísticos atual para os Estados Unidos. 

A Coreia do Norte realizou testes de lançamento “mais vezes neste ano, apenas em agosto, mais do que em qualquer outro ano”, Syring disse no Simpósio de Defesa de Míssil na quarta-feira. 

Os Estados Unidos têm observado a Coreia do Norte realizar o lançamento de seis mísseis balísticos de médio alcance Musudan, com dois [lançamentos] que ocorreram em 21 de junho, de acordo com Syring. Um desses mísseis atingiu uma altitude significativa de 1.000 km e viajou 400 km de distância. 

“Estes eram diferentes dos do passado”, disse Syring. “Eu sempre disse no passado que a Coreia do Norte não havia testado um Musudan ainda, mas agora eles têm na minha opinião, intensificado o jogo.”
Juntamente com quatro testes de capacidade nuclear da Coreia do Norte com o mais recente ocorrendo em janeiro “e agora você começa a entender a base para a decisão que fizemos como um país... Para implantar um [Terminal de Alta Altitude Aérea de Defesa] sistema THAAD [na Península coreana]”, disse Syring. 

Já existe uma bateria THAAD implantada em Guam para se defender contra possíveis ataques da Coreia do Norte. A implantação do THAAD para a Coreia do Sul é mais controversa do que quando a China se opôs a ação. Os Estados Unidos têm lutado para garantir a China que o THAAD seria implantado somente para proteger a Coreia do Sul contra ameaças norte-coreanas. A Coreia do Norte também ameaçou um ataque nuclear na Coreia do Sul se o THAAD for implantado. 

A Coreia do Norte também continua a exibir e alterar sua capacidade de míssil balístico intercontinental. “Eles foram bem sucedidos em demonstrar a encenação do lançamento do TaepoDong-2 em fevereiro”, disse Syring. “Alguém tem de acreditar que a demonstração dessa tecnologia fará com que haja a transição de seu desenvolvimento para um nível de maior alcance ICBM”. 

Outra virada de jogo, acrescentou Syring, é a demonstração de sucesso de um ejetor de um míssil balístico lançado a partir de um submarino da Coreia do Norte em abril. “Conseguir isso a partir de um submarino é muito difícil”, disse ele. 

O Irã também continua a testar “em maiores números o aumento de sua capacidade”, evoluindo seu míssil balístico Shahab-3 de médio alcance com capacidade de viajar até 2.000 km, e o míssil Emad, o que melhora a precisão e exatidão da arma, observou Syring. E o Smorgh Veículo Espacial Lançador que poderia ser um teste para tecnologias ICBM. 

Finalmente, o Irã e a Coreia do Norte continuam a aumentar as suas capacidades anti-navios de mísseis balísticos. Syring disse que tudo o que os Estados Unidos estão fazendo com o Aegis balísticos de defesa de mísseis e do Terminal baseado no Mar “é fundamental para estar pronto para derrotar essa ameaça”.  


Nenhum comentário:

Postar um comentário