6 de ago de 2016

Polícia encontra materiais de fabricação de bombas para suposto ataque em Singapura

Parte do circuito iluminado é visto durante a terceira sessão de treinos do Grande Prémio de Singapura F1 no circuito de Marina Bay 25 de setembro de 2010.


Reuters, 06 de agosto de 2016. 






A polícia indonésia encontrou um estoque de materiais para fazer bombas, depois de prender seis homens suspeitos de planejar um ataque terrorista com foguete em uma ilha próxima de Singapura, disse um oficial nesse sábado. 

Mas o porta-voz da polícia Rafli Amar disse que uma caçada está sendo feita aos membros da gangue que agora acredita-se ser parte de uma rede mais ampla que aceita instruções de um militante do Estado Islâmico baseado na Síria, para lançar ataques em todo o Sudeste Asiático. 

Singapura pediu vigilância um dia depois que os militantes suspeitos foram presos. Ele disse que o seu plano era atingir Marina Bay, um cais no centro da cidade e isso expôs a necessidade da cidade-estado defender os seus múltiplos pontos de entrada.  


Os seis supostos militantes foram detidos na sexta-feira em ações feitas de madrugada na ilha de Batam, cerca de 15 km (10 milhas) ao sul de Singapura, onde a polícia acredita que os homens planejavam disparar os foguetes. 

“Não havia armas sofisticadas confiscadas, apenas materiais para se tornarem bombas”, disse Amar a Reuters. Perguntando se a investigação inicial indiciou se outros grupos planejavam ataques semelhantes, ele disse: “Sim, ainda existem”. 

O ministro de assuntos internos de Singapura, K. Shanmugam, disse que os homens tinham planos para atingir Marina Bay, em uma área de entretenimento popular de passeio marítimo, uma roda-gigante e um cassino resort de luxo. O Grand Prix de Formula 1 de Singapura será realizado anualmente nas ruas do bairro de Marina Bay. 

“Isso mostra como os nossos inimigos estão pensando em maneiras diferentes de nos atacar”, disse Shanmugam em um post no Facebook. 

“Os terroristas... Vão procurar entrar através de nossos postos de controle;... E também irão tentar lançar ataques a partir de fora, além de ataques ao estilo lobo solitário dos indivíduos radicalizados / temos que ser mais vigilantes com estes grupos.”  

Batam está ligada a Singapura por balsas que habitualmente chegam e aos seus resorts de praia e campos de golfe que são um destino de fim de semana popular em Singapura, que irá comemorar o seu feriado do Dia Nacional na terça-feira. 

Singapura, um alvo para o Estado Islâmico. 

As autoridades identificaram o líder do grupo preso em Batam, conhecido como Gigih Rahmat Dewa, que a mídia local diz ser um trabalhador de 31 anos de idade duma fábrica na cidade javanesa de Solo. Solo tem sido associada a vários ataques anteriores por militantes islâmicos na Indonésia. 

O grupo era suspeito de ter ligações diretas a Bahrun Naim, um indonésio que tinha vivido em Solo, mas é acreditado agora como estando lutando junto com o Estado Islâmico na Síria. 

“As seis pessoas lideradas por GRD tinham planejado lançar ataques”, disse o chefe da Polícia Nacional Tito Karnavian aos jornalistas, referindo-se a Dewa por suas iniciais. “Eles estavam em contato direito com Bahrun Naim na Síria e ele lhes havia ordenado a atacar Singapura e Batam.”

Investigadores indonésios acreditam que Naim foi um dos cérebros por trás dum ataque em janeiro na capital indonésia Jacarta, em que oito pessoas morreram, incluindo os quatro atacantes. 

Em um post após os tiroteios e atentados suicidas coordenados em toda a Paris em novembro passado, Naim pediu para a sua audiência indonésia estudar o planejamento, segmentação, tempo e coragem dos jihadistas que mataram 130 pessoas na capital francesa. 

A polícia disse que ainda não tinha descoberto qualquer evidência física dos preparativos para um ataque com foguete. 

“Estamos atualmente estudando o material que tinham e eu não posso dizer que um foguete foi encontrado”, disse o chefe de polícia de Batam Helmi Santika a Reuters. “Entre outras coisas, várias armas foram apreendidas, incluindo arco e flechas, armas de fogo de longo alcance e pistolas.”

Ponto de inflexão?

A multiétnica Singapura, um centro comercial bancário e de viagens é o lar de muitos expatriados ocidentais, e nunca viu um ataque bem sucedido por militantes islâmicos. 

No entanto, as autoridades impediram um plano para explodir várias embaixadas logo após o 11 de setembro de 2001 contra os Estados Unidos. Um militante de Singapura foi acusado de conspirar para abater um avião sequestrado em um aeroporto da cidade em 2002. 

O primeiro-ministro, Lee Hsien Loong, disse esta semana que Singapura é um alvo do Estado Islâmico porque é “um país racional, aberto, e cosmopolita”, mesmo que não esteja envolvido na campanha liderada pelos Estados Unidos contra o grupo no Oriente Médio. 

Alguns analistas de segurança estão duvidosos sobre se um ataque com foguete em Singapura a partir de Batam seria efetivo, mas Tim Ripley da Defence Weekly de Jane, disse que era possível. 

“Esses seriam apenas variantes de foguetes de longo alcance Grad, originalmente da Rússia ["que surpresa"], mas copiados pela China, Irã, Paquistão e vários outros países”, disse Ripley. 

“São muito simples de usar, mas muito imprecisos nos intervalos para esse tipo de ataque. O dano vai depender de onde lançarem, mas o potencial de vítimas seria alta”, disse ele. 

Se o plano para o lançamento de um foguete em Singapura for confirmado, isso sugere que os militantes no Sudeste da Ásia estão se preparando para ataques muito mais sofisticados do que dos últimos meses. 

A Indonésia, lar da maior população muçulmana do mundo, já se viu sob ataques de militantes islâmicos antes. O bombardeio de duas boates na ilha de Bali, que matou 202 pessoas estavam entre uma série de ataques durante a década de 2000. 

A polícia foi muito bem sucedida na destruição de células terroristas domésticas depois disso, mas agora eles se preocupam que a influência do Estado Islâmico irá trazer um ressurgimento da violência jihadista. 

Autoridades da Indonésia e da vizinha Malásia dizem que dezenas de homens passaram por estes países para juntarem-se a luta do Estado Islâmico no Oriente Médio. Autoridades de segurança temem que Naim e outros líderes do Estado Islâmico estejam agora a pedir a apoiadores no sudeste da Ásia para lançar ataques em casa.


Nenhum comentário:

Postar um comentário