20 de ago de 2016

O Preço da Impotência





National Review, 18 de agosto de 2016. 



Sob a égide de Obama, uma política externa passiva dos Estados Unidos permitiu que os seus rivais beligerantes ganhassem força. 






Esta semana bombardeios russos voaram para fora das bases aéreas iranianas para atacar posições rebeldes na Síria. O Departamento de Estado fingiu não estar surpreendido. Deveria estar. Deveria se alarmar. O regime revolucionário intensamente nacionalista iraniano nunca tinha permitido que forças estrangeiras operassem a partir de seu solo. Até agora. 

O reordenamento do Oriente Médio está avançando em um bom ritmo. Onde há 40 anos a aliança Estados Unidos-Egito ancorava, agora é uma região condomínio da Rússia e do Irã que estão agora ditando os eventos na região. [Ênfase minha].  Isso é o que você recebe após oito anos de contenção e da retirada dos Estados Unidos. Isso é o resultado do acordo nuclear com o Irã, e da evacuação do Iraque, sem mencionar a imobilidade dos Estados Unidos na Síria. Considere:

Irã – o acordo nuclear que deveria começar uma reaproximação entre Washington e Teerã. Em vez disso, tem solidificado a aliança estratégica entre Moscou e Teerã. Com o levantamento das sanções e a normalização das relações internacionais do Irã, a Rússia entrou correndo com as principais ofertas, incluindo o envio de mísseis S-300 terra-ar. O uso russo das bases iranianas agora marca um novo nível de cooperação e de projeção de poder combinado. 

Iraque – os bombardeios em espaço aéreo iraquiano. Antes da retirada do presidente Obama do Iraque, isso não poderia acontecer. O vácuo resultante não só criou um corredor para o bombardeio russo, como tem gradualmente permitido que uma força pró-Saddam escorregue para a órbita do Irã. De acordo com um porta-voz militar dos Estados Unidos com sede em Bagdá, há cerca de 100.000 milicianos xiitas operando no interior do Iraque, 80% deles apoiados pelo Irã. 

Síria – quando a Rússia interveio dramaticamente no ano passado, o estabelecimento de bases aéreas para lançar uma campanha de bombardeios selvagem, Obama não fez absolutamente nada [ênfase]. Na verdade, ele presunçosamente previu que Vladimir Putin havia entrado em um atoleiro. Alguns atoleiros. O regime de Bashar Al-Assad não só foi salvo, como os arredores de Aleppo foram aprendidas na guerra civil. Enquanto isso, nosso azarado secretário de Estado está correndo por aí tentando pedir a paz, oferecendo o compartilhamento de dados de inteligência para legitimar a intervenção russa na qual Putin prometeu conquistar gentilmente. 

Considere o que Putin tem conseguido: recebeu uma mão muito fraca de Washington – um estado russo remanescente, despojado de um império com uma economia selada e atrasada e uma força militar envelhecida – ele tem restaurado a Rússia ao status de grande potência. Reduzindo a irrelevância da década de 1990, esta é agora uma força a ser reconhecida. 

Na Europa, Putin tem unilateralmente redesenhado o mapa. Sua anexação da Crimeia não será revertida. Os europeus estão ansiosos para jogar fora as poucas sanções rancorosamente impostas à Rússia. E o estupro do leste da Ucrânia continua

Dez mil já morreram e agora Putin está ameaçando uma guerra ainda mais aberta. Sob o pretexto absurdo de combater o terrorismo ucraniano na Crimeia, Putin ameaçou retaliação, concentrou tropas em oito locais na fronteira com a Ucrânia, e ordenou a ida dos exércitos navais ao Mar Negro, e mudou as avançadas baterias antiaéreas para a Crimeia, dando a Moscou um grande controle sobre o espaço aéreo ucraniano. 

E por que não deveria? Ele está abrindo uma porta que está escancarada. Obama ainda se recusa a enviar armas a Ucrânia, mesmo defensivas. E qual é resposta da administração a essas provocações? Instar “os dois lados” a exercer contenção. Ambos os lados, você mente. 

Em uma ostentação gratuita de seu alcance recém-expandido, a Rússia irá realizar exercícios navais conjuntos com a China no Mar do Sul da China, em apoio as óbvias reivindicações territoriais de Pequim e suas bases militares ilegais. 

No entanto, o presidente mostra pouca preocupação. Ele é inteligente demais para não entender a geopolítica; ele simplesmente não se importa. Em parte porque as suas prioridades são domésticas. Em parte porque ele acha que não temos as mãos limpas e, portanto, a posição moral é continuar a desempenhar o papel de árbitro internacional.

E em parte porque está convencido de que, a longo prazo, não importa. Oscilações nas relações de grande potência são inerentemente efêmeras. Para um homem que vê um arco moral para a justiça, cálculos de realpolitik cru são pensamentos do século 20 – primitivo, obsoleto, e obsessão das mentes pequenas. 

Obama faz tudo isso perfeitamente claro em discursos na ONU, no Cairo, e aqui em casa, em seu primeiro ano no cargo. Mais tarde em duas ocasiões, vimos o resultado. A Ucrânia desmembrada. A Europa Oriental à beira do precipício. A Síria tornando-se uma casa mortuária. O Irã submetendo o Iraque. A Rússia e o Irã marchando ao longo de todo o Oriente Médio. 

No coração desta desordem está uma assimetria simples. Está na visão de mundo. As grandes potências revisionistas – China, Rússia e Irã – sabem o que querem: o poder, território, tributo. E eles estão indo atrás disso. Barack Obama faz jus ao Eclesiastes “o que é isto se não vaidades, nada mais do que vaidades.”. 

No reino dos céus, sem dúvida. Aqui na Terra, no entanto – de Aleppo até Donetsk, Estônia e Ilhas Spratly – importa muito.  


Nenhum comentário:

Postar um comentário